A maior rede de estudos do Brasil

Transcrição


eu sou fascinado pelo estudo das profecias bíblicas. Elas realmente me encantam. Por isso fico muito empolgado quando vejo o tema Apocalipse estampando várias manchetes, porque nesses temas eu vejo uma oportunidade de testemunhar aquilo que eu acredito com relação ao fim dos tempos. Aliás, uma pesquisa recente feita pela E foi uma organização, não deu Uma Nacional dos Estados Unidos revelou que a maioria dos evangélicos gostariam que o seu pastor pregasse mais sobre o apocalipse e o fim do mundo, e eles estão sentindo falta desses temas. Isso, na verdade, é um bom puxão de orelha naqueles pregadores que vivem falando de auto ajuda, esquecendo se das verdades essenciais da feira. É aí que entra o estudo do Apocalipse, um livro que se estudado a fundo trará um grande revezamento espiritual para a sua igreja. Deixe me explicar para você! O que significa essa estranha palavra apocalipse é fácil. Você vai ver em grego a palavra kale pto significa sombra. Coloquei sombra. A palavra eu significa bom, portanto, eu Carlito, quer dizer boa sombra fácil. Não é mesmo? Agora o prefixo após uma preposição que pode significar para fora de para longe, de retirado de, por exemplo, apóstolo aquele que é enviado para pregar fora para pregar longe. Apostasia Aquele que sai do meio do povo de Deus e assim por diante. Portanto, quando eu junto a palavra após para fora de com Cali Pinto Sombra, você encontra o termo apocalíptico ou apocalipse, isto é, para fora da sombra, para longe da sombra. Hora O que está longe ou fora da sombra está às claras, está revelado, por isso, que apocalipse significa revelação legal, né? Mesmo ele é a revelação de Jesus Cristo, que Deus lhe deu para mostrar aos seus servos aquelas coisas que, em breve, deveriam começar a acontecer. Mas o fato de ser uma revelação de Deus não impede que haja entre os cristãos sinceros diferenças de opinião a respeito desse livro e por isso eu queria começar. Citando uma frase de Santo Agostinho que para mim é texto de cabeceira. Santo Agostinho dizia que, no que é essencial devemos ter unidade no que não é essencial Podemos ter diversidade ou liberdade, mas em tudo é obrigatório que tenhamos caridade ou amor, especialmente por aquele que pensa diferente de mim. Por isso que com muito respeito, eu creio que vou chocar alguns irmãos evangélicos, que seguem as minhas redes sociais. Então você está preparado para o choque? Pois bem, lá vai. Eu não creio no arrebatamento da igreja pronto. Mas como será que o Rodrigo Silva perdeu a sua fé? Dão? Não é nada disso! E talvez você se surpreende em saber que eu não estou sozinho nisto? Uma pesquisa feita pelo Fórum sobre Religião e Vida Pública entrevistou dois mil e duzentos líderes evangélicos de cento e noventa diferentes países e descobriu que trinta e dois por cento deles também não acreditam que haverá um arrebatamento secreto da Igreja no fim dos tempos, quando a pesquisa muito semelhante foi feita com teólogos, desta vez norte americanos, o número daqueles que negavam um nutriam sérias dúvidas sobre o arrebatamento era da ordem de sessenta por cento apenas para situar aqueles que talvez não saibam do que estou falando. É que uma grande parte dos cristãos evangélicos e hoje, especialmente pentecostais e neopentecostais, acredita que a segunda vinda de Cristo terá duas fases. A primeira, quando ele vem de maneira secreta, para arrebatar ao céu aqueles crentes mortos e vivos, conforme está em primeiro atenção. Reticências, Capítulo quatro, versículos treze dezessete. Nesta compreensão, uma multidão de pessoas irá desaparecer de um momento para outro. É por isso que alguns automóveis nós vemos às vezes aquela adesivo escrito cuidado em caso de arrebatamento, este automóvel ficará descontrolado. É uma maneira demorada de pregar aquilo que eles acredito bem, continuando então em virtude desse suposto desaparecimento da Igreja que seria arrebatada por Cristo. Haverá então sete anos de tribulação na terra, governada pelo Anticristo, que perseguirá o país Israel e nesse momento os judeus deverão se converter a Jesus. Então só depois disso é que Cristo volta aí sim, numa segunda fase em glória e majestade, em companhia daqueles que já haviam sido arrebatados anteriormente e então reina mil anos sobre a Terra. É mais ou menos isso que ensina o dispensa nacionalismo ou a doutrina do arrebatamento secreto, no entanto, talvez pouco saibam. Mas apesar do facinho que essa visão terá sobre muitos crentes, esta não é uma doutrina claramente encontrada na Bíblia sagrada. E mesmo que você diga não está assim na Bíblia deveria admitir que desde que o apóstolo João escreveu Apocalipse, até o ano de mil oitocentos e trinta, ninguém jamais falou dela, ou seja, tivemos mil e oitocentos anos de cristianismo, sem que ninguém sequer ouvisse falar do tal arrebatamento secreto que em primeiro pregou isto foi John Nelson Darby, empregador anglo irlandês e sabe onde ele se inspirou nos escritos de um jesuíta espanhol chamado Francisco Ribeira, que projetou a profecia do Anticristo para um longínquo futuro, a fim de combater a doutrina, um entendimento protestante da época que via o Apocalipse treze como se cumprindo no poder papal da Europa. Isso é uma questão de história. Eu não estou inventando, você pode checar as fontes, os grandes reformadores, aqueles como Lutero, Calvino, Zwinglio os irmãos moravam Wesley. Nenhum deles acreditavam no arrebatamento secreto da igreja. Pelo contrário, todos falavam apenas de uma única e clara volta de Jesus, que acontecerá em apenas um estágio e será visível e gloriosa em todo o mundo e não no arrebatamento pré- tributación nisto somente no início do século vinte é que essa visão do fim se tornou popular através da chamada Bíblia anotada de Scofield e outros evangelistas. Agora é estranho que uma doutrina assim tão complexa, tão bem elaborada como esta, e que seja supostamente bíblica seja tão estreia na história do cristianismo, É estranho que nenhum servo de Deus a tenha percebido em dois mil anos de história da Igreja, uma vez um pastor evangélico muito consagrado a Deus, a quem o respeito. Muito me disse mais Rodrigo, Deus tem de tirar o seu povo da terra. Antes que vem a Grande tribulação, veja a história Sagrada ensina que em todos os tempos era ele, argumentando em todos os tempos, de juízos de vindo sobre as civilizações. Deus sempre livrou, seus fiéis livrou Noé do Dilúvio livro ao longo da destruição de Sodoma, livrou a Israel das dez pragas que atribulado o Egito e prometeu livrar a sua igreja na hora daquela tentação que advir sobre toda a terra. Ele então citou Apocalipse, Capítulo três Ver Sudeste disse Eu te guardarei na hora da provação, mas espera um pouco. Eu falei para ele, então pastor, guardar é proteger, não é retirar de um lugar para o outro. Em nenhum desses textos que você citou, Deus arrebatou o seu povo para não sofrer o juízo. Pelo contrário, ele ou se protegeu, mas não os tirou Jesus. Mesmo ao pai. Não penso que os tiros do mundo, mas que os livres do mal. Veja não estava protegido dentro da arca, mas permaneceu em meio ao Dilúvio foi tirado pelos anjos, porém, correndo em meio ao fogo que caía e ele não foi arrebatado secretamente. Os hebreus, é claro, foram poupados das pragas do Egito, mas continuavam na terra de faraó, enquanto as pragas caiu com muito respeito pelos que pensam diferente. Eu digo que não vejo na Bíblia sagrada nenhuma passagem que ensine claramente a volta de Jesus em dois estágios, um secreto, o outro visível. Mas eu sei que alguém da Dira Rodrigo Paulo deixou bem claro a intenção de licenças que nós seremos arrebatados para encontrar com o seu nas nuvens. E ser arrebatado é ser tomado de modo súbito, sem que ninguém veja fora. Confira o dicionário e você vai ver que, arrebatado, não tem nenhuma conotação de ato secreto, nem português, nem no grego, que era a língua original do Novo Testamento. Tanto é que a palavra, farpados ou arrebatar pode ser traduzida por roubar em Mateus doze, vinte e nove e veja que ela claramente tem o sentido de algo visível, pois os dias nessa passagem que ninguém consegue