A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
281 pág.
Kit Didático de Telecomunicações - Prática

Pré-visualização | Página 15 de 38

________________________________________________________________________ 
________________________________________________________________________ 
________________________________________________________________________ 
Obs.: Procedimento de Calibração Realizado na Bit9. 
Ajuste do Oscilador Local do Receptor 
23. Conecte o borne de saída (J6) do Módulo 04 – Gerador de R.F. ao borne J1 do Módulo 03 
– Rádio Ondas Médias. 
24. Estabeleça a modulação interna conectando os bornes J1 e J2 do Módulo 04 – Gerador de 
R.F. utilizando um jumper (pino banana) que acompanha os componentes do conjunto 
didático. 
25. Ajuste o máximo índice de modulação movendo o potenciômetro P2 do Módulo 04 – 
Gerador de R.F., no sentido anti-horário. 
26. Ajuste a freqüência de saída do gerador de R.F. em aproximadamente de 550 kHz. 
Posicione o capacitor variável de sintonia do Módulo 04 – Gerador de Rádio Freqüência, 
totalmente no sentido anti-horário. 
27. Com auxílio de uma chave de fenda de plástico, ajuste o núcleo da bobina osciladora 
(núcleo vermelho) de OM do Módulo 03 – Rádio Ondas Médias até obter um sinal audível 
de máxima amplitude. 
28. Posicione o capacitor variável de sintonia, do Módulo 04 – Gerador de Rádio Freqüência, 
totalmente no sentido horário.. Ajuste a freqüência do gerador de R.F. em 
aproximadamente de 1600 kHz. 
29. Com auxílio de uma chave de fenda de plástico, ajuste o capacitor trimmer do oscilador 
que se encontra em paralelo com o capacitor variável, mova o trimmer até obter o máximo 
sinal (este passo já foi previamente realizado evitando-se que seja retirado o borne do 
capacitor variável). 
82 KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 
 
 
Módulo 03 
Experiência 02 
KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 83 
 
Módulo 03 – Receptor Super-HeteródinoMódulo 03 – Receptor Super-Heteródino
 
84 KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 
 
 
84 KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 
 
Módulo 03 – Receptor Super-Heteródino 
 
MÓDULO 03 – RECEPTOR SUPER-HETERÓDINO 
Receptor de AM-DSB experimental de Ondas Médias 
Receptor Super- Heteródino 
Objetivo 
Após completar este ensaio você deverá ser capaz de: 
1. Conhecer os estágios do receptor Super-Heteródino de AM-DSB 
2. Analisar o funcionamento de um rádio receptor. 
Material Utilizado 
9 Módulo 03 – Rádio Ondas Médias 
9 Módulo 11 – Fonte de Alimentação Simétrica 
9 Módulo 17 – Amplificador de Áudio 
9 Osciloscópio de duplo traço 
Introdução 
Receptor Super Heteródino 
O receptor Super-Heteródino é um circuito que apresenta excelente seletividade e sensibilidade. 
Ele possui características de funcionamento bem diferentes do receptor de RF sintonizado ou 
super-regenerativo. Um rádio receptor super-regenerativo não apresenta boa seletividade, ou 
seja, quando sintonizamos uma estação muito próxima as outras, estas estações também são 
ouvidas, simultaneamente. 
O receptor Super-Heteródino, além de possuir boa seletividade, possui também uma excelente 
sensibilidade e fidelidade. 
Na figura 1 temos o esquema elétrico de um receptor Super-Heteródino de AM. 
KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 85 
 
