A maior rede de estudos do Brasil

Quais os Principais avanços do Novo CPC 2015/16?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

O principal objetivo da mudança do Código de Processo Civil foi adequá-lo a realidade atual do país. O antigo Código, de 1973, deixava a desejar em alguns importantes quesitos, e não tratava de maneira adequada sobre as mudanças trazidas pelo desenvolvimento tecnológico, que muito influenciou na dinâmica processual brasileira. O novo código objetivou sanar tais problemas.

Muitos institutos que foram regulamentados pela primeira vez pela Lei 13.105/15 já eram adotados pela prática jurídica. Foi o caso, por exemplo, da desconsideração da personalidade jurídica das sociedades.

A referida Lei permitiu também que houvesse mais celeridade e economia processual à atividade dos Tribunais. A morosidade e a burocracia dos procedimentos acabavam deixando os cidadãos desmotivados para buscar a solução dos seus conflitos judicialmente. Podemos dizer que com o novo código, tal questão melhorou consideravelmente.

Houve também uma simplificação procedimental, com regras enxutas e mais lógicas. O incentivo à conciliação, trazido pela Lei, trouxe imensos benefícios, diminuindo a quantidade de processos com seus méritos julgados pelos magistrados.

Ademais, a cronologia processual permitiu com que os processos ficassem um pouco mais céleres (mudança na contagem dos prazos, simplificação das defesas, adequação de recursos e incidentes, entre outros .

O principal objetivo da mudança do Código de Processo Civil foi adequá-lo a realidade atual do país. O antigo Código, de 1973, deixava a desejar em alguns importantes quesitos, e não tratava de maneira adequada sobre as mudanças trazidas pelo desenvolvimento tecnológico, que muito influenciou na dinâmica processual brasileira. O novo código objetivou sanar tais problemas.

Muitos institutos que foram regulamentados pela primeira vez pela Lei 13.105/15 já eram adotados pela prática jurídica. Foi o caso, por exemplo, da desconsideração da personalidade jurídica das sociedades.

A referida Lei permitiu também que houvesse mais celeridade e economia processual à atividade dos Tribunais. A morosidade e a burocracia dos procedimentos acabavam deixando os cidadãos desmotivados para buscar a solução dos seus conflitos judicialmente. Podemos dizer que com o novo código, tal questão melhorou consideravelmente.

Houve também uma simplificação procedimental, com regras enxutas e mais lógicas. O incentivo à conciliação, trazido pela Lei, trouxe imensos benefícios, diminuindo a quantidade de processos com seus méritos julgados pelos magistrados.

Ademais, a cronologia processual permitiu com que os processos ficassem um pouco mais céleres (mudança na contagem dos prazos, simplificação das defesas, adequação de recursos e incidentes, entre outros .

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas