A maior rede de estudos do Brasil

AlfaCon Concursos Públicos - Crasevideo play button

Transcrição


fala pessoas num certo que você chegou de Nova York que permanecem na área para conversarmos. Mais um pouquinho sobre língua portuguesa é agora uma aula que é muito muito importante. Aula de Crazy Nós fazemos parte de regência verbal e a aula de Cras é uma aula que deveria estar dentro da aula de regência. Mas como há muito elementos, são muitos elementos dar Cras, especificamente então de separá ao de Crazy para falar só sobre ela, esse fenômeno da crase para entender melhor o funcionamento E como usar como não usar essa bendita bom primeira coisa. Se ela teve com regência verbal, ela vai estar ligado diretamente ao uso ou não de preposição beleza. Então a crase. Na verdade ela é um fenômeno que existe com a fusão da vogal, a preposição com a vogal, a artigo feminino, essa fusão em vez de escrever, vou somar os dois às indicar com a crase. Isso é a praça certo. Esse é o fenômeno da crase. Então veja só para que ocorra isso. Eu tenho que ter um termo que peça a preposição A pode ser um verba. Temos uma palavra substantivo que peça para votação e depois dele ter um substantivo feminino que admita o a artigo. Esse artigo veio aqui com a preposição junto aos dois e aí eu indico a casa. Vamos devagar, com calma e tranquilidade. Tanto grave é a fusão de duas vogais. Certo sendo uma preposição e a outra artigo feminino Beleza como o que aqui para a indústria para você Certo da moradia, vou à praia no fim de semana. Beleza, vou à praia em que já sabe que olha só o verbo Piero, Quem vai vai a algum lugar Beleza Eu tenho aqui praia, que é uma palavra feminina, substantivo feminino e praia, admite o artigo feminino, então a praia, o rio à praia masculino do Rio, a praia, veja aqui e aqui neste caso que aconteceu vou à praia em vida escrever vou à praia. A gente vai fazer o que a fusão vai somar esses dois a mais que a sua proposição com o artigo e aí vai gerar a minha frase que está aqui em baixo. Então, na verdade, na verdade, aqui vem saber escrever este año fraseado é certo que vai trocar esses dois aqui por esse a beleza, essa ideia da casa. Então é preciso olhar o tempo que vem dando certo e o que vem depois, então primeiro lembra. Assim para até casa tem que ter para a posição, só uso Crazy com palavras femininas. Agrava se a informação é para ter crase. Tem que ter uma posição sobre o crazy companhia feminina, professor faz ou já fez ela falasse Para pôr a Cras tem que ter a preposição para pôr a casa, Tem que ter habilidade. Só uso crazy com palavras femininas para pôr a casa tem algumas propriedades, são essas propriedades. A gente vai ver na sequência a beleza. Então para pôr a casa que tem preposição só usa o Cras acompanhava gravações as informações E agora uma das propriedades da Casa Madeira mora lá, então seguimos seremos! E aí vamos para os casos de crazy obrigatória, beleza são vários casos, porém são casos bem específicos. Tem alguns macetes alguns interessantes, que ajudam a gente identificar o dono da casa e eu quero que sempre prestação comigo. Total. Primeiro caso primeiro troca se a palavra feminina você vai fazer para identificar se há crase, vai acontecer, Não vai trocar a palavra feminina! Você vai trocar a palavra feminina por uma masculina equivalente certo. Se você utilizar na masculina ao quer dizer que na feminina você vai ter que usar o caso, então crase na feminina. Então, não há exemplo aqui embaixo. Olha só João voltou à cidade natal. Não sei se vai casa se não vai nessa palavra que nessa estrutura Construtora aquela vai à casa que não sei como identificar ou quem? A palavra cidade que é feminina por uma palavra masculina equivalente País João voltou ao pais natal. Perceba que no país que é masculino eu usei o outro artigo, viu a preposição ou para. Quer dizer que aqui em cima? Então eu tenho uma que a proposição. Mas o ato é o meu artigo feminino. Então aqui, casa pronto, resolvido. Todas as vezes que eu consegui fazer essa troca vai ter prazo. Então tenho palavras a medida não seja crase figura masculina seus em algo na masculina, casa, no feminino. Fácil, né? Bem tranquilo, muito tranquilo. Beleza! Maria Vieira Muito bem, seguimos mais um outro caso de crase. Aí que é um pouquinho diferenciado desse que você agora. Olha só locuções adverbiais femininas, primeiro locuções adverbiais femininas. São aquelas expressões linhas que dá um modo um instrumento lugar, mas todas elas são femininas. E aí que acontece nesse caso, elas precisam da casa de uma casa de sentido, tirar a casa, colocar a crase Então veja aqui não tem muito a ver com a relação do AL ou não. O que rola rola, que é que eu tenho de ter a casa para ter um sentido específico, Então vamos lá, saiu às pressas. Veja sem crase essa expressão aqui as pressas. Ela parece que expressa saiu entre errado, disse Expressas, saíram. Parece que as pressas em alguma pessoa, alguma coisa, só que as pressas é o modo como sei se é o modo isso aqui é um adjunto adverbial de madhu, ou seja, uma locução adverbial e aqui a crase é obrigatória para dizer que é o modo como eu sei então todas as vezes que utilizar a crase aqui nesse caso, é uma casa obrigatória às pressas, às vezes certo, à tarde e à noite a esquerda direita. Todas as locuções adverbiais que indicam alguma coisa de tempo, modo, lugar, instrumento, vai ter que usar a crase obrigatória, porque uma casa de sentido para ele trabalha à tarde. A tarde é o período em que ele trabalha. Adjunto adverbial também à tarde, baseado que é o período de tempo certo, muito bem vendo a ver estar olha essa suspensão a vez da é o contrário de há prazo. Então, por exemplo, vendo a vista é que eu vou vender uma vez só entraram na hora, beleza, beleza, tendo a vista vendo a prazo para vender parcelado, mas neste caso a vista é o modo como estou vendendo tudo bem se ao modo é uma locução adverbial de modo então à vista tem crase, porque se eu não colocar crazy sobre já contava antes, vendo a vista para estou vendendo os olhos certo ou pior ainda sobra da janela. Estou vendo a vista ou ainda uma terceira possibilidade leitura eu vendo à vista, mas é muito velho vender para o verão. Vendado, eu vendo a vista de vendar a vista, não de vender, então veja tem uma habilidade até a liberdade de ambiguidade é um problema gramatical. Você se você sabe, mas todas as vezes você cria uma atividade na escrita, é um problema gramatical que se tem maturação. Pois bem, aqui à vista baseado para ser o modo como se paga agora a expressão venda a prazo, que é parcelado vai casa não vai Não porque ele não vai. Porque há prazos masculino, palavra prazo masculino. Então não vai trazer a prazo, sem crase à vista. A prazo. Beleza também show de bola. Seguimos o nosso bairro para Gomes, aquele aquela e aquilo. Esses pronomes, vinhos, aqui eles podem ser baseados, mostrar como funciona isso aqui. Cheguei àquela praça quando olha que eu tenho o verbo chegar, certo está aqui no governo e quem chega chega a algum lugar, Só que vem escrever aqui. Cheguei a aquela que eu faço, Eu pego este año e coloque dentro desse primeiro lado aquela, então vou fazer o que é que o vôo traseiro aquela saca largura, Cheguei a aquela praça, cheguei àquela praça ser trazer aquela então nesse caso, aqui a fazer melhor. Aqui você vai utilizar a crase porque em vez você escrever a preposição a, depois o verbo chegar, ou seja, colocá la dentro do aquela que fica assim. Cheguei àquela praça, em outro jeito você perceber se vamos a casa que eu não troca, ou aquela por esta, como ficaria na frase Cheguei esta praça ou cheguei a esta praça. Se você escreveu a esta ou aquela tem prazo vai funcionar ou aquele aquela e aquilo certo? Refiro-me aquele livro. Não sei se vai trazendo aquele que eu faço troca por esse e aí ficaria como refiro-me este livro ou a este livro? Eu usei a este livro. Significa que o aquele crescer fácil, muito tranquilo, não tem risco, não tem risco. Então, aqueles a troca por este na oração, usar a este prazo aquele. Mas a coisa para aquela mesma coisa, para ou aquilo tranquilas de boas sus que nem mousse leve como a neve de boa. Na lagoa, muito bem, seguimos com pronome