Buscar

DERRIDA-Scribble

Prévia do material em texto

DERRIDA - Scribble 
 
Writing (a linguagem) não reuslta em poder. Ela é feita de poder e dela emana poder. A 
linguagem faz isso, segundo o autor, através do “véu”. Ela joga o véu sobre sua 
verdadeira condição, e faz suas “verdades” parecerem algo dado, em que você 
simplesmente acredita. Daí surge o abuso de poder da linguagem, em que os que sofrem 
desse abuso muitas vezes nem percebem. 
É um efeito natural da linguagem, que ela queira se auto-legitimar dessa forma, mas 
esse feito é ao mesmo tempo essencial e secundário: “um acidente não-acidental”. É 
algo necessário e inevitável para a linguagem, uma necessidade, porém parasitária. 
“A arbitrariedade e o poder se unem com mais sucesso que nunca sob o véu da 
abstração.” 
Mas a maior das jogadas da linguagem é o que ele chama de “véu duplo”: este véu da 
linguagem é naturalmente desgastado, o que em teoria deveria levar à queda daquela 
linguagem, pois suas falsas verdades não resistem e o véu vai se tornando transparente. 
Mas esse desgaste não produz o fim da linguagem, mas uma demanda por “mais véu”. 
Resumo feito por Alan Mota 
IRischool 2011.2

Continue navegando