A maior rede de estudos do Brasil

Transcrição


didática geral. A identificação da didática didática é um jeito de fazer um jeito de fazer uma mediação pedagógica, um jeito de fazer alguma coisa que pressupõe a ou deflagre aprendizagem construção de conhecimento Acho que a cidade está muito ligado com a questão da conquista, mas a conquista no sentido de você conseguir atrair atenção para determinado assunto, de conseguir o interesse do aluno. A palavra didática Ela é moderna nesse sentido de referir se a uma dimensão do ensino aprendizagem e uma parte da teoria da educação da pedagogia. Agora, a palavra grega era técnico didática, porque em grego, técnica é arte a arte de ensinar. Concebia se na Grécia Antiga que algumas pessoas tinham inata mente na sua alma o dom de ensinar a pedagogia moderna coreana. Maiores comentários Ela é a ruptura disso porque ela disse a gente não, não tenho o determinismo do dom para ensinar a pedagogia, a teoria da educação, ela tem que ter uma parte chamada didática, que a teoria e prática do ensino, que é a arte de ensinar tudo a todos com menos o pai da didática moderna me chamam Assim, por conta de meu livro didática, Magno ou Tratado da arte universal de ensinar tudo a todos, como era mesmo que descreve as o objeto de sua investigação. Tanto tempo era assim, a própria poupa de nossa didática será investigar e descobrir um método segundo o qual os professores ensinem menos nos alunos. Aprendam mais metas perseguidas pelas escolas. Até ainda dizia que nas escolas haja menos barulho e mais sólido. Progresso na cristandade haja menos trevas, menos confusão, mais luz e ordem, mais paz e tranquilidade, mais luz e menos trevas. Ora, ora domínios. Agora temos que explicar o porque dessas palavras ele é na verdade um pedagogo moderno. Mas ele está vinculado à tradição protestante, a tradição da ruptura luterana armênios. Ele vai criar a solenidade que a Magna nesse contexto em que ele vai se contrapor a essa situação existente, em que ele vai então formular que era muito importante que o povo aprender a ler e para poder fazer a interpretação direta dos textos bíblicos. E é com ele que nós vamos ter a formulação. Disse que o ensino poderia ser deveria ser realizado com um grupo de alunos e não apenas como um aluno, como era predominante até então. É verdade que as escolas jesuíticas um pouco antes do comércio, já tinha formulado essa escola com as características como a gente conhece hoje, mas ela era uma escola para os segmentos dominantes dos jesuítas. Com comentários ela é uma escola para o povo escola para como comer. Claro, não foi eu quem disse. Todas as juventudes de ambos os sexos deveriam ser enviadas as escolas. Afinal, quanto maior é a plantação, melhor crescem as plantas. Quanto maior é o viveiro, maiores são os peixes. Conclusão assim como se devem fazer víveres para os peixes e plantações para as plantas. Assim se devem construir escolas para a juventude. Bela analogia, um tanto alegou. Isso se deve menos ao estilo da época do que a própria linguagem da didática Magna, onde os fundamentos de todas as coisas que se aconselham são tirados da própria natureza das coisas. Eu deixou dois livros, diz o com. Menos o primeiro, a Bíblia e o segundo, a natureza. Então é preciso ler a escrita. É preciso ler a Bíblia e é preciso ler o livro que Deus deixou na natureza. É preciso ver como é pública as plantas cai porque uma pedra cai quando eu derrubo da mão, porque é que as coisas têm. Só porque então, o mundo é também um grande livro que desse livro da natureza, o Comentários Com uma habilidosa teoria da educação e teoria científica, ele prepara terreno para toda a consciência burguesa, abre uma nova atitude diante da formação da Idade Moderna. Ele prepara terreno para todo o reconhecimento científico. Dizer que a profundidade é um número negativo vestiram branco ou não no plano da Terra, como vai ocupar, além de tudo, é capaz de ser ensinado, Tudo é capaz de ser apreendido. E essa é a atitude pedagógica moderna, a capacidade de transformar todas as dimensões da vida em dimensões, ensinar a vez e a pretendentes. Então eu diria que a atitude didática moderna, a concepção de idade moderna, ela nasce com Rihanna, não os comentários e ela tem o respaldo em geral. Jackie Russo as informações mais uma de suas caminhadas solitárias. Senhor Russo, Ela são fontes de inspiração para um livre pensador. O senhor foi citado deve ser por causa do milho e milho. Sim, o aluno imaginário que criei para mostrar como se poderia fazer a educação de uma criança desde o seu nascimento, até se tornar adulto, para que quando o homem não precisa de outro guia que não é ele mesmo assim, educar para a emancipação do indivíduo. Mas não é isso o que é o mais importante russo é a demonstração que ele vai fazer nesse contexto de se começar a valorizar a criança. Então ele vai que a gente pode dizer assim, curvar a vara fortemente para a importância da criança e da liberdade da criança liberdade da criança. E o senhor quase foi preso por causa disso. Também ao propor o meu modelo de educação, não poupou críticas a ninguém governantes, igreja, a família e, principalmente os professores. Escrever coisas do tipo os mais sábios se pretende ensinar somente o que interessa aos homens, sem considerar o que as crianças estão em condições de aprender. E me dirijo aos professores em tom provocativo. Começar por melhor estudar vossos alunos. Depois, com toda certeza, não os conhecem. Ideias assim fizeram com que seus livros fossem que sim, mas por uma boa causa. Pensou eu ter lançado a semente para a valorização da criança, embora anos mais tarde. E vocês sabem melhor do que eu, Até porque eu já não estava mais aqui com a Revolução Industrial a criança voltou a ser tratada como um pequeno. Agora, o projeto é um pouquinho diferente, porque a industrialização precisava de mão de obra e mão de obra que tivesse domínio de determinados conhecimentos. Então, preparar as crianças para saber ler, escrever e contar era uma forma de preparar mão de obra, inclusive a mão de obra infantil para o desenvolvimento da fiscalização e do capitalismo. Então, vai ser nesse contexto que a escola se generaliza e que, então vai se ter a criação do sistema público de escola. A Inglaterra fez a política de alfabetização. Por que? Porque não havia como sustentar a industrialização e urbanização com os pactos do antigo regime, a França Napoleão Bonaparte contorcer mil sete, cem, noventa e quatro, diz Alfabetiza em todo o francês que enquanto houver uma analfabeta em França, não haverá liberdade. Em França, os países que fizeram uma mudança nos meios de produção, mas não mudaram a cultura, eles vão reproduzir nos novos tempos as velhas ideias. Então, um dos países que vai fazer isso é Portugal. A característica da colônia e, no caso do Brasil, era colônia de exploração para casa e recriou tudo o que havia de velho atrasado, na Europa. E isso se dá pela União do Estado português colonizador e a Companhia de Jesus. Eles não investir aqui. Por isso o nome, a colônia de exploração e não colônia de povoamento. Os jesuítas vieram para cá e plasma Marão, a cultura brasileira, a educação brasileira, a imagem e semelhança do que havia de mais velho rançoso na Europa. Então, o racismo estude hora os xiitas e azul, que é o programa de ensino da Companhia de Jesus, que é uma experimentação pedagógica. Ele foi muito mais vigoroso que a didática magna. Então, um país colonizado pelas tradições medievais requentadas, não há possibilidade de uma didática, mas a matriz jesuíta e a pedagogia da obediência à matriz positivista e a Pedagogia do Ordem e Progresso, professor que diz Se você quiser ver que estou mandando de parte de ano, Se você copiar direitinho, até a vírgula não inventa a professora. Eu cheguei no outro resultado não. O certo é esse da formatação positivista, ou então a pedagogia dos anos trinta, que é a pedagogia de deixar o aluno por um décimo, de excluir de chegar até dez por cento de aprovados somente no ensino primário. E eu vou trocando de roupa eu mudo de batina preta jesuíta a um jaleco verde oliva dos positivistas a um jaleco