A maior rede de estudos do Brasil

Direitos Humanos e Cidadaniavideo play button

Transcrição


l, olha só nós temos ali a ideia de você criar direitos de cidadania e também da valorização da dignidade da pessoa. Nós temos ali a declaração da Independência dos Estados Unidos e a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Cuidado que declaração do homem dos Direitos, Declaração do homem e do Cidadão, ela não é, Não é meu, ela é de mil e novecentos e quarenta e oito e ela constitui o principal diploma de direitos humanos. Não confunda, portanto, a declaração dos direitos do homem e do cidadão com a Declaração Universal de Direitos Humanos, da qual falaremos mais adiante e daí pessoal. Vejam ainda dentro dessa progressão. Embora surja embora os direitos tenham surgidos, eles não estão em não de forma alguma. Consolidados de forma alguma. Estão consolidados. Veja, nós temos ali, depois, o reconhecimento dos direitos humanos de segunda dimensão são os direitos sociais. Olha a equipe, só os direitos econômicos e sociais. Podemos considerar que também os direitos culturais, especialmente em razão do movimento socialista. Como eu disse para vocês, deixando de lado a questão do marxismo. Deixando de lado a discussão política por trás disso, o que eu quero que você entenda para o pensamento socialista? O pensamento socialista disse o seguinte ele dizia que nós não poderíamos ter a ideia de propriedades privadas. Tudo deve estar centralizado no governo. O do governo deve abraçar toda a sociedade de todas tudo e trazer para ele. A partir daí. Nessa e perícia, Estado Gigante, ele a permitir que as pessoas trabalhassem, havia concedendo as pessoas. Direitos para todos, sempre com o objetivo de se importar para os seus direitos humanos. Essa ideia do Estado socialista a gente sabe que o socialismo não deu certo. Nós temos hoje pouquíssimos países que adotam esse modelo. Ele efetivamente não deu certo e ele em grande medida, ele possibilitou ao TAC a autocracia, ou seja, possibilitou o governo de caráter absolutista, o que não é legal. Governos de caráter autoritário, o que não é bom porque gera uma série de violações. Por conta disso, porque nós precisamos impor limite ao Estado. Mas esse pensamento socialista, essa preocupação, motivo inicial que levou a essa preocupação e do pensamento socialista é importante. É importante porque, antes, se nós estivéssemos voltados apenas para o pensamento lado dos governos capitalista, dos governos voltados para os direitos de liberdade, nós não teríamos a preocupação com o direito ao trabalho, com direito à saúde, com direito a cultura. Ou seja, são direitos de ter segunda dimensão no caso, não. Terceira afirmação, perdão que passaram a ser refletido nos passaram a ser pensados em razão desse movimento aqui. Certo. Portanto, possuem uma reflexão histórica, muito relevante, Uma reflexão. É importante que você faça essa reflexão aqui, perfeito, pessoal, ótimo, ótimo. Vamos dar sequência Então vejo. Nós estamos evoluindo. Nós estamos evoluindo, nós vimos que não se falava. Passou a se discutir. Tivemos alguns direitos de liberdade assegurados. Chegamos ali na fase da declaração da Declaração de Direitos do homem e do cidadão lá da regulação francesa. Tivemos também a Constituição dos Estados Unidos sendo criada este leite. Daí vem o movimento socialista traz mais um grupo de direitos para a nossa discussão. Ou seja, os direitos direitos humanos estão crescendo. Antes não se falava se falava um pouco. Agora já se fala mais e a equipe só é importante o seguinte, que nós temos agora, depois que esses direitos humanos e já possui um rol de direitos, um certo rol de direitos, já com grande vários direitos sendo assegurados. A ideia dos direitos humanos é o seguinte Vamos internacionalizar isso mesmo. Vamos tirar esses direitos humanos apenas apenas no aspecto interno, lá da constituída a Revolução Francesa, da Declaração de Jesus Homem ou da Constituição Americana, ou do regramento específico que cada estado tenha E vamos criar um direito que está acima de todos. É isso que nós temos aqui. E veja o