A maior rede de estudos do Brasil

Relacione a importância do trabalho à política e a economia

Trabalho,Politica e a Economia


1 resposta(s)

User badge image

Alcimery

Há mais de um mês

Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.

Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais. Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.Todas as transformações observadas no conjunto das regularidades de acumulação (organização da produção, relação capital/trabalho, demanda social, formas institucionais etc.) geram, de modo confluente, um deslocamento da base social e produtiva do capitalismo. Elas esboçam os contornos de um novo padrão de acumulação, no qual o objeto de exploração não são atividades produtivas específicas, mas a capacidade universal de produzir, isto é, a atividade social abstrata. A ênfase passa da aquisição do conhecimento e sua objetivação no elemento material para a sua produção e construção como verdadeira força produtiva, motivo de exploração e fonte de valorização, vinculada numa rede difusa de dispositivos que regulam diretamente as práticas laborais.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes