A maior rede de estudos do Brasil

Qual a posição dos senhores em relação a Inconstitucionalidade da Vaquejada e Prova do Laço em Rodeios? Esse objeto poderia ser constitucional?


3 resposta(s)

User badge image

Jess W

Há mais de um mês

A vaquejada deveria ser ilegal, por sua conduta se adequar exatamente ao disposto no art. 32 do CP, que diz: 

"Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - reclusão, de 2 a 5 anos, e multa."

Porem, ser ilegal não implica em Inconstitucionalidade. Principalmente, porque a CF, protege festas como a vaquejada por considera-la patrimonio imaterial, e cultural do povo brasileiro.
Ainda, que não concorde com tais praticas, infelizmente, apesar do claro conflito que o tema faz entre o Direito Ambiental, e o Constitucional, deverá prevalecer o Direito Constitucional

(Alguns recortes, que demonstram o entendimento constitucional acerca deste complexo assunto)

" A Constituição Federal de 1988, em seu art. 215, § 1º, que o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais” e que “o Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional”.

Segundo Celso Antônio Pacheco Fiorillo (2007, p. 238), “ao se tutelar o meio ambiente cultural, o objeto imediato de proteção relacionado com a qualidade de vida é o patrimônio cultural de um povo”.

De acordo com o Decreto-Lei nº. 25, de 30 de novembro de 1937, em seu art. 1º, “constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico”.

"A Constituição Federal de 1988, por sua vez, também recepcionou o Decreto-Lei nº. 25/37, e em seu art. 216 conceitua como patrimônio cultural “os bens de natureza material ou imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: as formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico”.

A vaquejada deveria ser ilegal, por sua conduta se adequar exatamente ao disposto no art. 32 do CP, que diz: 

"Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - reclusão, de 2 a 5 anos, e multa."

Porem, ser ilegal não implica em Inconstitucionalidade. Principalmente, porque a CF, protege festas como a vaquejada por considera-la patrimonio imaterial, e cultural do povo brasileiro.
Ainda, que não concorde com tais praticas, infelizmente, apesar do claro conflito que o tema faz entre o Direito Ambiental, e o Constitucional, deverá prevalecer o Direito Constitucional

(Alguns recortes, que demonstram o entendimento constitucional acerca deste complexo assunto)

" A Constituição Federal de 1988, em seu art. 215, § 1º, que o Estado garantirá a todos o pleno exercício dos direitos culturais e acesso às fontes da cultura nacional, e apoiará e incentivará a valorização e a difusão das manifestações culturais” e que “o Estado protegerá as manifestações das culturas populares, indígenas e afro-brasileiras, e das de outros grupos participantes do processo civilizatório nacional”.

Segundo Celso Antônio Pacheco Fiorillo (2007, p. 238), “ao se tutelar o meio ambiente cultural, o objeto imediato de proteção relacionado com a qualidade de vida é o patrimônio cultural de um povo”.

De acordo com o Decreto-Lei nº. 25, de 30 de novembro de 1937, em seu art. 1º, “constitui o patrimônio histórico e artístico nacional o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no país e cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico”.

"A Constituição Federal de 1988, por sua vez, também recepcionou o Decreto-Lei nº. 25/37, e em seu art. 216 conceitua como patrimônio cultural “os bens de natureza material ou imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: as formas de expressão; os modos de criar, fazer e viver; as criações científicas, artísticas e tecnológicas; as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico”.

User badge image

Marcelo Souza

Há mais de um mês

Concordo com a colega Jess. Infelizmente, esses eventos incorrem em maus tratos aos animais, o que por si só já seria motivo impeditivo.

User badge image

Alexandre Chagas

Há mais de um mês

O "politicamente correto" está acabando com nosso país e por isso discordo. Aliás, ninguém reclama que o índio come carne de animais, ninguém reclama que fazem arte com as penas de animais (aliás o STF julgou que isso é legal por se tratar de cultura deles) e por aí vai. O mesmo pau que bate em Chico bate em Francisco... Mas o povo quer ter várais leis regulando o mesmo assunto e isso pra mim é prova que jurista aqui é um bando de acéfalo e que o STF também julga de maneira totalmente absurda, razão pela qual creio que deveriam acabar com o cargo vitalício. Explico:

Falar dos maus tratos de animais da vaquejada e tirar de fora o restante dos animais que são submetidos a condições absurdas de maus tratos em abates para venda a frigoríficos é o mesmo que acusar o assaltante de galinha e fazer vista grossa para o PCC. É isso qu eesses supostos "politicamente corretos" fazem em minha opinião.

O que acho interessante é que esses mesmos defensores de animais não tem nenhum trauma de dar um bife para o seu cachorro ou ração de carne (a carne da ração veio da onde ???), mas se for pra ele próprio comer ou pra um ser humano comer, pronto... lá vem o inferno do supostamente correto qu eele criou na mente doente que tem e acha que não tem.

Note o seguinte... Já pensou ir na Espanha e nunca mais poder assistir a uma tourada?Nem você, nem um filho, nem ninguém? Já pensou em ir ao RS e não comer mais em churrascaria? Ou, ainda, não comer mais molho barbecue (tem carne) ou deixar de fazer suplementação de B12 (SEM ELA A GENTE TEM ATAQUE CARDÍACO e ela só tem na carne vermelha)? Ah, acha que a B12 que vc faz suplementação vem da onde? Agora fique sem tomar ela pra ver se até os 55 anos vc não tem um ataque cardíaco por falência das glândulas (todas as nossas glândulas precisam de B12 senão entram em falência)... E antes que vc fale, não existe algo sintético não... isso é mentira... a suplementação que vc faz vem da morte de um bicho também.

AInda quanto a tourada, lá ninguém fica com esse nhe-nhe-nhe pelo simples fato de que o turismo deseja isso. Se esse bando de politcamente correto pensasse em turismo, em valor imaterial da comunidade etc iria parar de falar esse bando de absurdo e entender que somos predadores. Aliás, o melhor do mundo é predador, o resto só tem galinha, minhoca e bicho ´sem graça... Seu cachorro é predador, vc quer mudar a essência dele? Seu gato idem e por aí vai.

Na minha vida já fui vegano, e hoje, refletindo, notei que eu era radical, na realidade época eu tinha era raiva de mim e da humanidade. No fundo, eu queria atazanar a vida alheia com essas histórias e fazer de conta que eu era o tal por seguir um ideal que ia contra a essência que eu mesmo era.

Buda morreu comendo carne de porco estragada (isso mesmo!!!); Jesus comia peixe; os monges tibetanos comiam carne até menos de 100 anos atrás porque naquele frio era o que dava pra comer. Nem por isso se tornaram seres menos espiritualizados. Por isso, no evangelho apócrifo de Tomé está escrito que não é o que entra por nossa boca que pode nos macular, mas sim o que sai de nossa boca.

No lado jurídico, não apenas acredito, mas tenho certeza ser constitucional sim, porque tanto a constituição como a LICC protegem os costumes.

Ao se podar o direito de se ter cultura e entrar em maluquices, muito em breve estaremos sendo robôs. Certamente quem defende esse absurdo são as mesmas pessoas que gostaram quando o Ministério Público queria fechar o Mc Donalds porque junk food não deveria ser mais servida... A resposta do povo foi que cada um pode dar o que quiser para si e para seu filho...

Ora, se pode Mc Donald's, onde o bife é conseguido com o mesmo requinte de crueldade (milhões de animais, repito: milhões de aminais mortos com crueldade), porque ficam atazanando a vida alheia com um único animal.

Creio que agora dá bem pra ilustrar que o que esses grupos querem é fazer estardalhaço com um ladrão de galinha, mas eles mesmos fazem uso do PCC e aginda defendem o PCC.

De boa, vão todos vcs politicamente corretos pro inferno !

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes