A maior rede de estudos do Brasil

6 - Evolução da Administração Pública Gerencialismo e PDRAEvideo play button

Transcrição


atos de gestão com autarquias, por exemplo. E aí? Quando eu faço isso eu tenho o fenômeno da A Gem Sim, Fim caçam eu transforma as autarquias em agências executivas, autarquias ou fundações públicas. Esta autarquias, fundações públicas. Elas podem ser agência, ficadas, elas podem se tornar agências executivas agora na área de serviços não exclusivos. Olha só que é de universidade, hospital, centro de pesquisa, museu. Normalmente o setor público atua nessas áreas de saúde, educação, cultura, por meio de fundações. Então aqui a gente tem, de um lado, as fundações públicas e o que a gente quer não é aumentar a máquina do estado, mas é transferir o que seria de uma fundação pública para uma organização social loas, que seria o setor público, não estatal. Então, por meio de publicização também com a utilização do instrumento contrato de gestão, eu publicis um serviço, ou seja, uma organização social. É um ente privado, só que sem fins lucrativos, está sem fins lucrativos. Coloca aqui você entender o que estou falando sem fins lucrativos, aí não é não onerar demais o Estado. Olha para saber como é que isso é importante. Se eu crio fundações públicas para atuar na área de saúde, com a Funasa? Funasa Fundação Nacional de Saúde, seu cria uma fundação pública para atuar nessa área. Eu vou criar uma estrutura formalmente estabelecida. Eu vou ter que ter uma unidade, um prédio. Eu vou ter que ter logística, eu vou ter que ter relações contratuais. Eu vou ter que ter servidores, que são despesas de cara, de despesa obrigatória de caráter continuado, não tem que pagar todos os impostos relativos às pessoas, ou seja, o que o vínculo permanente para organização para a administração pública. Se ao invés disso, eu observar que tem uma organização social que atua na área de saúde, educação, pesquisa e desenvolvimento tecnológico e científico, cultura estabelecido e que atuou bem em que seja, portanto, sem fins lucrativos, que organização social, entidades privadas sem fins lucrativos, eu posso estabelecer com ela um contrato de gestão. Eu dou recursos para ela atender às necessidades públicas. Ela devolve resultados nos termos do contrato de gestão, ocorre o processo de publicização. Daí, no dia em que essa organização social deixar de atender a contento as necessidades públicas, de acordo com o contrato firmado. A gente rescinde o contrato não renova e não tem grandes ônus para a administração, porque o vínculo é precário. Você não vai criar uma obrigação para o Estado que vai se estender, por exemplo, com servidores e coisas do tipo. Está desonera, o Estado atua com mais eficiência e eles são especializados nisso. Aí, o Estado se preocupa mais em gerenciado que executar diretamente, são ganhos sem precedentes e que gerencia mesmo quer o Pedro prescreve como uma estratégia para melhorar a gestão pública desse mais acumular Um fala da produção para o mercado que estou falando, das estatais que estou falando, das empresas públicas e das sociedades de economia mista. Bom, vocês devem saber que seja estudam condicional, administrativo, que as estatais podem ser prestadoras de serviços ou exploradores de atividades econômicas. Gente! O estado nasceu vocacionado para explorar a atividade econômica. Ele faz por meio das estatais, mas ele não está vocacionado para isso. Em regra, isso é algo que a iniciativa privada deveria fazer. É por isso que a gente fala de privatizações. Pode chamar de devolução de serviços públicos, ou ainda de dez, regulamentação, que é quando o setor todo regulado pelo Estado desde desse regulamentado por meio de lei, para que seja explorado pela iniciativa privada. Então, o que se espera? Que é isso aqui olha lá, a gente tem as empresas públicas, sociedade, economia, mista? Sete. Vem para onde? Para as em presas, para a iniciativa privada, ocorre a privatização. Com isso, a gente quebra monopólio. Dou estado e a gente comparar Desculpa formal e a gente introduz a competição a competição adminis. Entrada, porque essa competição administrada a gente quebra o monopólio do Estado. A gente vai ter um papel na regulação. Está transferido para as empresas. Para elas, explorarão aquela atividade econômica que antes o Estado fazia. E aí o Estado regula e promover desenvolvimento para que não sejam criadas relações assimétricas entre o agente o principal, ou seja, quem presta e a sociedade, que é o principal do serviço prestado. Então, a teoria do agente do principal também influencia gerencial, mesmo moderno está, vamos entender melhor os mecanismos lá da publicização. Então é uma coisa muito importante no âmbito da administração pública contra a atualização, além de a gente falar dos delegatários, que são os concessionários permissionárias e autorizatárias gente, tem dois contratos de gestão. Então, quando a gente utiliza o contrato gestão ele no âmbito contratualização, vai ser utilizado para fazer duas coisas importantes aqui nesse contexto, gerência mesmo um é a Belém? Sim, realização o que ocorre com as organizações sociais. E o outro é agem? Sim, Fim, caçam o que ocorre com as autarquias, fundações públicas. Está, então, gente. Os dois fenômenos vão se valer do que do contrato de gestão e eu vou mostrar para vocês como é que acontece no caso da publicização. Então, no caso da publicização, ocorre assim Olha só de um lado nós temos o ministério que tem que ter pertinência temática com a organização social. Aqui do outro lado a gente tem uma entidade privada sem fins lucrativos. O ministério vai firmar com um contrato de gestão com o chamado HCG, está contrato de gestão? O que acontece? Esse ministério vai transferir para a OAS recursos para a sua atuação e é só vai devolver para o ministério em termos de serviços para a sociedade. Rezo estados, dentro dos termos do contrato de gestão, vão dar um exemplo para vocês aqui. De um lado até o Ministério da Saúde. E do outro lado tem a rede Sarah de reabilitação, aqui em Brasília está isso, existe mesmo. É uma publicização por meio de contrato de gestão, afirmou. Se esse contrato, caso deixe de atender, a gente pode rescindir o contrato. Então, ela que para mim, sempre que a publicização ocorrer vai ser entre o ministério que tem a pertinência temática com a organização social. Lembrando que a organização social que tem, que manifestam interesse e o estado opta, escolhe, opta confirmar ou não o contrato de gestão, então é discricionário. Tá bom o que é diferente do termo de parceria com as Oscips, que se as Oscips atenderem todos os requisitos, é compulsória, sempre com o Ministério da Justiça. Mas não vou entrar nesse momento. Não sei se estudo direito administrativo da audi direito administrativo não estão aqui dentro, a publicização ocorre. Isso está. O que se espera não cria a fundação pública, faz o que faz contrato de gestão. Com pior que isso deixar de atender, a gente recebe o contrato, fica tudo bem, qualquer volta aqui. Como é que vamos falar agora da agência? Fica são gente. A justificação também forma. Quando você viu isso aqui na prova, agências autônomas, eles estão falando da agência fica, são oquei que a criação de agências executivas. Então aqui o fenômeno da agência indicação, ou seja, as agências, exemplo cultivadas, que por sua vez não tem nada a ver com agências reguladoras, é diferente de agência reguladora Pelo amor de Deus, Daqui a pouco explico melhor isso, Então a gente tem aqui. De um lado, o ministério também, que tem que ter pertinência a temática do outro lado, eu vou ter uma fundação pública ou uma alta que aí da mesma forma, A gente tem um contrato de gestão e a fundação Autarquia que procura, tem que ter um planejamento estratégico em desenvolvimento. Para tanto, aí a gente vai ter o que o ministério entregando recursos e a fundação pública autarquia, devolvendo para os ministérios resultados Quando esse contrato olha que, para mim, quando esse contrato de gestão é assinado entre o ministério e a fundação pública, autarquia àquela autarquia, Fundação pública, ganha um título ganho o título de A Agência Executiva Agência Executiva não é uma nova figura jurídica. Não há no