Módulo 03 – Receptor Super-Heteródino
 
 
Figura 1 
O receptor Super-Heteródino é baseado na conversão de freqüência do sinal captado pela antena 
em uma freqüência mais baixa de valor constante. Este processo permite o melhoramento da 
seletividade do receptor. Alguns receptores mais sofisticados empregam dupla conversão de 
freqüência para melhorar ainda mais a seletividade. O circuito receptor Super-Heteródino possui 
um circuito oscilador que gera um sinal de radiofreqüência, responsável pela conversão do sinal 
captado pela antena. 
Este gerador de sinal de radiofreqüência chama-se Oscilador local (Q4). Conforme podemos ver 
na figura1, o sinal captado pelo circuito de antena é misturado com o sinal proveniente do 
oscilador local no circuito conversor (Q1). Na mistura dessas duas freqüências diferentes, ou seja, 
sinal da antena com a do oscilador, existe uma conversão para uma terceira freqüência 
denominada Freqüência Intermediária (FI). 
O nome Super-Heteródino é dado ao fenômeno da mistura de duas freqüências que dão origem a 
uma terceira freqüência de valor menor. 
Vejamos como se obtêm o sinal de freqüência intermediária num receptor Super-Heteródino. 
Quando mudamos a sintonia de uma estação para uma outra, o valor da freqüência intermediária 
produzida no circuito conversor permanece fixa num valor constante. O sinal da freqüência 
intermediária mantém a mesma modulação do sinal captado pela antena, embora a freqüência 
seja menor. 
A freqüência intermediária é sintonizada na etapa amplificadora de radiofreqüência (Q3, Q4), por 
um circuito ressonante que possui a banda passante estreita e melhora a seletividade do receptor. 
O sinal amplificado pela etapa de F.I. é posteriormente entregue ao circuito demodulador ou 
detector de envoltória. 
O receptor super-heteródino pode sintonizar e separar uma estação de outra com muita precisão 
no meio de uma variedade de estações em toda a extensão da faixa de radiodifusão. O método de 
86 KIT DIDÁTICO DE TELECOMUNICAÇÕES 
Módulo 03 – Receptor Super-Heteródino 
 
obtenção da freqüência intermediária através de um circuito conversor, denomina-se 
heterodinagem. 
O processo de heterodinagem foi adotado nos atuais aparelhos receptores de rádio e televisão. O 
receptor super-heteródino de AM utilizam nos seus estágios amplificadores de radiofreqüências, 
bobinas de freqüência sintonizada em 455 kHz. 
Os receptores de FM empregam bobinas de F.I. sintonizada em 10,7 MHz. 
Freqüência intermediária (F.I.) 
Suponhamos que estamos sintonizando uma estação cuja freqüência seja de 1200 kHz. Para 
obtermos a freqüência intermediária de 455 kHz, o oscilador local do receptor (Q4) deverá estar 
ajustado para gerar um sinal de radiofreqüência de 1655 kHz. 
Este sinal do oscilador local é aplicado ao circuito misturador ou conversor (Q1), que é misturado 
com o sinal de 1200 kHz, captado pelo circuito de sintonia da antena do receptor. Quando os dois 
sinais se encontram no circuito misturador, resultam em duas freqüências distintas; a soma e 
subtração de ambas as freqüências, ou seja, a soma que seria 1655 kHz + 1200 kHz = 2855 kHz 
e a subtração que seria 1655 kHz -1200 kHz = 455 kHz. 
A freqüência do oscilador local (Q4) deve ser ajustada para uma freqüência maior, correspondente 
a soma da freqüência intermediária e a freqüência do sinal sintonizado pela antena. 
Quando mudamos de uma estação para outra, a diferença produzida com o sinal do oscilador 
local deverá produzir a mesma freqüência intermediária para qualquer estação que seja 
sintonizada. 
A variação simultânea da freqüência do oscilador e do circuito de sintonia da antena é 
conseguida, através de dois capacitores variáveis conjugados num único eixo mecânico, em que 
um capacitor variável é ligado ao circuito de sintonia, e outro é ligado no circuito do oscilador local. 
Quando mudamos de uma estação para uma outra qualquer, girando o eixo do capacitor variável, 
a freqüência do oscilador local muda simultaneamente com a freqüência de sintonia. Esta dupla 
variação de freqüências é possível devido ao fato de ambos os capacitores variáveis estarem 
conjugados em paralelo mecanicamente em um mesmo eixo. 
Este tipo de conexão mecânica do capacitor variável é denominado, ligação “tanden”. Desta 
maneira, as freqüências naturais dos dois circuitos sintonizados, estarão sempre distanciadas na 
mesma freqüência intermediária, pré-ajustada durante a calibragem do receptor. 
Em geral, o sinal de F.I. após a conversão, possui intensidade demasiadamente fraca para ser 
aplicado ao circuito detector. Para aumentar o sinal de F.I., empregam-se circuitos amplificadores 
de freqüência intermediária sintonizada em