A maior rede de estudos do Brasil

Direito Constitucional - Aula 22 - Poder Judiciário (Parte III)play_circle_filled

Transcrição


as partes ou seus advogados, Beleza, as partes, os advogados. Agora a questão é essa, todos os julgamentos serão públicos e fundamentada todas as decisões, todas as decisões, Na verdade, o que eu quero que você saiba? Isso? Já caiu em prova, todas as decisões serão fundamentadas, mas existe uma única decisão que não tem fundamentação concreta. Que isso. Fundamentação concreta Fundamentação expressa uma decisão judicial que basta o sujeito dizer condena ou não muito bem. Você pensou nisso? É o Conselho de sentença do Tribunal do Júri. Cuidado fundamentadas todas as decisões, mas existe uma exceção de uma decisão judicial que não precisa de fundamentação concreta. Por isso o Conselho de Sentença do Tribunal de Júri do Tribunal do Júri. No júri, o jurado não vai fundamentar especificamente a seleção. Ele apenas condena ou absolve beleza. Então, cuidado com isso. no júri. No júri, não é necessário uma fundamentação concreta. Como existe um poder judiciário, Isso o juiz tem que fundamentar. Tem que individualizar a pena. Na verdade juiz o jurado? Não, ele não precisa de fundamentação concreta. Olha só todo o julgamento dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos e fundamentada todas as decisões. Cuidado para fundamentar. Só que no júri não se exige fundamentação concreta, a fundamentação, diferentemente diferente da fundamentação de um juiz, quando vai individualizar a pena para aquilo. Beleza muito bem, uma terceira regra, uma quarta regra está lá no artigo noventa e três, sobre o quantitativo de juízes na prestação jurisdicional quantitativo, o número de juízes olha o que diz o inciso treze, O número de juízes na unidade jurisdicional será proporcional à efetiva demanda. Quantos processos é o que diz aqui, demanda judicial, processos tramitando na vara, ou seja, proporcional à demanda judicial e cuidado. E a respectiva população sabe como é que a hipótese de quem já caiu mais uma vez a efetiva demanda judicial é o número de eleitores. Quer dizer que o Poder Judiciário vai julgar de acordo com o número de eleitores, só julga cidadão no seu sentido restrito claro que não aqui a demanda judicial e a respectiva ou população, beleza. Então, cuidado o número de juízes, quando for aumentar, inclusive, o número de juízes na unidade jurisdicional será proporcional à efetiva demanda e à respectiva população. E por hoje é só. Nós terminamos essa parte, nossa próxima aula sobre competências do Poder Judiciário. Um grande abraço ao nosso próximo encontro mais.