A maior rede de estudos do Brasil

O patrimônio dos sócios pode ser "atacado" para fim de quitação das dívidas da empresa?

Para despersonalização (extinção) da pessoa jurídica, o primeiro passo deve ser a quitação dos débitos da empresa. Dessa maneira, no caso do patrimônio da empresa ser insuficiente para a quitação das débitos, poderá então o patrimônio pessoal dos sócios ser "atacado" a finalidade de pagamento dos credores?

Direito Civil IESTÁCIO

35 resposta(s)

User badge image

Paulo

Há mais de um mês

Depende. Existe a desconsideração da Personalidade Jurídica atacando os bens dos sócios. Em caso de abuso da personalidade jurídica caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir a requerimento da parte ou do ministério público, quando lhe couber, intervir no processo que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando em detrimento do consumidor houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social.

A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades controladas são subsidiariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes deste código. As sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis pelas obrigações. As sociedades coligadas só responderam por culpa e por ultimo também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores. Também poderá ser considerada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados a qualidade do meio ambiente.

Temos duas teorias: a teoria maior – pressuposto é o abuso de direito ou fraude, temos a dificuldade de provas, um dos meios para gerar esta prova seria provando a confusão patrimonial, sendo a mais aceita pela doutrina e a que é mais aplicada. A teoria menor é satisfação do crédito teoria menor é mais tranqüila para o juiz decretar a desconsideração, pois não são exigidos os requisitos mencionados na teoria maior. Basta a demonstração do prejuízo do lesado para que a autonomia patrimonial da empresa seja afastada. Como se percebe, basta o prejuízo causado ao consumidor e esse demonstre que houve dano, para que, na impossibilidade de ressarcimento dos prejuízos causados pela pessoa jurídica, os sócios ou administradores respondem pela obrigação. Desconsideração inversa – desfaz a sociedade para pagar as dividas pessoais dos sócios. Na desconsideração inversa, como o próprio nome sugere, opera-se o afastamento da separação patrimonial para penetrar no âmago da sociedade e dela cobrar dívida contraída pessoalmente pelo sócio. A possibilidade ocorre quando o sócio esvazia seu patrimônio pessoal, colocando-o todo em nome de uma sociedade que detenha o controle. Dessa forma, os credores pessoais não poderiam penhorar tais bens, a menos que a distinção entre sócio e sociedade fosse afastada.

Entendeu agora as possibilidades e teorias, qualquer duvida só perguntar.

Depende. Existe a desconsideração da Personalidade Jurídica atacando os bens dos sócios. Em caso de abuso da personalidade jurídica caracterizado pelo desvio de finalidade ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir a requerimento da parte ou do ministério público, quando lhe couber, intervir no processo que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica. O juiz poderá desconsiderar a personalidade jurídica da sociedade quando em detrimento do consumidor houver abuso de direito, excesso de poder, infração da lei, fato ou ato ilícito ou violação dos estatutos ou contrato social.

A desconsideração também será efetivada quando houver falência, estado de insolvência, encerramento ou inatividade da pessoa jurídica provocados por má administração. As sociedades integrantes dos grupos societários e as sociedades controladas são subsidiariamente responsáveis pelas obrigações decorrentes deste código. As sociedades consorciadas são solidariamente responsáveis pelas obrigações. As sociedades coligadas só responderam por culpa e por ultimo também poderá ser desconsiderada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for, de alguma forma, obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados aos consumidores. Também poderá ser considerada a pessoa jurídica sempre que sua personalidade for obstáculo ao ressarcimento de prejuízos causados a qualidade do meio ambiente.

Temos duas teorias: a teoria maior – pressuposto é o abuso de direito ou fraude, temos a dificuldade de provas, um dos meios para gerar esta prova seria provando a confusão patrimonial, sendo a mais aceita pela doutrina e a que é mais aplicada. A teoria menor é satisfação do crédito teoria menor é mais tranqüila para o juiz decretar a desconsideração, pois não são exigidos os requisitos mencionados na teoria maior. Basta a demonstração do prejuízo do lesado para que a autonomia patrimonial da empresa seja afastada. Como se percebe, basta o prejuízo causado ao consumidor e esse demonstre que houve dano, para que, na impossibilidade de ressarcimento dos prejuízos causados pela pessoa jurídica, os sócios ou administradores respondem pela obrigação. Desconsideração inversa – desfaz a sociedade para pagar as dividas pessoais dos sócios. Na desconsideração inversa, como o próprio nome sugere, opera-se o afastamento da separação patrimonial para penetrar no âmago da sociedade e dela cobrar dívida contraída pessoalmente pelo sócio. A possibilidade ocorre quando o sócio esvazia seu patrimônio pessoal, colocando-o todo em nome de uma sociedade que detenha o controle. Dessa forma, os credores pessoais não poderiam penhorar tais bens, a menos que a distinção entre sócio e sociedade fosse afastada.

Entendeu agora as possibilidades e teorias, qualquer duvida só perguntar.

User badge image

Diego

Há mais de um mês

Art. 50. Em caso de abuso da personalidade jurídica, caracterizado pelo desvio de finalidade, ou pela confusão patrimonial, pode o juiz decidir, a requerimento da parte, ou do Ministério Público quando lhe couber intervir no processo, que os efeitos de certas e determinadas relações de obrigações sejam estendidos aos bens particulares dos administradores ou sócios da pessoa jurídica.

User badge image

Ana Luíza

Há mais de um mês

Complementando a primeira resposta, não podemos esquecer dos tipos de sociedade. A SOCIEDADE LIMITADA, a princípio o patrimônimo dos sócios não responde pelas dívidas da empresa, salvo se contrário no Contrato social, já na SOCIEDADE com responsabilidade ILIMITADA, abre-se espaço para a expropriação de bens para suprimento das dívidas da sociedade.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes