A maior rede de estudos do Brasil

O prazo para ajuizar ação de anulação de casamento em virtude de coação, contado a partir da data da celebração, é de:

Direito Civil I

UNIVERSO


3 resposta(s)

User badge image

Isaias Marinho

Há mais de um mês

O prazo para ajuizar ação de anulação de casamento em virtude de coação, contado a partir da data da celebração, é de:

O prazo para ajuizar ação de anulação de casamento em virtude de coação, contado a partir da data da celebração, é de:

User badge image

Fernando Zangarini

Há mais de um mês

04 ANOS.

Art. 1.560. O prazo para ser intentada a ação de anulação do casamento, a contar da data da celebração, é de:

I - cento e oitenta dias, no caso do inciso IV do art. 1.550;

II - dois anos, se incompetente a autoridade celebrante;

III - três anos, nos casos dos incisos I a IV do art. 1.557;

IV - quatro anos, se houver coação.

 

User badge image

Júnior Oliveira

Há mais de um mês

Dispõe o Código Civil, em seu art. 1.558:

É anulável o casamento em virtude de coação, quando o consentimento de um ou de ambos os cônjuges houver sido captado mediante fundado temor de mal considerável e iminente para a vida, a saúde e a honra, sua ou de seus familiares.

Importante ressaltar que a coação que motiva a anulação do casamento, seja moral ou física, deve ser injusta e impossível de não ser cumprida.

O prazo para alegar a anulabilidade em caso de coação será de quatro anos, contados da data da celebração do casamento, podendo ser arguida apenas pelos legitimados interessados, ou seja, o próprio cônjuge. Assim leciona o Código Civil:

Art. 1.560. O prazo para ser intentada a ação de anulação do casamento, a contar da data da celebração, é de:

IV - quatro anos, se houver coação.

Vale destacar que o conhecimento do erro ou coação prejudicará a anulabilidade do casamento em caso de coabitação. É o que dispõe o art.1.559 do Código Civil:

Art. 1.559. Somente o cônjuge que incidiu em erro, ou sofreu coação, pode demandar a anulação do casamento; mas a coabitação, havendo ciência do vício, valida o ato, ressalvadas as hipóteses dos incisos III e IV do art. 1.557.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes