A maior rede de estudos do Brasil

Quais são as técnicas utilizadas pela fisioteraoia no tratamento do parkison?

Anatomia Humana I

UNIMONTES


5 resposta(s)

User badge image

Renan

Há mais de um mês

Trabalhos recentes relatam o uso de atividades motoras complexas com grandes resultados nos outcomes da doença.

Trabalhos recentes relatam o uso de atividades motoras complexas com grandes resultados nos outcomes da doença.

User badge image

Flávia

Há mais de um mês

É fundamental que o fisioterapeuta estimule o envolvimento dos familiares no tratamento do portador de Parkinson, com o objetivo de encorajar as atividades em casa, visto que períodos muito longos de pausa podem comprometer os avanços. Esses exercícios devem ser determinados depois de uma avaliação do paciente, em que são estabelecidas metas a curto, médio e longo prazo.

Os tipos de exercícios podem ser:

  • técnicas de relaxamento: envolve atividades rítmicas: balanceio lento e cuidadoso do tronco e membros, por exemplo. Essa etapa deve ser administrada logo no início da sessão a fim de diminuir a rigidez, tremores e ansiedade;
  • alongamentos: inclui alongamentos para os braços, tronco, cintura escapular/pélvica e pernas. Devem ser feitos pelo próprio paciente com ajuda do fisioterapeuta;
  • exercícios ativos e de reforço muscular: envolve movimento dos braços e pernas, rotações do tronco, podendo ser utilizados bastões, elásticos, bolas e pesos leves. Devem ser realizados de preferência sentado ou de pé;
  • treino de equilíbrio e coordenação: abrange exercícios com mudanças de direção e em várias velocidades, agarrar objetos e vestir-se;
  • exercícios posturais: devem ser realizados sempre buscando a extensão do tronco e em frente ao espelho para que o paciente tenha noção da postura correta;
  • exercícios respiratórios: respiração através do diafragma e maior controle respiratório;
  • exercícios de mímica facial: incentivo aos movimentos de abrir e fechar a boca, sorrir, franzir as sobrancelhas, abrir e fechar os olhos, soprar um canudo ou um apito e mastigar os alimentos;
  • treino de marcha: nesse exercício o objetivo é tentar corrigir e evitar a marcha arrastada por meio da realização de passadas maiores. Uma dica é fazer marcações no chão, pedir para o paciente andar sobre obstáculos, treinar caminhar para frente, para trás e de lado;
  • hidroterapiaatividades na água são benéficas para ajudar na redução da rigidez, já que uma temperatura adequada, facilita o movimento, a caminhada e trocas de postura;
  • treino de transferência: quando o paciente estiver em um estágio mais avançado da doença, deve-se orientá-lo sobre a forma correta para movimentar-se na cama, deitar e levantar, passar para a cadeira e ir ao banheiro;
  • exercícios em grupo: esse tipo de atividade ajuda a evitar a tristeza, isolamento e depressão, já que traz estímulo através do incentivo mútuo e bem-estar geral.

Além disso, a gameterapia também tem sido utilizada como uma linha terapêutica para os pacientes acometidos com mal de Parkinson.

User badge image

Louryenne

Há mais de um mês

Os tipos de exercícios podem ser:

  • técnicas de relaxamento: envolve atividades rítmicas: balanceio lento e cuidadoso do tronco e membros, por exemplo. Essa etapa deve ser administrada logo no início da sessão a fim de diminuir a rigidez, tremores e ansiedade;
  • alongamentos: inclui alongamentos para os braços, tronco, cintura escapular/pélvica e pernas. Devem ser feitos pelo próprio paciente com ajuda do fisioterapeuta;
  • exercícios ativos e de reforço muscular: envolve movimento dos braços e pernas, rotações do tronco, podendo ser utilizados bastões, elásticos, bolas e pesos leves. Devem ser realizados de preferência sentado ou de pé;
  • treino de equilíbrio e coordenação: abrange exercícios com mudanças de direção e em várias velocidades, agarrar objetos e vestir-se;
  • exercícios posturais: devem ser realizados sempre buscando a extensão do tronco e em frente ao espelho para que o paciente tenha noção da postura correta;
  • exercícios respiratórios: respiração através do diafragma e maior controle respiratório;
  • exercícios de mímica facial: incentivo aos movimentos de abrir e fechar a boca, sorrir, franzir as sobrancelhas, abrir e fechar os olhos, soprar um canudo ou um apito e mastigar os alimentos;
  • treino de marcha: nesse exercício o objetivo é tentar corrigir e evitar a marcha arrastada por meio da realização de passadas maiores. Uma dica é fazer marcações no chão, pedir para o paciente andar sobre obstáculos, treinar caminhar para frente, para trás e de lado;
  • hidroterapiaatividades na água são benéficas para ajudar na redução da rigidez, já que uma temperatura adequada, facilita o movimento, a caminhada e trocas de postura;
  • treino de transferência: quando o paciente estiver em um estágio mais avançado da doença, deve-se orientá-lo sobre a forma correta para movimentar-se na cama, deitar e levantar, passar para a cadeira e ir ao banheiro;
  • exercícios em grupo: esse tipo de atividade ajuda a evitar a tristeza, isolamento e depressão, já que traz estímulo através do incentivo mútuo e bem-estar geral.


Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes