A maior rede de estudos do Brasil

AULA 2 - Células da imunidade inata e adquirida(360P)video play button

Transcrição


E aí, gente, tudo beleza aqui. Lucas Matheus Começando mais uma aula de imunologia e essa água, dois células da imunidade inata e adquirida Na aula passada, vimos algumas diferenças da imunidade inata e adquirida nessa aula. Iremos ver as funções da imunidade inata de uma forma mais aprofundada, observando características próprias de cada função. Iremos também conhecer quais são as chamas que constituem melhor nata e adquirir e veremos a organização dos grupos de células de uma forma prática e fácil de lembrar. Então, falamos na aula passada sobre as barreiras internas, externas e físicas químicas da imunidade inata. Mas não falamos os componentes dessas barreiras, mas como assim os componentes dessas barreiras? A gente falou das barreiras superficialmente na aula passada, mas agora iremos falar para que serve essas barreiras, O que tem nessas barreiras, quais são as soluções dessas barreiras de verdade que tem nelas que protegem a gente. Então a primeira que vamos falar sobre a pele, a perna e o que tem na pele que nos protege a pele, é a principal barreira física da gente. Ela pode ser chamada também de barreira EP. Teriam na pele, é feito de queratina, sexta-, têm queratina e a tem células epiteliais, células do tecido Daniel e todo esse ter sido revestimento nos protege de invasões, microorganismos, patógenos certos. Então a queratina deixa a resistência da pele mais forte. Na nossa pele também existe os pêlos. Esses pequenos nos protegem também desses microrganismos, não deixando os poros da pele abertos, por exemplo, causando uma infecção. E existe em glândulas sebáceas essas glândulas sebáceas é que faz o nosso cérebro, então quer dizer que com esse sebo a gente vai ficar seboso sujo, deve fazer mal? Não, não. O sebo ele nos protege. Eles produz uma série de ácidos graxos que tem uma função bactericida. Ele quebra para lá desses microrganismos o próximo. Só se fossas nasais, as forças nasais elas têm a característica de filtrar o ar que a gente respira até que muita gente fala. Respirar pelo nariz é bem melhor do que respirar pela boca. Quando você espera pelo nariz ao turbilhão, amento do ar e esse ar, que é pego pelo pela fossa nasal, é filtrado por esses pelinhos que tem dentro da fossa nasal. A próxima é a traqueia. A traqueia, junto com a fossa nasal, completa assim a proteção do sistema respiratório na traqueia, temos a produção de muco e as células ciliadas, o muco. Esse fluido nos protege. Pagando esses microorganismos que tentam entrar dentro da cavidade respiratória, então ele pega o muco, pega se esse vírus ou então essa bactéria e leva para acima, junto com acessar auxiliar acessar auxiliares. Vão levando, junto com o movimento dos sírios esse muco para a parte de análise da boca para ter o objetivo de tirá los de lá, tirar pelo meio do espírito e por meio da tosse também a lágrimas, saliva, lágrimas saliva são proteções do olho e saliva da boca e elas são fluidos também corporais que não se protegem, matando os microorganismos que estão perto delas. Mas como com que tipo de substância a substância é a lisozima? A lisozima é uma enzima que tem o poder de quebra da parede celular desses microrganismos a vagina e estômago. Vagina tem a ver com o sistema produtor. Eles tomam nosso sistema de sua história, mas o que eles têm como o pega alterado? O Pedro alterado dificulta a proliferação de bactérias ou vírus, então pegar se no açude mais o básico de mais dificulta a proliferação desses microorganismos, intestino o intestino o estômago tem as bactérias comensais, que são bactérias comerciais. São bactérias que comem esses microorganismos. Relatórios certo São bactérias que impedem que a conter um tipo de de competição entre essas então era e ajudam na digestão dos alimentos que ingere as células do sistema imune. Não podemos começar a estudar imunologia sem saber se elas que compõem esse grandioso sistema. Elas estão divididas em categorias, poderão ser grande rostos ou agrado ou estão presentes na imunidade inata ou adquirido. Então os primeiros que a gente precisa estudar vão ser inscritos acabar. São começa para os neutrófilos. Depois vemos é onze novos os basômetro, monócitos, linfócitos e células idênticas. Essas são os seis tipos de celas que precisam ser lembrados. Então, repetindo neutrófilos, onze enófilos, bazófia, los monopostos, linfócitos, células dendríticas, os basômetro Se os monopostos têm nomes diferentes, quando eles passam do sangue para ter sido os LASoft, mudou o nome para mais expostos. Os bom nossos mudam nomes para macropolo. Os reforços têm várias sub divisões. Os impostos podem ser única. É natural que na impostos de impostos ter os reforços. Três ainda têm subdivisões, reforços, ter reguladores, que é o terror imposto ter cita tóxico. Ele fosse ter que pode ser chamado também de reforço ter auxilia a organização da Santos é o seguinte nada é adquirida. Gravam nossos e a grande para se ligar os grandes monstros. São quatro é os enófilos neutrófilos, vazou nossos impostos única. Eles são grandes nossos estão presentes na imunidade inata, mas a imunidade inata tem mais um representante que é da família das agradam nossos, que são as celas falou-se, ticas, moro nucleares, os moços e na imunidade. Aqui temos reforços. Na próxima aula iremos estudar cada uma célula e todas suas características próprias. Para conhecer melhor o nosso sistema imune, então proximal, teremos as características completas de cada célula, uma por uma. Para saber as novidades, deu seu joinha para receber notificações de outubro. Curta a página do Facebook para receber novidades e novos postos explicativos e também favorita pela elite para receber as aulas, todas organizadas e não perder nenhum tempo com isso. Então, um abraço, galera e até a próxima