A maior rede de estudos do Brasil

metodologia_do_ensino_de_literatura_01video play button

Transcrição


aluno a fazer as suas descobertas. A seguir. Todas as leituras devem ser feitas em voz alta, pelo menos duas leituras e de preferência, por alunos voluntários. A leitura em voz alta deve ser incentivada sempre é muito importante. É importante também que o professor trabalhe com alunos voluntários que já são mais desenvoltos, que gostam de falar e que estarão estimulando os mais tímidos um dia também serem voluntários. Então, após essas duas leituras realizadas por alunos voluntários, O professor fará dará continuidade ao estudo. Mas a importância dessa leitura por alunos em voz alta é que ela chama a atenção para a musicalidade da poesia. Essa leitura, ela é fundamental que ela não deve ser interrompida. O aluno deve inner continuar lendo, mesmo que haja tropeços. A explicação do vocabulário também é indispensável nesse momento, pois essas primeiras leituras não visam a compreensão de cada palavra, da poesia, mas a formação de uma ideia geral do que ela nos está comunicando. É como se olhássemos por poemas perguntássemos aqui vem o que se está dizendo para mim eu vou ler, sem o compromisso de querer já penetrar em todas as malhas do texto, uma primeira leitura. Vamos incentivar o nosso aluno a ler, pelas primeiras vezes, uma duas, três ainda para buscar esse sentido geral. A seguir vamos conversar sobre o texto lido. O próximo passo é fazer com que o aluno converse sobre aquele leu E para isso podemos pedir ao aluno que escreva, por exemplo, três palavras que melhor expressem o assunto ou os assuntos de que trata cada um dos textos. Depois que os alunos escreverem as palavras. Essa tarefa é feita individualmente. O professor pede para que em Paris os alunos contarem as palavras que escreveram ao compará las eles devem justificar as suas escolhas para os colegas. Isso faz com que eles discutam o texto dizer porque escolheu uma palavra. Ele vai ter que dizer o que ele entendeu, se não, ele não saberá dizer porque aquela palavra mais importantes. E assim já se começa a discutir o texto de forma que o professor não terá que fazer com que o aluno fale, forçando o número. Já está conversando com os seus colegas sobre o texto, outro momento após essa atividade militares. O professor então chama os pares e pede que eles digam as palavras que anotaram. E aí, um aluno ou professor, a nota, as palavras no esquema que ilustre o número principal ou as principais palavras que partiram das leituras mais importante que foram sugeridas pelos alunos. Então, vejamos, nós temos primeiro uma leitura silenciosa, depois leituras em voz alta. A seguir, o professor ainda não interferiu professores, está ouvindo e conduzindo a aula. Depois, o professor vai pedir que os alunos façam anotações também numa tarefa individual. A seguir uma tarefa em grupo e só a seguir é que o professor vai começar a participar mais diretamente, mas adotando as palavras. Então esse esquema que vai ser adotada no quadro com as palavras que os alunos vão sugerir também deve ser um esquema que interessante. Vejamos como seria uma das possibilidades de esquema, Uma delas, uma dessas possibilidades é desenhar dois círculos com os títulos de textos dos textos lidos no centro de cada um. Tanto o círculo desenhado um dos círculos desenhados como um sol partem raios e cujas pontas são escritas. Palavras selecionadas pela turma. Essa é uma maneira de mostrar uma explosão de sim tecidos provocada pelos textos lidos. Vamos ilustrar o que estamos sugerindo, Exemplificando com o primeiro poema, elogia e mitologia. Imaginemos que os alunos tenham sugerido as palavras medo, sangue do coração morcego. Há uma sentinela infiltrar e olheiras. Essas palavras seriam então acrescentadas ao círculo. A atividade que acabamos mostrar faz com que os alunos se sintam motivados para discutir a obra que está sendo estudada em prosa e verso. A partir da listagem elaborada pela turma que a listagem, aquela que está lá no círculo, aquela que fizemos o nosso sol, o professor vai por meio de perguntas introduzir o assunto de que trata o texto selecionado, se necessário, incentivando o acréscimo de novas palavras a listagem inicial, procurando sempre fazer com que os alunos percebam a importância da força que cada palavra possui em qualquer obra literária. Mas a força da palavra ainda é mais importante em poemas. Porque porque eles são nós concisos, eles contêm menos palavras. E assim cada palavra tem uma força bastante relevante, fundamental. Uma outra leitura pausada feita pelo professor Início momento as interrupções são muito bem vindas porque nós já fizemos. Olha quantos passos nós já percorremos, Nós víamos lá da leitura silenciosa, Passamos pela leitura com os voluntários em dois alta o estudo no grupo, estudo individual, estudo do grupo, a discussão com o professor sobre as palavras. E agora vamos ver de novo, sejam o quanto este texto ou estes textos já ganharam em sentido. Então essa outra leitura que é feita agora ela pode ser interrompida. Ela é causada feita pelo professor. E aí, ritmo, sonhos, imagens presentes nos poemas devem ser motivos de perguntas que a Rússia a atenção dos alunos. Porque perguntas se o professor diz? Se ele informa ele está tirando do aluno a possibilidade de descobrir aqui o professor pode induzir, almoçar sempre essa curiosidade do aluno. Então, o professor deve levar o aluno a perceber a riqueza de imagens. O professor deve procurar mostrar os recursos linguísticos utilizados pelo poeta ou pelo escritor. Se nós estivemos trabalhando como texto em prosa, então, quais foram esses recursos linguísticos? Qual é o ritmo? Melodia? Vamos perceber em biologia, Então essa tanto que faz parte que compõe aquela obra literária área. Todos os elementos devem ser levados para o aluno por meio de perguntas e depois uma grande discussão nós vamos deixar que eles descubram. Primeiro, vamos levá los a fazer suas descobertas. A seguir, o professor situa o período da história brasileira entrou em que os problemas se inserem, sejam bem até agora. Nós não falamos de nenhum estilo de época. Nós não falamos. Nós chamamos a atenção para outros escritores do mesmo período. Então esse é o momento de contextualizar dentro da literatura brasileira aqueles poetas ou aqueles escritores que estamos trabalhando na aula. Então, o professor vai apresentar o papel desempenhado, no nosso caso, o nosso tema Poesia Jovem dos anos setenta. Então o professor vai dizer vai mostrar o papel desempenhado pela poesia jovem da década de setenta no cenário literário e cultural do país, essa apresentação pode ser feita de diversas maneiras. Fechamos algumas sugestões. O panorama dos anos setenta do século vinte O professor pode desenhar uma linha de tempo, uma linha de tempo que mostra fatos históricos e dados culturais. O professor pode pedir aos alunos que colaborem, indo ao quadro escrevendo, trazendo algum desenhando, fazendo algum desenho, colaborando com o título de uma música ou até trazer para a aula recortes de artigos de revistas ou jornais que ilustrem dados políticos e culturais, como atividades complementares. Podem ser desenvolvidas pesquisas dentro de recordes variados e os temas devem ser fornecidos pelo professor. Deixar o aluno fazer uma pesquisa sem pena não é conveniente. Então, como tema, poderíamos sugerir as manifestações da poesia jovem dos anos setenta. Há muito que se pesquisar sobre esse tema e os alunos não terão dificuldades, com certeza. Um outro tema também muito interessante é a performance do poeta ator. Fechamos agora os passos sugeridos para a segunda abordagem do contexto para o texto. Quando partimos do contexto para o texto, devemos escolher imagens, frases ou textos curtos que são apresentadas para introduzir a discussão sempre por meio de perguntas. Deixamos bem essas frases, insiste textos. Elas devem conter o. Eles devem conter informações relevantes, básicas para que o professor possa chamar a atenção exatamente e apenas para os aspectos que são do interesse dele para desenvolver o texto que será apresentado mais tarde. Não é assim para mim simplesmente apresentar uma década inteira, não há