A maior rede de estudos do Brasil

Segundo Reinado e Ciclo do Café | História do Brasilvideo play button

Transcrição


fala Colibris, beleza aula vinte seis Não há vinte cinco. Nós falamos um pouco sobre as alterações que aconteceram no de modo geral no século dezanove, e o Brasil no século dezanove. Como nós vimos na estar passando por uma transição, acaba o período regencial com o golpe da maioridade e Dom Pedro, segundo assume com catorze anos como imperador. Cargo assumiu liderando éé catorze anos liderando o jogo. Foi lado do Grêmio porque ele era bem mais cabeça, sempre fala para os alunos e pergunta Aos catorze anos que você faz o carro, virou imperador. Que responsa o golpe da maioridade. Vai então colocar ele no segundo reinado? Pedro Segundo segundo reinado, não tem erro. Esse segundo Renato, vai durar quarenta e nove anos, até a República se consolidar um período bem longo. Mas fora do Brasil, o que acontece todas aquelas disputas de poder? Quem já tinha no Brasil, elas vão meio que afunilar para dois partidos os partidos Liberal e o Partido Conservador. Esses dois partidos um disputar o poder, ainda mais como entra o moleque desde catorze deles, Fala nossa. Agora vamos para cima que nós assume o poder dele, que não deve saber nada de política molecão ainda. Mas não é bem assim. Não viu? Mesmo assim, a primeira eleição para compor a Câmara vai ser conhecida como eleições do cacete, porque é literalmente o carcereiro Paulo. No Brasil tem essas coisas estão nos cara sair num pau um com o outro pretano, Pedro dissolveu. A Câmara vai começar se impor na política. Os liberais diminuição de minas gerais. São Paulo se revoltaram contra Pedro e a sua forma impositiva de resolver as coisas. Mas ele estava dizendo Eu sou o Imperador. Eu vou botar ordem nessa casa e ele vai conseguir. O Brasil vai ter uma estabilidade política no segundo reinado, Beleza. Olha só o parlamentarismo às avessas, a grande forma de contemplarmos a ideia do que foi o Segundo Reinado, porque é professor, porque a ideia de parlamentarismo estava muito forte. Então, principalmente os grupos políticos que iriam parlamentarismo Porque, no parlamentarismo, Rei não, não tem poder, não é Uma figura com poder real, na verdade está ali como configura de Estado. Mas ele não é realmente quem está governando o parlamento com o primeiro ministro. Então a ideia dos caras de um Parlamento era uma ideia parlamentar parecida com a Inglaterra. Só que o Pedro, ele vai falar sem querer o Parlamento. Eu vou estruturar um parlamento. Vou estruturar o parlamentarismo e a gente onde às avessas, porque a todo o Parlamento que foi estruturado por Pedro estava ligado ao Poder Moderador que aquele poder da Constituição que seu pai usava. Lembra que a gente falou, ou seja, no final que ele mandava em tudo Câmara Ministério estava na mão de Pedro quando ele via que andar junto com o grupo um com o outro e dissolve a câmara, mudar os ministros. Ele fazia um que provocou político para fazer todo o mundo se ajeitar as coisas. Então, no final que a gente vai ver as charges do segundo reinado desse período sempre vai mostrar que os partidos estavam. Eles não tinham grande divergência política, não dois partes de elite conservador liberal e eles estavam nas mãos do imperador em mil oitocentos e quarenta e oito em Pernambuco. Os liberais vão se revoltar contra a forma de governo de Pedro segundo, mas essa foi a última revolta política do período imperial, que foi a revolução para isso. É que é isso que se inscrever aqui uma revolução para ir em Pernambuco, pois seis Anotem aí se extras que olha só então o pessoal que a gente tem. Nós temos toda uma reestruturação na política. Pedro conseguiu rapidamente organizar as coisas, organizou a casa, mostrou Quem mandava em tudo, vai pedir para o Caxias? Resolveu último atleta que foi a Farroupilha, que a gente falou lá na aula passada e o Brasil vai se encaminhando. Vale lembrar que é uma questão do Enem recentemente, que falava das barbas do imperador, porque Pedro de forma muito cedo para tentar baixar, de autoritarismo assim, de idade. Não é um