A maior rede de estudos do Brasil

PATOLOGIA BASICA

Uma paciente, com 25 anos de idade, há três dias apresenta febre, cefaléia intensa retroorbital, mialgia e exantema cutâneo morbiliforme. Há oito dias retornou de Fortaleza e há um dia começou a apresentar petéquias, epistaxe e teste do torniquete positivo. Sua pressão arterial é de 120/70 mmHg e sua pulsação, de 80 bpm, a temperatura é de 36,7º C. Os exames laboratoriais mostraram plaquetas de 80.000, leucopenia, tempos de protrombina e tromboplastina parcial normais e sorologia para dengue (IgM) positiva. Diante do quadro da paciente, a provável etiologia da patogênese é:

3 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

RD Resoluções Verified user icon

Há mais de um mês

Pelos sintomas descritos acima e com os testes realizados com o paciente, o quadro de dengue é confirmado e, devido a baixa quantidade de plaquetas, pode virar um dengue hemorrágica. O vírus da dengue é da família Flaviviridae e é transmitido por um vetor: o mosquito da espécie Aedes aegypti. A transmissão do vírus é feita por contato, ou seja, o mosquito passa o vírus ao picar o indivíduo. Em seguida, o vírus começa a se multiplicar dentro do organismo humano, passando para a corrente sanguínea e espalhando-se pelo corpo. O período de incubação do vírus é, em média, cinco dias, logo começam a aparecer os primeiros sintomas.

É importante notar que o ambiente de Fortaleza é propício para a reprodução do mosquito do Aedes aegypti, sendo um ambiente úmido, com chuvas recorrentes (que possibilitam o acúmulo de água) e clima tropical. Há uma alta probabilidade do paciente ter contraído a doença durante sua estadia na capital cearense.

Pelos sintomas descritos acima e com os testes realizados com o paciente, o quadro de dengue é confirmado e, devido a baixa quantidade de plaquetas, pode virar um dengue hemorrágica. O vírus da dengue é da família Flaviviridae e é transmitido por um vetor: o mosquito da espécie Aedes aegypti. A transmissão do vírus é feita por contato, ou seja, o mosquito passa o vírus ao picar o indivíduo. Em seguida, o vírus começa a se multiplicar dentro do organismo humano, passando para a corrente sanguínea e espalhando-se pelo corpo. O período de incubação do vírus é, em média, cinco dias, logo começam a aparecer os primeiros sintomas.

É importante notar que o ambiente de Fortaleza é propício para a reprodução do mosquito do Aedes aegypti, sendo um ambiente úmido, com chuvas recorrentes (que possibilitam o acúmulo de água) e clima tropical. Há uma alta probabilidade do paciente ter contraído a doença durante sua estadia na capital cearense.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas