A maior rede de estudos do Brasil

ensino da arte

Considere a seguinte situação hipotética: O professor Eduardo é o responsável para ministrar a disciplina de Arte para turmas de Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental. A coordenação da escola solicitou que ele apontasse em seu planejamento aspectos onde contempla as artes cênicas. Observe os tópicos e selecione aqueles que o professor Eduardo deve ter selecionado de acordo com o que lhe foi requisitado.


I. Utilização de recursos cênicos como máscaras, maquiagem, figurinos, acessórios, sons, iluminação e objetos.

II. Apreciação de espetáculos teatrais.

III. Pintura de painéis contendo desenhos previamente selecionados.

IV. Atividades com jogos dramáticos, improvisação e movimento.

V. Atividades de audição musical em espaço de cantinho sonoro apropriado.

Pedagogia

FAEL


1 resposta(s)

User badge image

Yulli Lira

Há mais de um mês

Estão de ac or do os itens I, III e IV.

No que diz r es peito às artes c ênic as , que envolvem o jogo dr amá - tic o, a impr ovis ação, o

movimento, etc ., as pos s ibilid ades , no c ontexto da Educ ação Inf antil e dos anos inic ia is do Ens ino

Fundamental, s ão muit as e var iadas . Nes s a fas e, a abert ur a da lingua gem c ênic a é o jogo s imbólic o.

Dess a for ma, qualquer objeto pode trans f ormar - s e em outr o: a vas s our a em avião, as xíc ar as vazias

em c heias de c há ou c afé e os pr atos vazios em vas ilhas repletas de bis c oitinhos . Os per s onagens

também vão variando: pr of es s or es, m édic os , dentis tas , bombeir os , entr e outr os. Ness e mundo

imagét ic o, tudo é poss ível, e o r eal lugar à fantas ia. O prof ess or pode c ontr ibuir nos proc es s os de

aprendizag em das c r ianças , motivando -as a vivenc iar em s it uações divers as . Ativ idades de im it ação

(bic hos , pess oas , s ituações, imagens , his tórias , etc. ) e a provoc ação de s it uações - problema podem

ativar o pens amento, a imaginação e a c r iação inf ant il. Rec ur s os c ênic os c omo másc aras,

maquiagem, figur inos , ac ess ó - r ios , s ons, ilum ina ção e objetos ta mbém s ão font es valios as para que

as c rianças possam busc ar alternativas para aquilo que des ejam f azer /produzir . Outr a opção

interes s ante é o teatr o de animação, de marionetes , de mamulengos , de s om bra, de fantoc he, entre

outr os . Ess as atividades c ontr ibue m para que as c rianças s e organizem c oletivamente no que s e

ref ere aos espaços, objetos e ins tr umentos. Além das nar rativas , t udo entra em jogo: o movim ento,

os s ons, o c enário, o f igur ino, etc. Vale res s altar que a linguagem c ênic a, ness a fas e, não t em o

objet ivo de “grandes apres entações ”, mas tão s omente de opor tunizar às c r ianças a vivênc ia de s eu

c or po no es paço, em um c ons t ante movim ento imagét ic o, c oletivo, s oc ial e c ultur al. T ambém c omo

expec tador , s eja de uma peça de t eatro ou da apr es entação c or po ral/c ênic a de outr as c r ianças , o

aluno aprende s obr e ess a linguagem, além da apr opriação de valor es , c omo r es peito, s olidar iedade e

afeto. Segundo S antos ( 1999, p. 123), “oferec er às cr ianças a opor tunidade de aprec iação de

es petác ulos teatrais pode c ons t ituir ativ idade extr emamente enr iquec edora e f asc inante, c apaz de

des pert ar a c ur ios idade e o gos to pela ar te teatral”

Estão de ac or do os itens I, III e IV.

No que diz r es peito às artes c ênic as , que envolvem o jogo dr amá - tic o, a impr ovis ação, o

movimento, etc ., as pos s ibilid ades , no c ontexto da Educ ação Inf antil e dos anos inic ia is do Ens ino

Fundamental, s ão muit as e var iadas . Nes s a fas e, a abert ur a da lingua gem c ênic a é o jogo s imbólic o.

Dess a for ma, qualquer objeto pode trans f ormar - s e em outr o: a vas s our a em avião, as xíc ar as vazias

em c heias de c há ou c afé e os pr atos vazios em vas ilhas repletas de bis c oitinhos . Os per s onagens

também vão variando: pr of es s or es, m édic os , dentis tas , bombeir os , entr e outr os. Ness e mundo

imagét ic o, tudo é poss ível, e o r eal lugar à fantas ia. O prof ess or pode c ontr ibuir nos proc es s os de

aprendizag em das c r ianças , motivando -as a vivenc iar em s it uações divers as . Ativ idades de im it ação

(bic hos , pess oas , s ituações, imagens , his tórias , etc. ) e a provoc ação de s it uações - problema podem

ativar o pens amento, a imaginação e a c r iação inf ant il. Rec ur s os c ênic os c omo másc aras,

maquiagem, figur inos , ac ess ó - r ios , s ons, ilum ina ção e objetos ta mbém s ão font es valios as para que

as c rianças possam busc ar alternativas para aquilo que des ejam f azer /produzir . Outr a opção

interes s ante é o teatr o de animação, de marionetes , de mamulengos , de s om bra, de fantoc he, entre

outr os . Ess as atividades c ontr ibue m para que as c rianças s e organizem c oletivamente no que s e

ref ere aos espaços, objetos e ins tr umentos. Além das nar rativas , t udo entra em jogo: o movim ento,

os s ons, o c enário, o f igur ino, etc. Vale res s altar que a linguagem c ênic a, ness a fas e, não t em o

objet ivo de “grandes apres entações ”, mas tão s omente de opor tunizar às c r ianças a vivênc ia de s eu

c or po no es paço, em um c ons t ante movim ento imagét ic o, c oletivo, s oc ial e c ultur al. T ambém c omo

expec tador , s eja de uma peça de t eatro ou da apr es entação c or po ral/c ênic a de outr as c r ianças , o

aluno aprende s obr e ess a linguagem, além da apr opriação de valor es , c omo r es peito, s olidar iedade e

afeto. Segundo S antos ( 1999, p. 123), “oferec er às cr ianças a opor tunidade de aprec iação de

es petác ulos teatrais pode c ons t ituir ativ idade extr emamente enr iquec edora e f asc inante, c apaz de

des pert ar a c ur ios idade e o gos to pela ar te teatral”

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos estudantes