A maior rede de estudos do Brasil

Direito Constitucional - Aula 33 - Constituiçãoplay_circle_filled

Transcrição


Olá, tudo bem, nós vamos falar de um assunto muito importante que essa teoria da Constituição, assunto corriqueiro o concurso público que realmente quando cai diferencia os candidatos. Então, vamos a teoria da Constituição, a noção de Constituição. Antes disso vamos falar sobre a origem, o conteúdo de uma construção, um conceito muito importante na verdade. Alexandre de Moraes fala muito bem sobre isso. Estabelece que todo o Estado e quando eu falo estado com é maiúsculo. Eu estou falando do Estado como sinônimo de país. Todo o Estado tem uma Constituição, Todo Estado tem uma Constituição em sentido amplo, sociologicamente a Constituição, a simples simplesmente a maneira como se dará a organização do Estado, em sentido amplo. Quando eu falo em construção, eu estou falando como que funciona a organização do Estado, todo o Estado, por mais difícil, por uma dificuldade que tem estado, ele tem uma constituição, a maneira como se dá essa organização, olha aquele órgão a fazer aquilo, aquele outro vai fazer aquilo ali se organiza por meio de uma constituição. Isso na verdade olha só estado simplificadamente, falando, A organização de um povo sobre um espaço gelo geograficamente delimitada, é a organização de um povo só com um espaço geograficamente limitado, dotado de soberania. Diante disso nós temos que falar sobre elementos do Estado pessoal. O povo é um elemento de um estado, isso na verdade, povo, conjunto de pessoas onde quer que estejam território, que é o espaço geograficamente limitado. Soberania porque meu amigo, um estado, ele tem que ser soberano. Na verdade, essa regra uma grande característica, um elemento de um estado e segundo uma parte da doutrina, estudiosos falam sobre isso. A finalidade de todo o Estado deve ter finalidade todo toda a organização deve buscar o alcançar de um conjunto de finalidades. Não é isso. Alguns estudiosos acrescentam fazer um asterisco aqui, acrescentam esse atributo da finalidade. Então são elementos do Estado novo, território, soberania e finalidade lógico. O território tem pelo povo serão os administrados, tem que ter um território com o estado, tem um território, tem um local geograficamente delimitada e essa sempre foi a grande discussão lá sob o estado de Israel. Na verdade, resultavam por um território, porque não existe estado sem território, que tem um território no espaço geograficamente limitada. Era soberano nas suas decisões, bem como a finalidade de todo o Estado busca um conjunto de finalidades Beleza muito bem diante disso vamos falar sobre o surgimento dessas primeiras construções vão falar sobre o futuro do constitucionalismo, que seria constitucionalismo Verdade Até a doutrina fala sobre Neoconstitucionalismo, mas aqui nós vamos tratar sobre constitucionalismo. Constitucionalismo pessoal é um movimento histórico que vem ao longo do século, vai ao longo dos séculos. É um movimento político, jurídico e filosófico. Afirmou que concedeu ou aperfeiçoar a ideia de estruturação racional, estruturação inteligente do Estado, limitando o seu poder, ou seja, limitando o poder do Estado por um documento escrito traduzindo com salários ao movimento histórico político filosófico, que lutou por direitos inscritos, que lutou por positivar a norma efetivada em nome de direito positivo, escrevendo, colocando a norma positivado para limitar a atuação do estado do soberano frente ao homem frente ao administrado, com o nacionalismo, nada mais que isso. É um movimento que lutou por tudo isso por direitos escritos. Lutou por essa estruturação racional do Estado. Muito bem. A segunda pergunta essa quanto que começou esse constitucionalismo? Quando que começou esses primeiros direitos inscritos no homem? Não isso, esse estudo, Isso cai constantemente em prova de concurso. Na verdade, nós temos aqui a primeira referência e a doutrina majoritária consagra esse documento, que foi a famosa Magna Carta Isso escrito em Sagar Magna Carta Libertar na Inglaterra, em mil e duzentos e quinze a