A maior rede de estudos do Brasil

No que concerne a punibilidade no concurso de agentes..

No que concerne a punibilidade no concurso de agentes, o que são circunstâncias de caráter pessoal e circunstância real?


1 resposta(s)

User badge image

Pedro Ferencz

Há mais de um mês

PUNIBILIDADE

Como visto, adota-se a teoria monística, mas também a teoria restritiva do autor (distinguindo autor de partícipe). Abstratamente, todos concorrem a mesma pena. Mas no caso em concreto, cada um responde na medida de sua culpabilidade (art. 29) e, no caso do partícipe, de acordo com a importância causal de sua participação (art. 29, § 1.º).
Para o co-autor não precisaria este artigo. Mas é importante para o partícipe, pois a tipicidade se dá por norma de extensão.

PARTICIPAÇÃO DE MENOR IMPORTÂNCIA (§ 1.º, art. 29, CP): Vale apenas para o partícipe, não para o co-autor. Como o co-autor contribui com a efetiva execução do crime, ele responde nos moldes do caput. Já o participe, quando sua contribuição for de menor importância, poderá ter a pena reduzida de 1/6 a 1/3, ficando inclusive aquém do mínimo legal.

COOPERAÇÃO DOLOSAMENTE DISTINTA: É o desvio subjetivo de condutas. Ex: A determina que B dê uma surra em C. B vai lá e mata C por razões pessoais. Aplica-se o parágrafo 2.º do art. 29. A responde por lesões corporais (a pena pode ser elevada até a metade se era previsível o homicídio).

COMUNICABILIDADE DAS CIRCUNSTÂNCIAS, CONDIÇÕES E ELEMENTARES

O artigo 30 do CP diz que não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo quando elementares do crime. O problema está na distinção entre circunstâncias e condições.

Circunstâncias: dados, elementos que circundam o fato principal. Não é a figura típica, mas pode aumentar ou diminuir sua gravidade. Podem ser objetivas – fato objetivamente considerado (tempo, lugar, modo, meio de execução etc.) e subjetivas - relativas ao agente (qualidades, estado, parentesco, motivos do crime).

Condições de caráter pessoal: relações do agente com o mundo exterior. 

As circunstâncias de caráter pessoal não se comunicam, já as objetivas comunicam. É a seguinte regra:

- Circunstâncias e condições de caráter pessoal não se comunicam;
- Circunstâncias objetivas e elementares do tipo se comunicam, se entrarem na esfera de conhecimento dos participantes.

 

 

PUNIBILIDADE

Como visto, adota-se a teoria monística, mas também a teoria restritiva do autor (distinguindo autor de partícipe). Abstratamente, todos concorrem a mesma pena. Mas no caso em concreto, cada um responde na medida de sua culpabilidade (art. 29) e, no caso do partícipe, de acordo com a importância causal de sua participação (art. 29, § 1.º).
Para o co-autor não precisaria este artigo. Mas é importante para o partícipe, pois a tipicidade se dá por norma de extensão.

PARTICIPAÇÃO DE MENOR IMPORTÂNCIA (§ 1.º, art. 29, CP): Vale apenas para o partícipe, não para o co-autor. Como o co-autor contribui com a efetiva execução do crime, ele responde nos moldes do caput. Já o participe, quando sua contribuição for de menor importância, poderá ter a pena reduzida de 1/6 a 1/3, ficando inclusive aquém do mínimo legal.

COOPERAÇÃO DOLOSAMENTE DISTINTA: É o desvio subjetivo de condutas. Ex: A determina que B dê uma surra em C. B vai lá e mata C por razões pessoais. Aplica-se o parágrafo 2.º do art. 29. A responde por lesões corporais (a pena pode ser elevada até a metade se era previsível o homicídio).

COMUNICABILIDADE DAS CIRCUNSTÂNCIAS, CONDIÇÕES E ELEMENTARES

O artigo 30 do CP diz que não se comunicam as circunstâncias e as condições de caráter pessoal, salvo quando elementares do crime. O problema está na distinção entre circunstâncias e condições.

Circunstâncias: dados, elementos que circundam o fato principal. Não é a figura típica, mas pode aumentar ou diminuir sua gravidade. Podem ser objetivas – fato objetivamente considerado (tempo, lugar, modo, meio de execução etc.) e subjetivas - relativas ao agente (qualidades, estado, parentesco, motivos do crime).

Condições de caráter pessoal: relações do agente com o mundo exterior. 

As circunstâncias de caráter pessoal não se comunicam, já as objetivas comunicam. É a seguinte regra:

- Circunstâncias e condições de caráter pessoal não se comunicam;
- Circunstâncias objetivas e elementares do tipo se comunicam, se entrarem na esfera de conhecimento dos participantes.

 

 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes