A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
145 pág.
Apostila IBGE 2022 - Recenseador

Pré-visualização | Página 3 de 50

Textuais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3 Domínio Da Ortografia Oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
4 Domínio Dos Mecanismos De Coesão Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
4.1 Emprego De Elementos De Referenciação, Substituição E Repetição, De Conectores E De Outros Elementos De Sequen-
ciação Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
4.2 Emprego De Tempos E Modos Verbais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
5 Domínio Da Estrutura Morfossintática Do Período . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.1 Emprego Das Classes De Palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.2 Relações De Coordenação Entre Orações E Entre Termos Da Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.3 Relações De Subordinação Entre Orações E Entre Termos Da Oração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.4 Emprego Dos Sinais De Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.5 Concordância Verbal E Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.6 Regência Verbal E Nominal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.7 Emprego Do Sinal Indicativo De Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
5.8 Colocação Dos Pronomes Átonos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
6 Reescrita De Frases E Parágrafos Do Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.1 Significação Das Palavras . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.2 Substituição De Palavras Ou De Trechos De Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.3 Reorganização Da Estrutura De Orações E De Períodos Do Texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
6.4 Reescrita De Textos De Diferentes Gêneros E Níveis De Formalidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
7 Correspondência Oficial (Conforme Manual De Redação Da Presidência Da República) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.1 Aspectos Gerais Da Redação Oficial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.2 Finalidade Dos Expedientes Oficiais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.3 Adequação Da Linguagem Ao Tipo De Documento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
7.4 Adequação Do Formato Do Texto Ao Gênero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1
LÍNGUA PORTUGUESA
1 COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE
TEXTOS DE GÊNEROS VARIADOS. 
LEITURA, COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
Leitura
A leitura é prática de interação social de linguagem. A leitura, 
como prática social, exige um leitor crítico que seja capaz de mo-
bilizar seus conhecimentos prévios, quer linguísticos e textuais, 
quer de mundo, para preencher os vazios do texto, construindo 
novos significados. Esse leitor parte do já sabido/conhecido, mas, 
superando esse limite, incorpora, de forma reflexiva, novos signi-
ficados a seu universo de conhecimento para melhor entender a 
realidade em que vive.
Compreensão
A compreensão de um texto é a análise e decodificação do 
que está realmente escrito nele, das frases e ideias ali presentes. 
A compreensão de texto significa decodificá-lo para entender o 
que foi dito. É a análise objetiva e a assimilação das palavras e 
ideias presentes no texto .
Para ler e entender um texto é necessário obter dois níveis de 
leitura: informativa e de reconhecimento.
Um texto para ser compreendido deve apresentar ideias se-
letas e organizadas, através dos parágrafos que é composto pela 
ideia central, argumentação/desenvolvimento e a conclusão do 
texto . 
Quando se diz que uma pessoa tem a compreensão de algo, 
significa que é dotada do perfeito domínio intelectual sobre o as-
sunto .
Para que haja a compreensão de algo, como um texto, por 
exemplo, é necessária a sua interpretação. Para isso, o indivíduo 
deve ser capaz de desvendar o significado das construções tex-
tuais, com o intuito de compreender o sentido do contexto de uma 
frase.
Assim, quando não há uma correta interpretação da mensa-
gem, consequentemente não há a correta compreensão da mesma.
Interpretação
Interpretar é a ação ou efeito que estabelece uma relação de 
percepção da mensagem que se quer transmitir, seja ela simultâ-
nea ou consecutiva, entre duas pessoas ou entidades.
A importância dada às questões de interpretação de textos de-
ve-se ao caráter interdisciplinar, o que equivale dizer que a compe-
tência