história lá do Rei João sem terra, Não é isso que promulgou uma carta lá para os lotes, para os barões, a isso lá, limitando a atuação do Estado frente algumas pessoas. Na verdade, foi um constitucionalismo investigado. Estaria ali o primeiro direito escrito, limitando a atuação do Estado frente um homem. Você também tem a Constituição dos Estados Unidos lá em mil setecentos e oitenta e sete, um documento escrito limitando o poder do Estado feitos administrados documento que lutou por direitos, escrito essa por esse movimento histórico político filosófico que limitou a atuação do homem, a atuação do Estado frente um homem. Você também tem a Constituição francesa la de mil setecentos e noventa e um na verdade aqui o marco no que diz respeito o início do constitucionalismo Magna Carta Liberdade, uma Inglaterra mil e duzentos e quinze a Constituição dos Estados Unidos e a Constituição Francesa da França em mil setecentos e noventa e beleza Constituição Noção inicial sobre Constituição A constituição deve ser entendida como a lei fundamental do Estado. Quando nós falamos em constituição, inclusive no que diz respeito a controle de condicionalidades, que é muito importante essa noção, a Constituição deve ser entendida como a lei fundamental do Estado. É a lei fundamental do Estado que rege a organização política jurídica, na verdade, de um país muito bem é a lei fundamental do Estado toda só pessoal. Ainda dentro dessa noção de Constituição, nós vamos tratar de alguns conceitos de constituição. Vamos falar na Constituição alguns sentidos, tanto no sentido só o segundo, tanto no sentido sociológico quanto no sentido político quanto no sentido jurídico. Na verdade o professor Vicente Paulo Marcelo Alexandrino, um livro brilhante, Isso para concurso público, que é o livro direito Constitucional Descomplicado. Da sétima edição. Lá na página número cinco Livros, ele fala que o direito constitucional ele não se desenvolve isolado de outras ciências. Claro, o direito funcionário pode ser analisado de maneira isolada e exerce grande influência da política, da sociologia e da filosofia. E também nós poderíamos até acrescentar da religião. O direito constitucional sofre grande influência. Observamos os países de raízes islâmicas como o direito constitucional naqueles países sofre grande influência da religião, na verdade, logicamente o direito constitucional. Ele não se desenvolve isolado das outras matérias muito bem antes. Nós vamos falar no primeiro conceito, no primeiro sentido de constituição, que é o sentido sociológico. Fora, só sugestão para os senhores. Temos que analisar aqui o sentido as provas, infelizmente, também cobra o nome do autor. Então, você tem que saber qual que é o sentido sociológico, vislumbrando o nome do autor, Quando falarmos em sentido sociológico de constituição, essa sociologia aplicada ao direito constitucional, você tem que lembrar do grande autor que foi feito e não a sala para ferdinam a sala. E, nesse sentido sociológico, lembrando as palavras chaves a isso. Por isso nós colocamos aqui em caixa alta as palavras chaves que valem para a sua prova. Cuidado no sentido sociológico e nessa visão diferente, uma sala na visão sociológica. A Constituição é a soma dos fatores reais de poder. A Constituição é a fama dos fatores reais do poder pessoal que isso quer dizer para la sale. Constituição só seria a Constituição se processo, fatores reais, não simplesmente a norma por positivado, mas sim o que a sociedade espera de uma Constituição não é retórica e a realidade aqui para La Salle. Nós queremos a realidade e não há norma positivado abstrata aqui para frente, não. A sala é a soma dos fatores reais de poder que rege uma sociedade. Olha só dito de outra maneira ou falando de outra forma, forças que realmente mandam no país. Olha só segundo autor, seriam essas forças. A monarquia é uma força que manda no país. A aristocracia, a burguesia e também os banqueiros são forças fatores reais que humano da sociedade não é isso? Na verdade, a Constituição só seria a construção se trouxesse a essência, a verdade, e não é pura e si