A maior rede de estudos do Brasil

A inelegibilidade do analfabeto fere a proposta de sufragio universal? Justifique

Direito Constitucional I

Humanas / Sociais


2 resposta(s)

User badge image

Thalles Gameiro

Há mais de um mês

“Sufrágio universal é aquele em que o direito de votar é atribuído ao maior número possível de nacionais. As eventuais restrições só devem fundar-se em circunstâncias que naturalmente impedem os indivíduos de participar do processo político. A esse respeito pondera Salvetti Netto (1987, p. 102) que a universalidade do sufrágio não significa concessão genérica dos direitos políticos. “Há, com evidência, aqueles que, por situações facilmente compreensíveis, não apresentam condições para exercerem a cidadania. Assim, os menores, os mentalmente incapazes, e, para algumas legislações, os estrangeiros e os analfabetos, como entre nós vigente.” Caracteriza-se, pois, o sufrágio universal pela concessão genérica de cidadania, a qual só é limitada excepcionalmente. Nele não se admitem restrições ou exclusões por motivos étnicos, de riqueza, de nascimento ou capacidade intelectual. Imperam os princípios da igualdade e da razoabilidade, de sorte que a todos devem ser atribuídos direitos políticos. As exceções devem ocorrer somente quanto àqueles que, por motivos razoáveis, não puderem participar do processo político-eleitoral. (José Jairo Gomes. Direito Eleitoral. E-book. 12ª Ed. pgs. 78-79)

Diante do exposto, pode-se afirmar que o direito de sufrágio, assim como qualquer outro direito, não é absoluto, de modo que pode sofrer restrições e ponderações dentro dos limites da razoabilidade sem que, com isso, viole-se a proposta do sufrágio universal. 

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes