A maior rede de estudos do Brasil

O que seria a teoria das janelas quebradas ou "broken windows theory"?


8 resposta(s) - Contém resposta de Especialista

User badge image

DLRV Advogados Verified user icon

Há mais de um mês

Desenvolvida por James Q. Wilson e George Kelling, a Broken Windows Theory discorre que se uma janela de uma fábrica fosse quebrada e não fosse de imediato realizado seu conserto, as pessoas que passassem pelo local presumiriam que ninguém se importava com aquilo e que, naquela região, não havia autoridade responsável por punir os responsáveis pela atitude danosa.

Com isso, outras pessoas começariam a atirar pedras para quebrar as demais janelas. A evolução não combatida dos danos traria nova presunção àqueles que avistassem aquela mesma fábrica: a de que ninguém seria responsável por aquele imóvel, nem mesmo pela rua em que se localiza. Iniciaria, assim, a desordem da rua e, por conseguinte, daquela comunidade.

Em suma, pequenas desordens evoluiriam para crimes de cada vez maior escala, apontando a sensação de impunidade como latente fomento à atividade criminosa.

 

 

Desenvolvida por James Q. Wilson e George Kelling, a Broken Windows Theory discorre que se uma janela de uma fábrica fosse quebrada e não fosse de imediato realizado seu conserto, as pessoas que passassem pelo local presumiriam que ninguém se importava com aquilo e que, naquela região, não havia autoridade responsável por punir os responsáveis pela atitude danosa.

Com isso, outras pessoas começariam a atirar pedras para quebrar as demais janelas. A evolução não combatida dos danos traria nova presunção àqueles que avistassem aquela mesma fábrica: a de que ninguém seria responsável por aquele imóvel, nem mesmo pela rua em que se localiza. Iniciaria, assim, a desordem da rua e, por conseguinte, daquela comunidade.

Em suma, pequenas desordens evoluiriam para crimes de cada vez maior escala, apontando a sensação de impunidade como latente fomento à atividade criminosa.

 

 

User badge image

Juliana

Há mais de um mês

"[..]  Criada na Universidade de Stanford (EUA) pelos criminologistas James Wilson e George Kelling a “Broken Windows Theory” ou em português a Teoria das Janelas Quebradas é uma espécie de modelo de combate e controle da criminalidade.

Milita esta teoria a repressão de todos os delitos sejam eles de pequeno ou grande potencial ofensivo, cobrando do estado atuação no combate a criminalidade, dando fundamento à Política Criminal de Tolerância Zero.

A Teoria das Janelas Quebradas publicada em 1982 por uma revista norte-americana se fundamentou no experimento de deixar dois automóveis idênticos em bairros diferentes, sendo um deles com o capô aberto, sem placas, vidros quebrados ficando num bairro pobre em Nova Iorque e foi em 24 horas destruído. O outro carro sem nenhuma danificação foi deixado num bairro de classe média e permaneceu assim por duas semanas até que um dos pesquisadores quebrou algumas janelas e partes do automóvel e então, a partir daí, o carro foi totalmente destruído.

Observaram que a diferença social que existiam entre os bairros não eram a causadora das ações destruidoras e sim e que móveis abandonados e com sinais de destruições que eram um chamamento aos vândalos até mesmo de classes sociais mais altas, convidados pelo abandono.

Kelling e Wilson, criadores desta teoria, nos seus estudos utilizaram o exemplo de uma janela quebrada de uma fabrica ou escritório, verificando que caso não haja imediato conserto, logo as demais serão quebradas. Quando uma pessoa se depara com esta janela quebrada por vários dias, pensará que o imóvel está abandonado e assim quebrará as demais janelas do local.

Os pesquisadores entenderam que há semelhança entre essa experiência e o que ocorre com a criminalidade, quando não há repressão, combate, controle ao crime, até mesmo aos de pequena potencialidade, haverá atração a outros crimes.

Nas últimas décadas os índices de criminalidade em Nova Iorque subiram de maneira alarmante e as autoridades de lá principalmente os da área de segurança pública implementaram a Política Criminal de Tolerância Zero seguindo os fundamentos básicos da Teoria das Janelas Quebradas, inspirado pelo direito penal máximo.

Em virtude do aumento de criminalidade todos os ilícitos eram repreendidos, até mesmo os de pequeno potencial ofensivo, os chamados “delitos-anões” nos termos do saudoso doutrinador Nelson Hungria, atitude esta tomada pelo Comissário da Polícia da cidade Willian Bratton. A ideia era exterminar todos os tipos de condutas criminosas, não havendo qualquer tipo de seletividade na atividade policial.

[...]

Dentro das experiências analisadas podemos dizer que a “Teoria das Janelas Quebradas” e a política da “Tolerância Zero” deveriam ser aplicadas no Brasil? Não podemos negar que a repressão a pequenas infrações tornaria a sociedade mais saciada do sentimento de justiça. Porém, não seria apenas isso que tornariam os índices de criminalidade menores, pois existem outros fatores que levam a prática da infração penal, tais como fatores econômicos, sociológicos e psicológicos."

REFÊNCIA: DIAS, André Bernardes. Direito penal da “Limpeza”: Reflexões acerca da Teoria das Janelas quebrada e do direito penal. Jus Navegandi, agosto de 2014. Disponível em: < http://jus.com.br/artigos/18690/broken-windows-theory-ou-teoria-das-janelas-quebradas>. Acesso em: 08 de Agosto de 2015.

User badge image

Victor

Há mais de um mês

A teoria das janelas quebradas foi criada nos EUA, utilizando-se de um exemplo prático o estudioso da teoria teria deixado um carro em perfeito estado num dos bairros mais perigosos e famoso por ser alvo de assaltos e ao passar de um bom tempo nada aconteceu ao veículo. Num segundo momento repete-se o teste no mesmo bairro, só que dessa vez quebra-se a janela do carro, no outro dia o veículo tinha sido completamente dilapidado. De forma geral a teoria prega que se não se combater com veemencia os pequenos delitos, estes irão conduzir a condutas criminosas mais graves.

User badge image

Janete

Há mais de um mês

Obrigada Ernandes por divulgar essa teoria. É sempre bom aprender mais.

Essa pergunta já foi respondida por um dos nossos especialistas