pessoal, Nós temos duas grandes fases de internacionalização desses direitos. humanos a primeira fase da primeira fase É uma fase que não deu certo, mas ela é importante. A segunda fase é a que vai dar certo. Olha só a primeira fase. Marco que o surgimento de discussões relativas ao direito humanitário. Como eu sempre digo para vocês, falou em direito humanitário. Você vai pensar em guerra, falou em direito humanitário, que vai pensar em como assim professor, o direito humanitário e o exemplo mais evidente que a Cruz Vermelha. Qualquer ideia, o direito humanitário. Ele foi criado porque, quando nós tínhamos um conflito armado entre estados ou até mesmo conflito armado interno, nós vemos uma série de violações de direitos. As pessoas morriam arbitrariamente, elas eram submetidas à tortura, elas tinham suas casas destruídas, ou seja, todas aquelas barbáries que decorrem da guerra. Em razão disso, surgiu um movimento chamado Movimento da Cruz Vermelha, que se preocupava com as pessoas. Ela dizia o seguinte Eu sou apartidária, Eu não estou aqui para disputar. Não estou do lado do país, a não estou do lado do país, eu estou aqui para me preocupar com as pessoas e com as consequências maléficas que essa guerra traz. Muitas vezes a guerra é necessária. Muitas vezes excepcionalmente, a guerra é algo que acaba ocorrendo no contexto da história. Nós não poderíamos evitar, elas se colocam como algo necessário, principalmente porque governos são autoritários e aqui, pessoa importante. Não obstante essa guerra se tenha sido deflagrada, nós temos o surgimento de um grupo aqui, no caso Cruz Vermelha, que se volta a defesa desses direitos das pessoas envolvidas em guerra. Você vai entender isso mais à frente, com bastante propriedade. Além disso, nós temos aqui pessoas. É a luta contra a escravidão que envolve la, a luta contra a escravidão, que também envolve um documento internacional que foi fixado em Bruxelas, que é o ato geral da Conferência de Bruxelas, e também a regulação dos direitos trabalhistas, ou seja, a criação da OIT. Olhem só que interessante são alguns movimentos que passam a falar em direitos humanos, não apenas no âmbito do Estado, não apenas na constituição dos Estados Unidos, não apenas na declaração dos direitos do homem, do cidadão, da Revolução Francesa. Nós temos um direito humanitário que se põe em situações de guerra, identificou guerra, a Cruz Vermelha atura. Nós temos uma pretensão de você criar uma norma para evitar para elidir a escravidão. Nós temos o surgimento da Organização Internacional do Trabalho. Ou seja, a gente sai do plano interno para criar um direito humano internacionalmente, indicará ter internacional. É uma primeira pretensão que vai se consolidar quando olha só que vai se consolidar com o com perdão, com a evolução que ocorre a partir de mil e novecentos e quarenta e cinco. E aqui pessoas nós temos a chamada efetiva internacionalização dos direitos humanos. Porque a efetiva olhem. Só nós tínhamos ali as primeiras alguns primeiros acontecimentos voltados para essa proteção internacional dos direitos humanos, direito humanitário, a luta contra a escravidão e os direitos trabalhistas, conforme coloquei para vocês, mas isso pessoa não vai evitar posteriormente a deflagração. Lá da Primeira Guerra Mundial nós tivemos a Primeira Guerra Mundial e uma série de violações aos direitos humanos das pessoas. Tanto é que acabou a Primeira Guerra Mundial e você vai sentir se mais aprofundado pouco mais à frente. Mas acabou a Primeira Guerra Mundial, o que nós tivemos com o final da Primeira Guerra Mundial, nós tivemos a formação da Liga das Nações. Ou seja, a ideia de você criar um organismo internacional em criar um organismo internacional para a defesa dos direitos humanos para que nós tivéssemos a paz para que nós tivéssemos a cooperação entre os estados. Isso não foi possível aí, tanto não foi possível que houve a deflagração, Se não foi efetivo, se houver deflagração da Segunda Guerra Mundial e a Segunda Guerra Mundial foi tão pior. Ou seja, ela foi tão nefasta para os direitos humanos. Inclusive em r