cara experiente porque ele realmente assumiu muito novo método estava acontecendo. Garantirem, chegado aos trinta? Ainda olha só a expansão cafeeira lembra que eu falei que durante o Império nós exportávamos tabaco, cacau? Mas nós últimos um produto forte desde desde do do ouro e do ciclo do açúcar. Mas agora nós vamos ter uma grande economia do ciclo do café, qualquer caracteres que a gente tem que pensar nessa economia. Enquanto a Europa está se industrializando no século dezanove, o Brasil ainda está na economia primária de exportar produtos, então por produtos primários. Então a gente tem que lembrar que a gente está um pouquinho desse atraso ainda em nossa industrialização vai ser tardia. Beleza na geografia quando agentes da industrialização, vocês vêem bastante isso? Oitocentos e quarenta. O café vai ganhar espaço, muito espaço. Ele é uma planta que começou a ser implantado em mil setecentos e sessenta lá no Rio de Janeiro ficou a liga e uma forcinha. Só que depois pessoal ele vai se espalhar porque a partir de oitocentos e quarenta, Café ganhou espaço no mercado mundial com o São Carlos, Minc afeta uma café até hoje. Gosta de café em resposta à marcha, mas no geral a galera gostava de tomar café. Café começa a se popularizar como bebida e aí o Brasil vai assumir a liderança do café Café Vai espalhar, Vai ficar no Vale do Paraíba, está entre o Rio de Janeiro, São Paulo e depois vai se expandir para o interior do estado de São Paulo até chegar no extremo oeste paulista, final do estado de São Paulo, que é onde estou gravando essa aula. Hoje para vocês ao café, chegou aqui nessa região trazendo uma expansão do que São Paulo. Era tudo mato nessa época. Os povos indígenas estão aí. Isso café vai trazer esse progresso que também a gente sempre lembra que os povos eram massacrados. Esse progresso que vinha chegando, é claro que a gente vai ter as ferrovias também. Então ferrovias vão estar atreladas a esse desenvolvimento da expansão do oeste de São Paulo. E a gente vai ter uma lei de terras em oitocentos e cinquenta, porque o Estado tinha muita terra parada. Todas essas terras eram terras do Império e aí a gente vai interação por meio das terras devolutas, que elas podiam ser vendidas. Então, se quem fosse lá explorar, se falasse. Eu estou aqui já tanto tempo, quero comprar essa terra, vem uma lei de terras que vai favorecer a expansão e os grandes latifundiários ficavam nada de braçada, vão começar a comprar essas terras e vão dominar. Eles vão ganhar aquele poder regional. Lembra que eu falei que quem estava ali na na região, com muito poder a chamar de coronel? Porque os caras autorização para ter uma guarda armada e eles vão se posicionar como líderes nessas regiões. Então todo todas as cidades do interior que vão expandir nesse momento, elas vão ter essa figura do coronelismo. O coronel que é o cara que regionalmente bota banca na política, Bota banca até na questão militar. Então, o segundo reinado, um período aí para vocês verem um novo ciclo econômico surgindo, e uma estabilidade política acontecendo, a gente já volta para falar um pouquinho o que está acontecendo na nossa relação externa neste mesmo momento. E para dar mais alguns detalhes desse período da história, vamos falar agora das outra, algumas outras coisas que rolaram no segundo reinado para a gente ficar bem atento, porque são questões que tem aparecido bastante. O Enem tem dado maior modificada na prova. Questão imperial tem aparecido, Então é bom ficar atento e os celulares também. Que a gente tem que saber da mão de obra. O Brasil se manteve escravocrata durante o segundo Reinado. A escravidão continua sendo a escravidão negra e a Inglaterra vai começar a pressionar o Brasil para acabar com a escravidão. Porque, professor, os ingleses são bonzinhos. Eles pensam, não desgasta as populações negras? Não, eles não são bonzinhos. Eles não pensam no desgaste à população negra. Não penso na exploração estava acontecendo. Eles eram capitalistas. Eles estavam pensando que essa grana e a fazer girar a economia e tanto se fala você tem que parar de ter escravos para ter