A maior rede de estudos do Brasil

Direito Constitucional - Aula 04 - Direitos Individuais em Espécievideo play button

Transcrição


Olá, pessoal! Tudo bem? Sou professor Junior Vieira. Vamos dar continuidade nos estudos de Direito constitucional já estudando agora os direitos individuais em espécie. Beleza, vamos lá, coragem, força, sucesso. Só olha só nossa aula passada. Nós já falamos aqui Já sobre uma Teoria Geral dos Direitos Fundamentais. E a partir de agora vamos falar dos direitos e garantias individuais, Tudo bem, primeiro direito que nós vamos estudar aqui. Agora é o direito à vida, direito à vida. Cuidado com o direito à vida porque, na verdade olha, é uma palavra de vida, mas nós temos vários desdobramentos, jurisprudenciais acerca desse tema cuidado com isso corriqueiro em concurso público, direito à vida. Senhores, Na verdade, quando nós falamos sobre o direito à vida, nós temos que ter duas acepções e meios. Primeiramente você tem o direito de continuar vivo, é o que diz o professor Alexandre Moraes Você tem o direito de não ser morto. Estão jeito continuar vivo, Vão ser morto. E mais você tem uma segunda acepção, até o direito de ter uma vida com dignidade, porque não adianta nada você não ser morto, você continuar vivo se você não tem uma vida com dignidade. Então, quando falarmos em direito à vida. Tenha duas acepções em mês primeira acepção, o direito de você não ser morto, o direito de continuar vivo e também o direito de ter uma vida com dignidade. Muito bem. A primeira pergunta importantíssima acerca do direito à vida, é quando começa esse direito. Quando começa esse direito, na verdade, o início da vida. Nós temos algumas teorias que corriqueiramente, cai em concurso público. Nós vamos falar aqui de algumas ideias sobre o início da vida. A primeira questão é essa. Se nós temos cinco teorias concepcionistas, ligação, tubo neural, impulse, eletro naturalista, Eu entendo que uma questão como essa deveria cair. Uma prova objetiva mais caiu mais caro A partir de agora. Suas, logicamente, prefira conhecer todas as teorias. Mas se eventualmente, se eventualmente cair uma prova de concurso público, quando que começa a vida, prefira a teoria concepcionistas, porque o Brasil é signatário de um tratado internacional. Que o Pacto de São José da Costa Rica, que garante que a vida é protegida desde a concepção, ela rapidamente sobre essas senhores, na verdade o início da vida pela teoria concepcionistas, porque na verdade a vida é protegida desde que o órgão seja Foi fundado pelo espermatozoide. Se existe a fecundação, existe um óvulo fecundado. Existe vida? Existe proteção constitucional. Tanto é verdade que os civilistas falam da proteção do nascituro. Ou seja, se existe hoje, um ovo foi fecundado pelo espermatozoide, pela teoria concepcionistas. Existe, sim, a proteção à vida. Só que nós não temos apenas a teoria concepcionistas. Você também tem a teoria da redação, que seria a teoria da alimentação, proteção da vida pela teoria da redação ou sequer um profissional da área de saúde. Sabe muito mais que o professor de Direito Constitucional. Eu aprendi pelos livros de Biodireito. Então, redação seria a passagem os livros sobre o direito pelo nosso amigo e que pede a raiz? Seria a passagem do óvulo fecundado até a fixação nas paredes uterinas da mulher. Ou seja, a ligação só ocorre após a fixação do óvulo fecundado nas paredes do útero da mulher. Então, olha só, por exemplo, com base nessa teoria da ligação, se justifica que a pílula do dia seguinte não é um método abortivo, porque ela simplesmente impede o processo de licitação. Então, você, além da teoria concepcionistas, você não tem a teoria da ligação. E mais você tem a teoria do tubo neural, Ou seja, a vida só é vida enquanto existir ou a partir da terceira semana de gestação. Eu acho que é isso. A partir da terceira semana de gestação, a formação do tubo neural, ou seja, quando se formar o cérebro do feto antes dessa formação do cérebro para a teoria do tubo neural, não existiria vida e mais vacina tem uma quarta teoria. Que a teoria do impulso elétrico, mesmo depois de formado o cérebro de formar do tubo neural, enquanto não houver uma efetiva uma, uma carga de energia e esse cérebro começa efetivamente a funcionar, não há que se falar em vida. Ou seja, mesmo depois da formação, é necessário um impulso elétrico. E, por último, você também tem uma teoria da teoria dos ciclistas. Que a teoria naturalista, Que vida só a vida, se o feto nascer, convida. Então, olha só para o início da vida. Você tem aqui cinco teorias, mas nós falamos e cuidado. Um eventual prova objetiva Prefira pela opção da teoria concepcionistas, porque o Pacto de São José da Costa Rica fala que a vida é protegida desde a concepção, tudo bem e o término da vida senhores, quando que encerra a vida. Você sabe que na verdade, muita gente fala sobre isso. A vida se encerra com o fim da atividade cerebral. Acabou a atividade cerebral. Acabou a vida. Tanto é verdade que você tem a lei Lei nove mil quatrocentos e trinta e quatro, de noventa e nove, que a Lei de Transplantes, que fala que a retirada após morte de tecidos, órgãos ou partes do corpo humano destinado a transplante ao tratamento deve ser precedida de diagnóstico diagnóstico de morte encefálica encefálica constatar registrada por dois médicos não participantes da equipe de remoção e transplante, mediante a utilização de critérios clínicos e tecnológicos, que é o caso da ressonância magnética definidos por resolução do Conselho Federal de Medicina, ou seja, constatou que não existe mais atividade cerebral. Não há que se falar mais em vida. Então o início da vida são essas teorias, e terminou na visão dele falar. Acabou a atividade cerebral. Ou seja, existe o encerramento da atividade encefálica. Não há que se falar em vida. Cuidado com isso é a lei nove mil quatrocentos e trinta e quatro de noventa e nove. Outra questão que nós já falamos aqui no nosso primeiro encontro dentro das características os direitos fundamentais e a relatividade. Nós sabemos que não existe direito absoluto. Nem mesmo o direito à vida, que é um direito, se nega quando um é um direito sem o qual você não consegue exercer outros direitos. O direito à vida pode ser, sim relativizado. Ele pode sim, ser relativizada muito pelo contrário, ele é relativizado. Olha só o primeiro caso de relativização do direito à vida. Nós sabemos que no Brasil existe a pena de morte. É uma grande discussão no ordenamento jurídico brasileiro e nos termos do artigo cinquenta e quatro do Código Penal Militar, essa pena de morte em caso e você sabe disso? Em caso de guerra declarada, nos termos do artigo quinto da Constituição Federal, Quando houver uma guerra declarada, referendada pelo Congresso Nacional, houver uma guerra declarada, é possível a aplicação da pena de morte no Brasil, em caso de guerra declarada, que estão faixa branca, como diria o professor de metros, questão faixa branca em concurso público, a pena de morte pode ser aplicada em casos em tempos de paz. A grande discussão, mais não, você sempre vai condicionar na sua prova, a pena de morte. Em caso de guerra declarada. Olha só a pena de morte Guerra declarada lógico, referendada pelo Congresso Nacional E por curiosidade, o artigo cinquenta e quatro do Código Penal Militar fala que essa pena de morte, o modo de execução será por pelotão de fuzilamento. Inclusive estava lendo sobre isso na Segunda Guerra Mundial. Alguns soldados foram condenados à pena de morte, Só que é necessário a comunicação ao presidente da República, que nos sete dias, inclusive nos termos do artigo oitenta e quatro, inciso doze, ele pode conceder indulto, comutar penas. Não é isso. Ele foi comunicado e decidiu não aplicar a pena de morte na Segunda Guerra Mundial, quando soldados estupraram uma garota de catorze anos de idade no Brasil, quando a Segunda Guerra Mundial e mataram um pai dessa garota. Na verdade, ela estabelece alguns crimes que podem ser considerados como pena de morte e eles foram condenados, mas o presidente perdoou. Na verdade, o que eu quero que você saiba hoje Sim, existe no Brasil a pena de morte apenas em época de guerra declarada tanto para militar. Cuidado não é apenas para