A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
62 pág.
Introdução à Engenharia de Segurança contra Incêndios e Pânico

Pré-visualização | Página 1 de 17

SUMÁRIO 
 
UNIDADE 1 – INTRODUÇÃO ..................................................................................... 2 
UNIDADE 2 – FUNDAMENTOS DA ENGENHARIA DE PREVENÇÃO DE 
INCÊNDIOS ................................................................................................................ 4 
2.1 A ÁREA DE SEGURANÇA DE COMBATE A INCÊNDIO (SCI) E A FORMAÇÃO DO 
PROFISSIONAL NO BRASIL ........................................................................................... 5 
2.2 PRINCÍPIOS E FUNDAMENTOS DA ENGENHARIA DE COMBATE A INCÊNDIOS E PÂNICO .... 8 
2.3 ESTATÍSTICAS DOS INCÊNDIOS ............................................................................. 17 
2.4 OS GRANDES INCÊNDIOS E SUAS “LIÇÕES” ............................................................ 18 
UNIDADE 3 – OS INCÊNDIOS ................................................................................. 26 
3.1 O TRIÂNGULO DO FOGO ....................................................................................... 27 
3.2 CAUSAS DOS INCÊNDIOS ..................................................................................... 30 
3.3 A CLASSIFICAÇÃO DE INCÊNDIOS E DOS MATERIAIS ................................................ 31 
3.4 EQUAÇÕES DAS FASES DO INCÊNDIO .................................................................... 37 
UNIDADE 4 – A FUMAÇA NOS INCÊNDIOS .......................................................... 43 
4.1 A VISIBILIDADE NO AMBIENTE ENFUMAÇADO .......................................................... 43 
4.2 A TOXICIDADE .................................................................................................... 45 
4.3 O PROCESSO DE CONTROLE DA FUMAÇA ............................................................... 48 
UNIDADE 5 – MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO .......................... 52 
5.1 MEDIDAS PASSIVAS ............................................................................................. 53 
5.2 MEDIDAS ATIVAS................................................................................................. 55 
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 58 
 
 
Todos os direitos são reservados ao Grupo Prominas, de acordo com a convenção internacional de 
direitos autorais. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida ou utilizada, seja por meios 
eletrônicos ou mecânicos, inclusive fotocópias ou gravações, ou, por sistemas de armazenagem e 
recuperação de dados – sem o consentimento por escrito do Grupo Prominas. 
 
2 
UNIDADE 1 – INTRODUÇÃO 
 
Vamos começar nosso curso e módulo com uma palavra básica e essencial: 
o fogo! Definido no dicionário Aurélio como produto da combustão de matérias 
inflamáveis, mas também com o sentido figurado de ardor, paixão, entusiasmo, 
energia, excitação. Do latim “focu”, substantivo masculino, podemos interpretar a 
palavra fogo de várias maneiras, nos interessando, é claro, nesse momento, a sua 
capacidade de causar danos pessoais e 
patrimoniais ao ser humano. 
Acreditamos ser de conhecimento de 
todos que a descoberta do fogo pelo homem 
foi uma das condições essenciais para que 
ele sobrevivesse e evoluísse ao longo dos 
milênios, entretanto, numa via de mão dupla, 
o fogo é um dos nossos principais inimigos 
em situações adversas. 
Sabemos também que quando se 
trata de coletividade (mas não somente nesta condição, é claro!), a segurança contra 
incêndios é um dos primeiros pontos a se considerar nos projetos de edificações. 
Afinal de contas, o velho ditado cai muito bem: “antes prevenir do que remediar”! 
Partindo dessas premissas, o projeto de uma edificação pode ser 
considerado o primeiro passo para reduzir o risco de incêndio, pois nele já se pode 
antecipar e, evidentemente, contribuir para a redução das cargas de incêndio e de 
fumaça, tanto considerando sua estrutura, seus elementos de vedação e materiais 
de acabamento, quanto considerando seu conteúdo. 
O objetivo primário da segurança contra incêndio nas edificações é proteger 
a vida humana. Mas a proteção ao patrimônio, de objetivo secundário, também vem 
sendo requerida em edificações comerciais, uma vez que os danos estruturais 
resultantes do sinistro podem levar à paralisação das atividades econômicas e afetar 
a imagem das empresas, onerando significativamente seus proprietários (COSTA, 
2008). 
 
Todos os direitos são reservados ao Grupo Prominas, de acordo com a convenção internacional de 
direitos autorais. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida ou utilizada, seja por meios 
eletrônicos ou mecânicos, inclusive fotocópias ou gravações, ou, por sistemas de armazenagem e 
recuperação de dados – sem o consentimento por escrito do Grupo Prominas. 
 
3 
A redução do risco de incêndio em uma edificação, pela limitação da carga 
de incêndio, ocorre de duas formas: 
- primeiro, pelo controle da quantidade de material disponível para a 
combustão – carga de incêndio propriamente dita; 
- segundo, pela redução da quantidade de fumaça produzida, o que depende 
das características específicas do material – carga de fumaça. 
Pois bem, neste módulo veremos os princípios e fundamentos da 
Engenharia de segurança contra incêndio e pânico, conceitos básicos, estatísticas e 
casos de incêndios que, além de terem chocado por sua extensão, trouxeram novos 
conhecimentos que possibilitaram inovações em termos de segurança. Também 
daremos algumas pinceladas nos elementos que fazem parte do triângulo do fogo, 
as medidas de segurança que são classificadas em ativas e passivas, certa ênfase 
será dada para a questão da fumaça e das equações das fases do incêndio. 
Ressaltamos em primeiro lugar que embora a escrita acadêmica tenha como 
premissa ser científica, baseada em normas e padrões da academia, fugiremos um 
pouco às regras para nos aproximarmos de vocês e para que os temas abordados 
cheguem de maneira clara e objetiva, mas não menos científicos. Em segundo lugar, 
deixamos claro que este módulo é uma compilação das ideias de vários autores, 
incluindo aqueles que consideramos clássicos, não se tratando, portanto, de uma 
redação original e tendo em vista o caráter didático da obra, não serão expressas 
opiniões pessoais. 
Ao final do módulo, além da lista de referências básicas, encontram-se 
outras que foram ora utilizadas, ora somente consultadas, mas que, de todo modo, 
podem servir para sanar lacunas que por ventura venham a surgir ao longo dos 
estudos. 
 
Todos os direitos são reservados ao Grupo Prominas, de acordo com a convenção internacional de 
direitos autorais. Nenhuma parte deste material pode ser reproduzida ou utilizada, seja por meios 
eletrônicos ou mecânicos, inclusive fotocópias ou gravações, ou, por sistemas de armazenagem e 
recuperação de dados – sem o consentimento por escrito do Grupo Prominas. 
 
4 
UNIDADE 2 – FUNDAMENTOS DA ENGENHARIA DE 
PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS 
 
Além de Campos e Conceição (2006), temos vários outros autores que 
convergem na definição para a engenharia de proteção (ou segurança) contra 
incêndios como sendo o campo da engenharia que trabalha na salvaguarda da vida 
e do patrimônio, bem como na atenuação de eventuais perdas devidas ao fogo e 
explosões e outros danos decorrentes do sinistro. Os objetivos fundamentais da 
segurança contra incêndio e pânico são minimizar o risco à vida e a perda 
patrimonial. 
A atividade de segurança contra incêndio e pânico relaciona diversos atores 
sociais: usuários, órgãos públicos de fiscalização, seguradoras, empresas 
fabricantes de equipamentos de segurança, empresas de instalação e de 
manutenção, profissionais de projeto e construtoras, além de entidades e 
laboratórios de pesquisa. 
As medidas de proteção contra incêndio e pânico podem ser englobadas em 
duas categorias: medidas de proteção passiva e medidas de proteção ativa, as quais 
veremos em uma unidade específica,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.