Buscar

9- Há uma ação em curso no STF que discute a questão relativa à recepção, pela Constituição Federal de 1988, dos artigos 124 e 126 do Código Penal ...

9- Há uma ação em curso no STF que discute a questão relativa à recepção, pela Constituição Federal de 1988, dos artigos 124 e 126 do Código Penal (Decreto-Lei N. 2.848/1940), que instituem a criminalização da interrupção voluntária da gravidez, pela ordem normativa vigente. A ação foi ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que sustenta que os dois dispositivos do Código Penal afrontam postulados fundamentais como a dignidade da pessoa humana, a cidadania, a não discriminação, a saúde e o planejamento familiar das mulheres e os direitos sexuais e reprodutivos. A pretensão é que o STF exclua do âmbito de incidência dos dois artigos a interrupção da gestação induzida e voluntária realizada nas primeiras 12 semanas, ¿de modo a garantir às mulheres o direito constitucional de interromper a gestação, de acordo com a autonomia delas, sem necessidade de qualquer forma de permissão específica do Estado, bem como garantir aos profissionais de saúde o direito de realizar o procedimento¿.

Em novembro de 2017, a relatora indeferiu pedido de medida cautelar de urgência que visava à suspensão de prisões em flagrante, inquéritos policiais e andamento de processos ou decisões judiciais baseados na aplicação dos artigos 124 e 126 do Código Penal a casos de aborto voluntário realizado nas primeiras 12 semanas de gravidez.

           Diante do caso concreto, pergunta-se:

           a) Qual é a ação constitucional de controle concentrado apresentada no caso concreto? Explique. 

           b) Se julgada procedente, em regra geral, quais seriam os efeitos no tempo e a extensão da eficácia da decisão? Explique. 


💡 1 Resposta

User badge image

Ed Verified user icon

a) A ação constitucional de controle concentrado apresentada no caso concreto é uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), ajuizada pelo Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), que questiona a recepção, pela Constituição Federal de 1988, dos artigos 124 e 126 do Código Penal, que criminalizam a interrupção voluntária da gravidez. b) Se julgada procedente, em regra geral, a decisão teria efeito erga omnes, ou seja, teria eficácia para todos e vincularia os órgãos do Poder Judiciário e a Administração Pública em todas as esferas e poderes. A decisão poderia declarar a inconstitucionalidade dos artigos 124 e 126 do Código Penal, excluindo do âmbito de incidência a interrupção da gestação induzida e voluntária realizada nas primeiras 12 semanas, garantindo às mulheres o direito constitucional de interromper a gestação, de acordo com a autonomia delas, sem necessidade de qualquer forma de permissão específica do Estado, bem como garantindo aos profissionais de saúde o direito de realizar o procedimento.

0
Dislike0

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis


✏️ Responder

SetasNegritoItálicoSublinhadoTachadoCitaçãoCódigoLista numeradaLista com marcadoresSubscritoSobrescritoDiminuir recuoAumentar recuoCor da fonteCor de fundoAlinhamentoLimparInserir linkImagemFórmula

Para escrever sua resposta aqui, entre ou crie uma conta.

User badge image

Perguntas relacionadas

Materiais relacionados

Materiais recentes

Perguntas Recentes