A maior rede de estudos do Brasil

Qual a justificativa da prevalência normativa em face da técnica de interpretação conforme a constituição?

Qual a justificativa da prevalência normativa em face da técnica de interpretação conforme a constituição?


5 resposta(s)

User badge image

Lyra

Há mais de um mês

existe 2 tipos de interpretação conforme a constituição. Uma é a tecnica de interpretar qualquer instituto jurídico à luz da cf, neste caso é uma técnica cabível tanto no controle abstrato quando concreto. Não faz sentido falar em prevalência de norma sobre esta técnica. COntudo, enquanto técnica que de controle concentrado (que o STF consdiera como sinonima de declaracao de inconstitucionalidade sem redução de texto), para ser possível aplica-la é necessário observar o limite da literalidade do dispositivo. Somente é possivel usar a IC quando há 2 interpretações. se o dispostiivo dito inconstitucionalmente somente conduz à interpretação X..e X é inconstitucional, vc não pode fazer uma malabarismo interpretativo e gerar uma interpretação Y.

existe 2 tipos de interpretação conforme a constituição. Uma é a tecnica de interpretar qualquer instituto jurídico à luz da cf, neste caso é uma técnica cabível tanto no controle abstrato quando concreto. Não faz sentido falar em prevalência de norma sobre esta técnica. COntudo, enquanto técnica que de controle concentrado (que o STF consdiera como sinonima de declaracao de inconstitucionalidade sem redução de texto), para ser possível aplica-la é necessário observar o limite da literalidade do dispositivo. Somente é possivel usar a IC quando há 2 interpretações. se o dispostiivo dito inconstitucionalmente somente conduz à interpretação X..e X é inconstitucional, vc não pode fazer uma malabarismo interpretativo e gerar uma interpretação Y.

User badge image

João Henrique Ribeiro Nunes

Há mais de um mês

O colega Lyra está correto.

Complementando. Quando o STF no sistema de controle constitucional concentrado, utiliza a técnica de interpretação conforme a constituição e emite Declaração Parcial de Inconstitucionalidade sem redução de texto é que ocorre a incidência da prevalência normativa. Haja visto que a interpretação da lei extrapola sua literalidade e em determinado caso seu resultado é inconstitucional, o Tribunal de Cúpula indica qual caso em que a norma produz efeito diverso daquele admitido pela constitucionalidade. A justificativa da prevalência normativa nesses casos, está calçada no aproveitamento necessário do esforço do legislador na produção da norma. Ou seja, se a norma serve genericamente, não há que se descartá-la por inconstitucionalidade isolada específica.

Bom estudo aos colegas. Se gostaram do tema, não esqueçam de indicar.

User badge image

Júnior Oliveira

Há mais de um mês

Na solução de um conflito entre a norma e a CF, o magistrado deve dar preferência àquela interpretação em consonância com a Constituição, conservando a norma, mesmo que ela detenha interpretação diversa que seja inconstitucional.

No entanto, deve ser considerado o texto da lei. Não se acolhe, destarte, no ordenamento jurídico brasileiro, a interpretação contra legem. O intérprete não pode se opor ao texto literal e ao sentido da norma para alcançar sua conformidade com a Constituição.

Além disso, se a norma não é plurissignificativa, ou seja, possui somente um sentido, não haverá que se falar em interpretação conforme, ao contrário, esse único significado deverá estar de acordo com a Constituição, ou a norma será declarada inconstitucional. Portanto, só acolhe-se a interpretação conforme quando há margem para tanto.

Ademais, não cabe ao intérprete contrariar o desígnio que foi almejado pelo legislador quando da concepção da norma, ou seja, não é permitido ao magistrado operar como legislador positivo alterando o escopo da regra.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes