A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
26 pág.
SIMULADO ENADE 2021

Pré-visualização | Página 5 de 7

históricas acabavam perpetuando a recepção dessas ações, por parte dos indígenas, de modo único e inferiorizado.
Assinale a alternativa que apresenta um olhar diferenciado sobre a relação dos indígenas com as dinâmicas estrangeiras que lhes eram impostas.
		
	
	O trecho demonstra uma desarticulação indígena, o que resultou na incapacidade de organização de grupos de resistência.
	
	Após a entrada de escravizados africanos no Brasil, os indígenas pararam de ser escravizados e, com isso, puderam retomar seus territórios de origem e viver sem ameaças à sua cultura.
	
	O desbatismo era uma alternativa sugerida pela Igreja Católica como possibilidade de escolha por parte dos povos indígenas.
	
	A citação nos apresenta um caso exclusivo de rebeldia dos povos guarani, que foram recriminados e exterminados como exemplo para os demais indígenas.
	 
	O trecho apresenta uma das formas de resistência indígena a processos de colonização e aculturação a que eram submetidos.
		
	
	
		31
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	A descoberta de uma estátua em uma favela na região de Mataryia, em Cairo, no Egito, deixou entusiastas e arqueólogos em êxtase. Por ser no mesmo local onde se encontrava a cidade de Heliópolis, que foi governada por Ramsés II há mais de três mil anos, as chances de a obra ser uma representação do faraó eram grandes.Após uma semana de análises, no entanto, os pesquisadores estão certos de que a estátua não é de Ramsés II e sim um outro faraó menos conhecidos, Psamético I, que governou o Egito entre 664 e 610 a.C.. Isso porque a descoberta, que tem cerca de nove metros de altura e pesa sete toneladas, apesar de ter o estilo da época de Ramsés II, tem hieroglifos que dizem pertencer a Psamético I. "Não seremos categóricos, mas há grandes chances de [a estátua] ser de Psamético I", disse o ministro de antiguidades do Egito, Khaled el-Anani, à imprensa. Como o faraó em questão governou a região cerca de 600 anos depois de Ramsés II, o ministro atenta para outras hipótese: "Existe a possibilidade, ainda que pequena, que Psamético I tenha reutilizado uma estátua antiga que foi do Ramsés II".
http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2017/03/estatua-encontrada-em-favela-do-egito-nao-era-de-ramses-ii.html
 
Ramsés II foi conhecido como um dos maiores governantes do Egito, estendendo seu domínio por quase 67 anos. Quando criança, com cerca de quatorze anos de idade, participou junto de seu pai, Seth I do cerco da Líbia, já tendo sido nomeado desde os dez como seu sucessor. Das diferentes realizações, são marcantes no seu período os seguintes acontecimentos:
		
	
	A unificação do Alto e Baixo Egito em um só Estado teocrático, centrado na figura do Faraó e a invasão dos hicsos no Delta do Nilo.
	
	O estabelecimento do monoteísmo, dedicado a figura do deus Aton e a diminuição das relações comerciais com os povos do Mar Egeu.
	
	A expulsão dos Assírios por Psamético I e a derrota para os Persas na Batalha de Pelusa, com Psamético III.
	
	A construção dos Templos de Karnac e Luxor e a ampliação da política de alianças por matrimônios na fração oriental do império.
	 
	A Batalha de Kadesh na qual se reabrem os enfrentamentos com os hititas e a construção dos templos de Abu-Simbel, na região da Núbia.
		
	
	
		32
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	"Durante o século XVII, o processo de declínio demográfico entre a população nativa começou a perder forças à medida que os índios que haviam sobrevivido ao choque da conquista e à violência e às epidemias trazidas em sua esteira começaram a adquirir maior resistência e capacidade de adaptação à sua nova situação. Parte da população ou se integrou ao sistema colonial por meio de ampla mistura racial ou foi colocada sob seu jugo por intermédio de formas e escravidão ou pelo confinamento e aldeias missionárias. Todavia, a grande maioria saiu pouco a pouco das regiões apropriadas para a colonização e retirou-se para o interior, onde de modo geral, continuaram a resistir da melhor forma que podiam."
MARCÍLIO, Maria Luiza. "A população do Brasil Colonial". In: In: BETHEL, Leslie (org.). América Latina colonial Vol. II. São Paulo: EDUSP; Brasília: FUNAG, 2004.
A leitura do texto acima demonstra que as relações entre índios e colonizadores não era harmoniosa e que os processos de dominação indígena enfrentavam resistência. Neste contexto, como forma de aprisionar os indígenas que resistiam ao processo de escravização, foram organizadas as bandeiras, que eram:
		
	
	Expedições militares organizadas destinadas a adentrar regiões do interior do Brasil com o propósito de conseguir escravos indígenas.
	
	Grupos selecionados por lideranças regionais para buscar a integração entre colonizadores e colonizados, convencendo-os da importância do trabalho dentro do processo de cristianização.
	 
	Expedições permanentes presentes na costa brasileira destinada a receber novos escravizados oriundos da África.
	
	Grupos religiosos organizados para catequizar os índios resistentes ao processo de dominação portuguesa.
	
	Grupos de apoio de comunidades indígenas locais que se predispunham a buscar o diálogo com grupos resistentes.
		
	
	
		33
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	O historiador Jean Delumeau, em sua obra A Civilização do Renascimento, afirma que muitos historiadores de América Pré-Colombiana se debruçam ainda hoje sobre como foi possível, em tão breve espaço de tempo, tão poucos homens terem rapidamente dizimado impérios tão fortes, como os Incas, Maias e Astecas. A Vitória espanhola pode ser vista de vários ângulos mas, para o autor, um fator foi determinante: "certos grupos viram na chegada dos espanhóis uma oportunidade para libertar-se de uma dominação opressiva". DELUMEAU, J. A Civilização do Renascimento Vol 1. Lisboa: Estampa, 1984. 
Diante do exposto podemos afirmar que:
		
	
	os espanhóis conseguiram formar alianças com todas as sociedades indígenas 
	
	a vitória se deu devido à superioridade bélica dos espanhóis. 
	
	a falta de religiosidade cristã, aliada à falta de material bélico, tornou esses impérios vulneráveis à conquista.
	
	os espanhóis rapidamente conquistaram os territórios Maias, Incas e Astecas devido ao fato de estarem em maior número. 
	 
	a vitória se deu pelo fato de muitos índios terem se aliado aos espanhóis devido à opressão no trabalho e às altas taxas tributárias impostas pelos imperadores. 
		
	
	
		34
           Questão
	Acerto: 0,1  / 0,1   
	A África é grandiosa, tanto em termos geográficos, como em diversidade cultural, pois são muitos países que a compõe. Com isso, suas populações possuem particularidades e costumes diferentes, o que se reflete na arte e na arquitetura produzida. Ainda assim, existem algumas características que se mantém nas manifestações artísticas desses povos. A arte africana representa os usos e costumes das tribos africanas. O objeto de arte é funcional e expressa muita sensibilidade.
Considerando as manifestações atísticas dos povos africanos, analise as afirmativas a seguir e assinale a correta.
		
	
	Normalmente, as construções eram feitas pelos homens da comunidade. Depois de prontas, as mulheres ficavam responsáveis pela decoração, fazendo pinturas coloridas e mosaicos nas paredes externas. O principal material utilizado era o concreto armado, para a construção das habitações vernaculares.
	 
	A arquitetura africana é bastante diversa e distinta, assim como a cultura dos vários povos desse continente. No geral, a arquitetura africana se caracteriza por utilizar uma ampla variedade de materiais, como a madeira, a lama, a palha, os tijolos de barro e as pedras, entre outros.
	
	Nas pinturas, assim como nas esculturas, a presença da figura humana identifica a preocupação com os valores étnicos, morais e religiosos. Para as culturas africanas, o homem é o centro do universo e, com isso, todas as manifestações artísticas representam a figura humana, sem nenhum tipo de relação mística

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.