A maior rede de estudos do Brasil

Considere a seguinte afirmação: “Grande parte do oceano é, na verdade um deserto marinho”. Em que se sustenta essa afirmação?


3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Por causa do baixo teor de nutrientes na zona fótica (zona que recebe luz solar suficiente para que ocorra a fotossíntese), podemos considerar grande parte do oceano aberto como um deserto marinho. Contudo, mares do ártico e antártico são mais produtivos do que aqueles em latitudes médias, o que é indicado devido a maior quantidade de peixes e baleias nessas regiões.

No zoneamento vertical, que vai da superfície até o fundo do oceano, a distribuição solar depende de maneira fundamental a quantidade de luz solar que atravessa as camadas oceânicas. Sua penetração pode chegar aos 100 metros e depende tanto da claridade quanto da transparência da água. Esse segundo fator é dependente também da quantidade de substâncias minerais e orgânicas dissolvidas além da concentração de plâncton e outras partículas suspensas. 

Portanto, o que sustenta a informação descrita na questão é o fato de que o oceano possui a peculiaridade de que a luz solar perde rapidamente a intensidade ao adentrar o ambiente aquático e, por tanto, a energia que advém dos produtores primários também decai. Diferentemente da atmosfera que permite a entrada da luz solar sem maiores dificuldades.

Por causa do baixo teor de nutrientes na zona fótica (zona que recebe luz solar suficiente para que ocorra a fotossíntese), podemos considerar grande parte do oceano aberto como um deserto marinho. Contudo, mares do ártico e antártico são mais produtivos do que aqueles em latitudes médias, o que é indicado devido a maior quantidade de peixes e baleias nessas regiões.

No zoneamento vertical, que vai da superfície até o fundo do oceano, a distribuição solar depende de maneira fundamental a quantidade de luz solar que atravessa as camadas oceânicas. Sua penetração pode chegar aos 100 metros e depende tanto da claridade quanto da transparência da água. Esse segundo fator é dependente também da quantidade de substâncias minerais e orgânicas dissolvidas além da concentração de plâncton e outras partículas suspensas. 

Portanto, o que sustenta a informação descrita na questão é o fato de que o oceano possui a peculiaridade de que a luz solar perde rapidamente a intensidade ao adentrar o ambiente aquático e, por tanto, a energia que advém dos produtores primários também decai. Diferentemente da atmosfera que permite a entrada da luz solar sem maiores dificuldades.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Por causa do baixo teor de nutrientes na zona fótica (zona que recebe luz solar suficiente para que ocorra a fotossíntese), podemos considerar grande parte do oceano aberto como um deserto marinho. Contudo, mares do ártico e antártico são mais produtivos do que aqueles em latitudes médias, o que é indicado devido a maior quantidade de peixes e baleias nessas regiões.

No zoneamento vertical, que vai da superfície até o fundo do oceano, a distribuição solar depende de maneira fundamental a quantidade de luz solar que atravessa as camadas oceânicas. Sua penetração pode chegar aos 100 metros e depende tanto da claridade quanto da transparência da água. Esse segundo fator é dependente também da quantidade de substâncias minerais e orgânicas dissolvidas além da concentração de plâncton e outras partículas suspensas. 

Portanto, o que sustenta a informação descrita na questão é o fato de que o oceano possui a peculiaridade de que a luz solar perde rapidamente a intensidade ao adentrar o ambiente aquático e, por tanto, a energia que advém dos produtores primários também decai. Diferentemente da atmosfera que permite a entrada da luz solar sem maiores dificuldades.

User badge image

Andre

Há mais de um mês

Por causa do baixo teor de nutrientes na zona fótica (zona que recebe luz solar suficiente para que ocorra a fotossíntese), podemos considerar grande parte do oceano aberto como um deserto marinho. Contudo, mares do ártico e antártico são mais produtivos do que aqueles em latitudes médias, o que é indicado devido a maior quantidade de peixes e baleias nessas regiões.

No zoneamento vertical, que vai da superfície até o fundo do oceano, a distribuição solar depende de maneira fundamental a quantidade de luz solar que atravessa as camadas oceânicas. Sua penetração pode chegar aos 100 metros e depende tanto da claridade quanto da transparência da água. Esse segundo fator é dependente também da quantidade de substâncias minerais e orgânicas dissolvidas além da concentração de plâncton e outras partículas suspensas. 

Portanto, o que sustenta a informação descrita na questão é o fato de que o oceano possui a peculiaridade de que a luz solar perde rapidamente a intensidade ao adentrar o ambiente aquático e, por tanto, a energia que advém dos produtores primários também decai. Diferentemente da atmosfera que permite a entrada da luz solar sem maiores dificuldades.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas