A maior rede de estudos do Brasil

Exceção ao princípio da impessoalidade e o da propaganda eleitoral , onde o governate poderá fazer a sua promoção pessoal?


2 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Tanto a administração pública direta e indireta, como os entes da Federação, devem respeitos aos princípios expostos no artigo 37, da Constituição Federal, incluindo o princípio da impessoalidade.

Segundo Marcelo Novelino, "a atuação administrativa (atos, programas, realização de obras, prestação de serviços, etc) deve ser imputada ao Estado, jamais ao agente. Por isso mesmo, só se admitirá a publicidade dessa atuação em caráter exclusivamente educativo ou informativo, não se permitindo constar nomes, símbolos ou imagens que possam associar à pessoa do agente."

Segundo decisão do Supremo Tribunal Federal:

"Publicidade de atos governamentais. Princípio da impessoalidade. (...) O caput e o § 1º do art. 37 da CF impedem que haja qualquer tipo de identificação entre a publicidade e os titulares dos cargos alcançando os partidos políticos a que pertençam. O rigor do dispositivo constitucional que assegura o princípio da impessoalidade vincula a publicidade ao caráter educativo, informativo ou de orientação social é incompatível com a menção de nomes, símbolos ou imagens, aí incluídos slogans, que caracterizem promoção pessoal ou de ser­vidores públicos. A possibilidade de vinculação do conteúdo da divulgação com o partido político a que pertença o titular do cargo público mancha o princípio da impessoalidade e desnatura o caráter educativo, informativo ou de orientação que constam do comando posto pelo constituinte dos oitenta."

(RE 191.668, Rel. Min. Menezes Direito, julgamento em 15‑4‑2008, Primeira Turma, DJE de 30‑5‑2008.)

Entendemos que a propaganda eleitoral não é exceção ao princípio da impessoalidade. O referido princípio diz respeito ao comportamento dos titulares dos cargos enquanto atuando nestes, vedando-se a utilização da máquina pública para se promover

Quando das eleições, os candidatos não estão ali como titulares dos cargos, mas sim como postulantes a cargos, não fazendo uso da máquina pública para a própria promoção, mas sim de outros recursos.

Tanto a administração pública direta e indireta, como os entes da Federação, devem respeitos aos princípios expostos no artigo 37, da Constituição Federal, incluindo o princípio da impessoalidade.

Segundo Marcelo Novelino, "a atuação administrativa (atos, programas, realização de obras, prestação de serviços, etc) deve ser imputada ao Estado, jamais ao agente. Por isso mesmo, só se admitirá a publicidade dessa atuação em caráter exclusivamente educativo ou informativo, não se permitindo constar nomes, símbolos ou imagens que possam associar à pessoa do agente."

Segundo decisão do Supremo Tribunal Federal:

"Publicidade de atos governamentais. Princípio da impessoalidade. (...) O caput e o § 1º do art. 37 da CF impedem que haja qualquer tipo de identificação entre a publicidade e os titulares dos cargos alcançando os partidos políticos a que pertençam. O rigor do dispositivo constitucional que assegura o princípio da impessoalidade vincula a publicidade ao caráter educativo, informativo ou de orientação social é incompatível com a menção de nomes, símbolos ou imagens, aí incluídos slogans, que caracterizem promoção pessoal ou de ser­vidores públicos. A possibilidade de vinculação do conteúdo da divulgação com o partido político a que pertença o titular do cargo público mancha o princípio da impessoalidade e desnatura o caráter educativo, informativo ou de orientação que constam do comando posto pelo constituinte dos oitenta."

(RE 191.668, Rel. Min. Menezes Direito, julgamento em 15‑4‑2008, Primeira Turma, DJE de 30‑5‑2008.)

Entendemos que a propaganda eleitoral não é exceção ao princípio da impessoalidade. O referido princípio diz respeito ao comportamento dos titulares dos cargos enquanto atuando nestes, vedando-se a utilização da máquina pública para se promover

Quando das eleições, os candidatos não estão ali como titulares dos cargos, mas sim como postulantes a cargos, não fazendo uso da máquina pública para a própria promoção, mas sim de outros recursos.

User badge image

Juliana

Há mais de um mês

No período de eleições?

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas