A maior rede de estudos do Brasil

metodologia_do_ensino_de_literatura_01video play button

Transcrição


condição de se fazer isso. Então, daí se dizer que são aspectos marcantes do contexto histórico em que o escritor e a obra se insere, Como hoje, estamos trabalhando com dois textos da poesia jovem dos anos setenta, vamos destacar dados sócio histórico, culturais que contribuíram para situar os alunos em relação ao período de que estamos tratando. Novos tempos, novas vitórias, surge a imagem Romanticamente moderna do poeta panfleta, de uma sociedade anônima plena. Era do sufoco e do milagre Via Embratel nos palcos, a performance do poeta ator nas ruas A Batalha do Poeta. Editor do poeta, mercador da vida do poeta à luta e o poeta Prazer dançando, Conforme sobretudo no ar, vimos que o poeta jovem dos anos setenta assumem uma posição diferente perante a poesia. Ele trabalha como ela, como não apenas àquele que a escreve, mas aquele que escreve que a produz vende e que a representa muito interessante, essa maneira de viver a poesia. Vamos agora a literatura em diálogo. Chacrinha continua, O Rio de Janeiro continua. Tem a música de Gil que ouvimos, ilustra uma possível escolha para o professor de literatura traçar um panorama da década de setenta com o objetivo de introduzir o assunto poesia jovem. Os dados apresentados através de imagens ou tópicos devem ser comentados sem muitos detalhamentos pelo professor, que tem como objetivo a partir das perguntas que ele vai fazendo motivar a participação dos alunos e levar esses alunos a um debate, um debate que vá formando, criando um painel geral da década de setenta. O professor deve ressaltar a relevância das muitas manifestações poéticas ocorridas nesse período. É importante frisar, como lembra Heloisa Buarque de Holanda, e Carlos Alberto Messeder Pereira, que a poesia produzida por esses jovens não apenas se mostra atenta aos acontecimentos do período em que ela se insere. Que essa poesia se insere, mas também essa poesia, sim, Penha e redefinir a própria maneira de pensar e viver a poesia. A poesia produzida por esses jovens ficaria conhecida como poesia marginal, porque na regional, porque está à margem, não conseguindo ocupar o centro, isto é, por se tratar de algum novo, sofre o preconceito, principalmente das editoras consagradas, que não aceitam publicar esse tipo de produção poética. Poesia marginal à margem do centro, ocupado pela poesia consagrada ou canônica, essa definição de poesia marginal que podemos e devemos apresentar aos nossos alunos por ser marginal. Isso faria com que os próprios poetas também assumissem a produção e a venda de suas obras com poucos recursos financeiros. Esses jovens poetas também ficariam conhecidos como a geração mimeógrafo por por ser esse aparelho mimeógrafo utilizado por eles para a reprodução das cópias de seus poemas. Só após mostrar a influência do contexto na literatura, o professor apresenta os poemas selecionados. Sejam então que o caminho foi inverso. Nossos primeiros passos desta aula, apresentando os primeiros poemas. Agora apresentamos o contexto e só agora podemos chegar aos poemas. Então a leitura do texto deverá seguir as mesmas orientações que sugerimos quando apresentamos a primeira abordagem do texto para o contexto apresentado. Agora o contexto, vamos as obras com a outra. O debate sobre o poema pode ser precedido por atividades em grupos de dois ou três membros, que realizam a tarefa de traçar paralelos entre o contexto estudado e os poemas, procurando destacar expressões ou versos que justifiquem suas afirmativas. Para isso, devem seguir tópicos determinados pelo professor. Esses tópicos que orientam as leis são muito importantes. Alguns exemplos a repressão política, ecologia e mitologia. A definição de marginal segundo o manifesto Obras. A partir daí, uma leitura, mas mais detalhada, com base nas observações adotadas por cada grupo de alunos, vai sendo conduzida pelo professor. Ao final, os alunos podem e devem ser incentivados a fazerem uma leitura performática dos poemas estudados. Afinal, estamos tratando de zika. Reforma se poesia dos anos setenta. Vamos passar agora para a terceira parte de nossa água. Vamos pensar juntos sobre a adequação do estudo de literatura aos níveis de ensino. Fechamos pontualmente algumas considerações relevantes que não devem ser esquecidas pelo professor de literatura. Não prepara ações aulas. É preciso lembrar que as reflexões aqui sugeridas devem ser norteadas pelo programa da disciplina ministrada. A adequação do estudo de literatura ao nível de ensino propicia a motivação, o estudo prazeroso do texto literário. Vamos às nossas reflexões, a escolha das obras literárias e o volume de leitura. As obras a serem unidas devem contribuir para que os alunos possam formar uma visão sólida e profunda do assunto estudado, que estreitando e fortalecendo a rede de seu conhecimento literário. A solidez do estudo literário desenvolvido em sala de aula não está necessariamente ligada ao volume de leitura. Não é o número elevado de obras lidas que mostrará um grande conhecimento, mas sim os estudos conduzidos com critério e bom senso, planejamento e organização. As aulas bem planejadas e organizadas contribuíram para o sucesso do estudo Texto Literário. Essas aulas bem planejadas, de acordo com que estabelecem os programas das disciplinas, em consonância também de acordo com as condições de trabalho nas escolas. Onde o professor leciona na escola de professor leciona. A disciplina é ministrada. Então, tudo deve estar adequado de acordo. Passemos agora ao quarto item de nossa aula a avaliação. Vejamos alguns lembretes importantes para o professor de literatura ou preparar suas avaliações para que elas também possam ser tomadas pelos alunos como elementos motivadores de estudo, como desafio saudável para novas descobertas. Fomos aos lembrei lembretes para avaliação. As questões devem estar voltadas para o que efetivamente foi estudado com suportes elaborados com clareza. Isto é, o professor teve de ser claro ao preparar o suporte ao dizer na questão aquilo que ele deseja que o aluno faz. Além disso, as perguntas elaboradas devem dar aos alunos a oportunidade de mostrar que estão aptos a discutir aspectos relativos às obras estudadas como argumentos bem fundamentados. Obras críticas ou teóricas que podem auxiliar o aluno na pesquisa devem ser recomendadas pelo professor. Muitas vezes, o aluno não sabe onde pesquisar o professor tem essa responsabilidade de ajudar. As páginas consultadas na internet precisam ser selecionadas com com muito critério. Os manuais de redação acadêmica também podem ser recomendados. Devem ser recomendados para orientar os alunos na organização e apresentação de trabalhos escritos para que eles fiquem bem organizados. Bem apresentados também na sala de hoje foi sobre metodologias do ensino de literatura. Destacamos possibilidades de abordagens para o texto literário a importância da adequação do estudo aos níveis de ensino que crescemos considerações sobre a avaliação Como dica de estudo para a aula de hoje, eu trago o livro Iniciação à Literatura Brasileira. O livro de José Luiz Jobim e Roberta. Se exemplos de Souza, esse livro complementa O que nós estamos aqui discutindo complementos nossos estudos Um excelente manual de literatura para os alunos pesquisaram é uma excelente ferramenta para o professor que ensina literatura dois estudos.