A maior rede de estudos do Brasil

em que se distingue a noção de areté, presente no período homérico, do conceito de paidéia na Grécia clássica.


2 resposta(s)

User badge image

Danielle Onório Campos

Há mais de um mês

Por que tratar de areté quando devíamos tratar de educação? Para entender essa atitude é preciso considerar com os antigos empregavam esses termos.

 A palavra educação é de origem latina.  O substantivo é feminino  e assim se enuncia: educatio, onis.  Implica, primariamente, a ação de criar e se aplica tanto a animais  como a plantas, o que pode ser conferido em Cícero, de Finibus 5, 39  e  em Pro Sex.  Roscio Amerino 63. Também em Cícero, de Oratore 3, 124 e em  de Legibus 3, 30 encontramos o sentido que usualmente lhe damos, em nosso campo: instruçãoformação do espírito.

O próprio verbo educo, aui, atum, are significa criar, nutrir, cuidar de, tratar (pode ser de animais), formar, instruir, produzir.  Para se compreender a abrangência da idéia, diz-se,  em linguagem poética, quando se quer referir o que a terra produz, faz crescer: quod terra educat[1]

A palavra grega que poderia aspirar à equivalência  relativamente à palavra  latina educação é paideia (h( paide/ia, aj), etimologicamente presa a pais, paidós (o(, h( pai=j, paido/j),  que significa, pura e simplesmente, criança. Já o verbo paideúo (paideu/w - paideu/sw,, e)pai/deusa, pepai/deuka)  se traduz por criar, instruir, formar e também se aplica a animais com  o sentido de criar, formar. [2]

Werner Jaeger lembra que a palavra paideia só aparece no século V a.C., e dá como registro mais antigo, dele conhecido,  o passo 18 de Sete contra Tebas,  de Ésquilo [3], onde,  a seu ver, a palavra tem o mesmo sentido de trophé (h) Qrofh/, h=j).  Na verdade, no início do século V a  palavra tinha o simples significado de "criação de meninos". Mas é ainda Werner Jaeger quem adverte: o melhor fio condutor para se estudar a educação grega em suas origens não é a palavra paideia:  mais importante do que ela é a palavra areté[4]

Por que tratar de areté quando devíamos tratar de educação? Para entender essa atitude é preciso considerar com os antigos empregavam esses termos.

 A palavra educação é de origem latina.  O substantivo é feminino  e assim se enuncia: educatio, onis.  Implica, primariamente, a ação de criar e se aplica tanto a animais  como a plantas, o que pode ser conferido em Cícero, de Finibus 5, 39  e  em Pro Sex.  Roscio Amerino 63. Também em Cícero, de Oratore 3, 124 e em  de Legibus 3, 30 encontramos o sentido que usualmente lhe damos, em nosso campo: instruçãoformação do espírito.

O próprio verbo educo, aui, atum, are significa criar, nutrir, cuidar de, tratar (pode ser de animais), formar, instruir, produzir.  Para se compreender a abrangência da idéia, diz-se,  em linguagem poética, quando se quer referir o que a terra produz, faz crescer: quod terra educat[1]

A palavra grega que poderia aspirar à equivalência  relativamente à palavra  latina educação é paideia (h( paide/ia, aj), etimologicamente presa a pais, paidós (o(, h( pai=j, paido/j),  que significa, pura e simplesmente, criança. Já o verbo paideúo (paideu/w - paideu/sw,, e)pai/deusa, pepai/deuka)  se traduz por criar, instruir, formar e também se aplica a animais com  o sentido de criar, formar. [2]

Werner Jaeger lembra que a palavra paideia só aparece no século V a.C., e dá como registro mais antigo, dele conhecido,  o passo 18 de Sete contra Tebas,  de Ésquilo [3], onde,  a seu ver, a palavra tem o mesmo sentido de trophé (h) Qrofh/, h=j).  Na verdade, no início do século V a  palavra tinha o simples significado de "criação de meninos". Mas é ainda Werner Jaeger quem adverte: o melhor fio condutor para se estudar a educação grega em suas origens não é a palavra paideia:  mais importante do que ela é a palavra areté[4]

User badge image

Roberta Zappi

Há mais de um mês

O iluminismo grego deu ao mundo um dos conceitos basilares da Filosofia da Educação Paidéia. O presente artigo examina os diferentes aspectos nele envolvidos. Como os Gregos o conceberam já no início mesmo de sua civilização e que permitiram as apropriações posteriores que dele fizeram um dos conceitos permanentes na lenta e longa evolução do pensamento educacional ocidental. Neste artigo, é intenção do autor, traçar a genealogia – itinerário de um dos mais fundamentais conceitos de filosofia da educação – o de Paidéia, em conexão com a visão educacional, social e política gregas, do período arcaico ao clássico. Para captar-se o início mesmo do conceito grego de Paidéia, há que se retroceder à educação aristocrática dos tempos homéricos. Naquele então, ela corresponderia aos métodos utilizados para assegurar a transmissão às sucessivas gerações, daqueles valores considerados essenciais – morais e religiosos principalmente – que servem de fundamento à sociedade. No grego, o vocábulo Paidéia se caracteriza por um duplo modo de emprego: como substantivo de ação e como característica final (produto, resultado) de um processo verbal. No primeiro caso pode-se encará-la como processo educacional em evolução (ação), e no segundo, como educação. O vocábulo também apresenta uma conotação diferenciadora dos âmbitos mente/corpo, permitindo a diferenciação entre as concepções de Paidéia-ginástica e Paidéia musical-filosófica.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes