A maior rede de estudos do Brasil

Aula 05 - Processos de Fabricação - Telecurso Profissionalizantevideo play button

Transcrição


a tensão. Começa agora uma tele aula de processos de fabricação do curso profissionalizante. Você vai assistir a tela é aula de número cinco, Bons estudos, foi está vendo essa peça aqui, processo que deu origem a ela. Você já conhece o processo de moldagem em areia, que você aprendeu nas outras teleaulas sobre processos de fundição? Agora essa outra peça aqui foi feita em outro processo. Você sabe qual é? Se não sabe, vai aprender agora porque na nossa tele aula de hoje a gente vai aprender mais sobre processos de fundição. Você vai saber o que é um gol de permanente. Vai ver como funciona a condição sob pressão que vai conhecer as máquinas de fundição sob pressão. Bom, você já viu que chegou a hora de aprender mais sobre Borges? Por isso que já estou pintando no pedaço de surpresa surpresa. Na verdade, você, para a minha surpresa permanente por apresentam permanente contra os motores que a gente vai estudar hoje, até mais porque os bondes permanentes, na verdade eles são quase permanentes. Pois é, nada é para sempre, nem mesmo move a, É claro que ele pode ser usado, muitas vezes ao contrário do molde área que é usado apenas uma única vez, por isso ele é enquadrada na categoria de moldes permanente. Deu uma boa olhada e depois me diga se ele merece o nome de modo permanente. A condição com modi permanente usa moldes metade em cada um desses moldes. Pode produzir em torno de cem mil peças ou até mais molho que eles podem ser usados, tanto no processo de fundição, por gravidade, quanto no processo de condição por pressão. Pois bem, aí você me pergunta Mas se esse molde permanente pode ser usado para produzir milhares de peças, porque então usaram a fundição em moldes de areia que se diz, fazem após a produção de cada atleta? Acontece que o molde metálico geralmente é usado para produzir peças de metal ou temperatura de inclusão menor que é doado. Como vai poder uma peça de aço no molde de metal, o molde se reformaria inteiro com a alta temperatura do aço fundido. Não é verdade? Isso é verdade. Se a gente colocar aço fundido nesse modo de metal, não vai dar certo. Já havia que se está ligado no assunto ligado, mas sem esse modo de metal não seja para fundo de aço sabia para quem? Então ele serve para fugir, peças com metais de temperaturas, difusão mais baixas como Silva já falou mas com os metais, por exemplo, é para já pode as ligas de chuva de zinco, alumínio, magnésio, alguns tipos de bronze em alguns casos excepcionais, ferro fundido, os clientes, vamos dizer assim dos bondes permanentes de metal bom dizem metal. Servem para isso mesmo para fundir peças em metais com temperaturas e fusão mais baixas que a do aço ou a do ferro fundido, É claro que elas devem ter resistência ao calor e as mudanças de temperatura. Tudo bem. Essa questão é a temperatura de fusão. Agora explica uma coisa para que é que serve os moldes permanentes? Você quer saber que tipo de peças eles produzem para a indústria? Não é exatamente? Então presta atenção. Os produtos mais comuns da fundição, em moldes permanente são os seguintes bases de máquinas, blocos de cilindros, compressores, cabeçotes, bielas, questões, cabeçotes de cilindros para motores de automóveis, carcaça de motores de motocicletas. Quer dizer que esses monges fazer uma série de peças para automóveis? Mas além de aproveitar várias vezes o mesmo longe que outra vantagem do novo de metal tem sobre a areia? Maria Olha os moldes permanentes tem mais algumas características interessantes. Eles proporcionam maior uniformidade, melhor acabamento, tolerâncias dimensionais mais estreitas e melhores propriedades mecânicas que os moldes de areia. Um bom modo de metal dá um banho de areia. Cal Max Nunca tão simples quanto parece, porque eu vou de permanente além das limitações do tipo de metal fundido que ele pode usar, só pode trabalhar com peças pequenas e que sejam produzidas em grande quantidade como perfeita, pois é. Além de você para sempre mesmo o bode permanente também não é perfeito e para formados muito complicados de peça, o custo do ferramental é muito alto, mas mesmo assim eu queria aprender um pouco mais sobre o processo de fundição em moldes permanentes. Então vamos nessa. Lá vai mais um vazamento de metal fundido por gravidade. Nesse caso, o molde permanente é formado por duas ou mais partes na montagem manual, onde tem suas partes unidas pelos grampos. Mas essa montagem também pode ser mecânica como esta com dispositivos movidos por conjuntos hidráulicos. São esses dispositivos que comandam o ciclo de abertura e fechamento dos moldes os moldes e os machos são cobertos com desmontou Dante, que impede a aderência das peças no molde, facilitando a extração. Mas a fundição com móveis permanentes não é feita. Somente nesse sistema de vazamento por gravidade. Existe também a posição sobre pressão. Conhece no processo de fundição, sob pressão o metal líquida forçado a entrar no molde. Sabe como isso acontece? O metal injetado no molde também pode ser chamado de matriz sob pressão. Essa pressão é suficiente para preencher todos os espaços e cavidades da matriz, que ela é mantida até que o metal se solidifique. Daí então a matriz é aberta e a peça ejetada por meio desses pinos, que são acionados por mecanismo hidráulico. Como você deve estar imaginando? As matrizes aguentam uma grande pressão nesse tipo de fundição e podem suportar ao longo da sua vida útil. Até um milhão de injeções não é nada fácil. A pressão nos modos é para arrebentar Agora também não deve ser nada fácil para pessoal que trabalha mais conforme o caso. O processo automatizado tem dois tipos de máquinas que fazem a fundição sob pressão automaticamente. A máquina de câmara quente é uma grande câmara fria na máquina da qual câmara quente a gente usa um equipamento de injeção que está dentro do carrinho onde fica o mercado líquido lá dentro, um pistão hidráulico desse força o líquido a entrar num canal que leva até a matriz. A pressão do pistão faz com que todas as cavidades da matriz sejam preenchidas, formando até está direitinho. Depois, opção volta à posição original mais metal líquido entra na câmara. A peça solidificada é extraída da matriz e o processo começa de novo. Você está vendo aí as duas placas na máquina A PEC e a móvel na fixa tem com uma das metades da matriz, mais o sistema de injeção do metal. Na móvel fica a outra parte a outra metade da matriz, mais um sistema de extração da peça e o sistema de abertura e fechamento de travamento da máquina. Agora, quando a liga se funde a uma temperatura mais alta, a gente usa a máquina de condição sob pressão. Na câmara fria, essa máquina usada principalmente na posição de ligas de alumínio, magnésio e cobre o princípio de funcionamento é parecido com o da máquina de câmara quente. A diferença é que o forno que contém o metal líquido fica numa unidade independente. Assim, o sistema de injeção não fica junto do banho de metal, mas ainda não tem de bem quais são as vantagens dessa fundição sob pressão sem problema. As vantagens são as seguintes A fundição sob pressão para peças como as ligas de alumínio, oferece maior resistência do que a fundição em areia. As peças fundidas sob pressão também podem receber tratamento de superfície como mínimo preparo prévio. Ela oferece também a possibilidade de produzir peças com formas mais complexas, como peças com paredes mais finas e tolerância dimensional mais estreita, sem falar na alta capacidade de produção desse processo ou na alta durabilidade das matrizes. Como você já sabe, eu já sei sim. Mas as desvantagens quais são Esse processo tem limitações do uso. Ele é usado basicamente para ligas não fervorosas. Tem também limitações no peso das peças que raramente passam de cinco quilos. Além disso, a fundição sob pressão provoca retenção de armas matrizes, causando problemas de acabamento, e tem um alto custo tanto do equipamento quanto de seus acessórios. Por isso ela só é economicamente viável para a produção e grandes volumes. Grandes volumes tá bom, mas então é que se os esse tipo de função assim, de larga escala na indústria automobilística,