A maior rede de estudos do Brasil

Aula 03 - Resumo de Literatura (Parte 02)video play button

Transcrição


então vamos para a segunda parte da nossa aula. Está vamos falar um pouco sobre o que a literatura, uma introdução ao estudo literário, mesmo aí logo na tela, e logo Nunes laise Eu trago uma pergunta Gostaria que vocês pensassem sobre ela. Olha um segundinho para você! O que é literatura quando vai cair na literatura? Se a peça literatura vai cair na prova, mais o que o que estudar, como fazer? E alguns alunos ficam até um pouco assim, sem saber o que dizer? Literatura, que é o conteúdo que estudei na escola e tal é muito mais do que isso trouxe aqui o que é, de acordo com a origem do termo está e no dicionário, na habilidade de ler e escrever de forma correta. Só que a literatura ela tem um significado até muito amplo. Se pensarmos nisso a habilidade de ler e escrever de forma correta e dentro da de cada profissão, na área de conhecimento, nós temos uma literatura já houver um médico fala assim Olha, na literatura médica não. Nunca houve um caso desse tipo a literatura médica, aquele ano de testes de pesquisas e análises feitas sobre determinado assunto. Esses análise, estudo fica dentro de um livro de uma de uma pesquisa para que você possa consultar depois. Então é isso, Mas não estou falando aqui desse tipo de literatura. Na nossa análise, o que vai valer, na verdade são as outras formas de produção literária. Então nós estamos podemos ler e escrever de forma correta, pensando no entendimento do outro a partir de algumas formas. Deve algumas produções que eu coloquei poema Prosa de ficção Literatura de romance, Literatura médica como eu falei Tá Literatura técnica A Portuguesa Literatura popular tratou de cordel certa literatura brasileira que não está aqui, são os vários tipos de produção literária. Está tem ou não tem um conceito, uma definição de literatura que eu acho muito interessante, muito real. A literatura seria a expressão linguística de uma concepção própria da realidade. E é nesse ponto que eu preciso que você, meu aluno entenda e aprofunda vamos aprofundar a ideia. Como assim? Não. Toda a literatura, ela acontece toda a produção literária, ela acontece dentro de um contexto histórico. Vou citar um exemplo clássico mil e oitocentos e vinte e dois da pendência do Brasil na literatura brasileira acontece o quê? Primeira Geração romântica Geração indigenista nacionalista, tudo ali estava voltado para o contexto histórico em que o Brasil estava vivendo. É isso. Você representa a realidade que você vive a partir da literatura. É interessantíssimo pensarmos assim, porque ali para toda, a fazer sentido. Então é gente. A literatura representa o pensamento do homem naquela época. Tanto que eu vejo a literatura não somente como algo interessante para a gente analisar a pensar sobre a vida e tudo mais. Não é um registro mesmo de cada época. Se você pegar um texto, pegam uma obra do realismo Naturalizam para estudar, vão pensar O Cortiço, de Aluísio Azevedo Você já leu o Cortiço, de Aluísio Azevedo, é um texto que a pessoa, no decorrer da formação dela, na escola. Professoras indicam especialmente no finalzinho, porque é um livro mais para adulto para pessoas não livro adolescente curtisse, ele traz a realidade da época. Então, na hora que você ler o cortiço, você visualiza o que os lugares você visualiza, as pessoas, você ver como as pessoas se relacionavam, a forma como ela se relacionavam o porque o motivo? Os problemas políticos do governo. Você consegue identificar tudo ali tudo. E se você pegar, vamos antes, então um ano. Gregório de Mattos Lá no Barroco, os poemas de Gregório de Matos Os poemas satíricos dele nos mostram como era a Bahia daquela época de mil seiscentos. Alguma coisa, então também é uma forma de identificar e dar características para o povo da época, para os lugares da época, para as formas de se relacionar star da época. Então, é isso e até hoje isso acontece. No século vinte, a literatura serviu de pano de fundo para muita gente. Questionar a realidade para uma literatura altamente engajada não é? Nós temos vários artistas aí que fizeram isso, nós tivemos. O rap ministro repetiu no século vinte e um reparada mais do que isso é do que uma música de ruptura em parte da literatura Chacal. Ele escreveu na poesia marginal, ele fez o que poderia ser um rápido que se tornou depois um rap. Então é legal a pensar sobre isso, pensar aqui, nessa frase. Estamos lá, Vejam só a literatura seria a extração linguística, ou seja, a forma colocada no papel de uma concepção própria da realidade. E aí nós chegamos disso aqui dentro de um processo histórico, porque não tem como separar essas duas coisas? Elas estão ligadas para sempre estar. A literatura é a expressão da sociedade. A literatura nos queridos é a sociedade se mostrando, assim como a palavra é a expressão do homem. E aí olha que coisa interessante para que a análise mais profunda, a palavra é a minha expressão. Eu posso expressar através de palavras aquilo que eu sinto, não só intimamente as questões pessoais, como as minhas questões no grupo. Não é como eu sinto a realidade hoje. Nós estamos aqui num contexto histórico da Guerra da Síria, não é? Se você parar para ler sobre aquilo, você vai ter palavras para vamos ter palavras para expressar aquilo que você sente. E é algo individual. É individual e também coletivo, mas é a forma como você tem de se expressar a palavra, a palavra é a situação do homem. Quando você diz aquilo um absurdo do mundo está doente. Como pode acontecer, Como nós podemos ajudar aquele povo? Ajudar aquelas crianças para uso a palavra? Para expressar esta e a literatura, a gente nada mais é que a junção das palavras todas escreveu um poema sobre a guerra da Síria, você escreve outro e outro outro. Nós estamos ali ser lá dez autores escrevendo sobre isso em prosa e verso. Juntando, isso, tudo vai dar uma literatura, e essa literatura vai ser a situação da sociedade nesse momento. Então, tudo isso, nós vamos unir todas as reflexões, as infecções individuais, a forma individual de se expressar a partir da palavra. Vamos juntar isso, Todo isso tudo vão juntar os textos literários decorrentes disso. Uma literatura que vai ser a extração da sociedade naquele momento histórico, naquele processo histórico. A quem tranquilo até aí, a gente por que é importante pensar no professora, podia falar logo sobre o que é preciso, que é o que vai cair. Pacificar a média não é não esta. Poucas questões aí que nós encontramos da banca fumar que, por exemplo, nós temos muitas questões de interpretação da literatura como um todo, esta, talvez até mais do que de períodos específicos. Então, esse momento aqui da aula é importantíssimo. É o momento de você entender. Está o processo de formação da literatura, quer a literatura. Como nós criamos a nossa literatura, certo? A literatura feita no barroco é também chamada de tratam da contra reforma, tudo da contra reforma. Olha só a gente, a extração da sociedade naquela época, naquela época específica que eles estavam vivendo os inconfidentes. Thomaz, Então, não Gonzaga, Cláudio Manoel da Costa. Eles escreveram na literatura, nas cartas Chilenas, por exemplo, fizeram uma literatura voltada para o momento histórico específico da época, que era a luta pela liberdade da Inconfidência Mineira. Certo? Então, assim é algo fundamental Você pega todos aqueles textos do Arcadismo brasileiro, marcado mesmo engajado. Você entende ele a expressão da sociedade, como a sociedade passou por aquele problema por aquela questão histórica. E assim a gente vai acontecer em todos os períodos está. Se você entende a literatura dessa forma, contextualizando historicamente, acontece o que você aproxima a literatura de você. Ao aproximar, você ganha familiaridade e, a partir daí, toda a Nasa liderar. Ela vai fluir com muita naturalidade, com muita beleza, porque não vai ficar chato aqui, coisa maçante. Tem que decorar, não tem que decorar, tem que entender que a literatura, a expressão da sociedade, assim como a palavra, é a sua extração. A literatura representa todo a sociedade, quer coisa linda. E isso não é exigência, não é? Não é? EU acho que é à