A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
19 pág.
Versão Impressa - Língua e Linguagem - Aula 01

Pré-visualização | Página 3 de 3

com o 
meio, o destinatário, a 
mensagem e a utilização 
eficiente do código 
Preocupação com as 
dimensões afetivas e 
sociais 
 
 
 
MÓDULO 3 
OBJETiVO: Identificar implicações de diferentes concepções de 
linguagem no uso do português 
 
AS CONCEPÇÕES DE LiNGUAGEM 
E SUAS iMPLiCAÇÕES NO USO DO PORTUGUÊS 
No módulo anterior, tratamos dos diversos tipos de linguagem. Para perceber como 
estas linguagens possuem um aspecto prático no uso cotidiano do idioma, 
passamos a perceber como a concepção da linguagem como interação pode nos 
auxiliar nesta construção. 
Se a linguagem é interação, então, o que ouvimos pode afetar muito nossa vida e 
nosso humor. O que falamos também provoca efeitos e reações no outro. 
Veja o que diz a linguista Ingedore Villaça Koch em seu livro A interação pela 
linguagem sobre esse aspecto: 
 
DURANTE SÉCULOS, A LiNGUAGEM FOi CONSiDERADA UM 
iNSTRUMENTO PASSiVO DE COMUNiCAÇÃO, QUE PERMiTiA AO 
SER HUMANO APENAS DESCREVER O QUE PERCEBiA, SENTiA OU 
PENSAVA. HOJE SE RECONHECE QUE, AO FALAR, O iNDiVÍDUO 
NÃO SÓ DESCREVE O QUE OBSERVA, MAS ATUA NO MUNDO E 
FAZ COM QUE CERTAS COiSAS ACONTEÇAM. POR MEiO DA 
LiNGUAGEM, ELE TAMBÉM PODE MODiFiCAR SUAS RELAÇÕES 
COM OS DEMAiS E DESENVOLVER SUA PRÓPRiA iDENTiDADE. 
[...] 
É PRECiSO PENSAR A LiNGUAGEM HUMANA COMO LUGAR DE 
iNTERAÇÃO, DE CONSTiTUiÇÃO DAS iDENTiDADES, DE 
REPRESENTAÇÃO DE PAPÉiS, DE NEGOCiAÇÃO DE SENTiDOS, 
POR PALAVRAS, É PRECiSO ENCARAR A LiNGUAGEM NÃO 
APENAS COMO REPRESENTAÇÃO DO MUNDO E DO 
PENSAMENTO OU COMO iNSTRUMENTO DE COMUNiCAÇÃO, 
MAS SiM, ACiMA DE TUDO, COMO FORMA DE iNTERAÇÃO 
SOCiAL. 
(KOCH, 2003) 
 
QUAL É A iMPLiCAÇÃO DiSSO NO USO DA LÍNGUA 
PORTUGUESA? 
Quando entendemos que a linguagem é mais do que expressão ou espelho do 
pensamento, que vai além de ser veículo de comunicação, devemos considerar 
nossas intenções na produção dos textos e o impacto naqueles que vão ouvir ou 
ler nossas palavras. Também devemos dar atenção ao contexto em que a 
mensagem é produzida e às possíveis situações em que será recebida. 
 
Se a linguagem é interação, pois produz reações e resultados, alguns elementos 
podem ser desejáveis no seu uso: 
 
Veja mais um exemplo: 
No meio de uma discussão, alguém diz o seguinte para outra pessoa: “Sua opinião 
está completamente errada e só vai piorar as coisas”. 
Se o autor dessa fala, além de expressar o que pensa e de comunicar sua 
mensagem, estiver preocupado com as reações que pode produzir, poderia refazer 
sua afirmação. Uma opção seria: Sua opinião provavelmente está equivocada e 
pode trazer alguns problemas. Ou ainda: Tenho dificuldade de concordar com sua 
opinião porque ela não parece ajudar a melhorar as coisas. 
Caso o objetivo seja advertir ou chamar a atenção de alguém que recorrentemente 
deixa de seguir alguma norma ou ordem de seu superior, as palavras serão mais 
assertivas e o tom de voz mais firme, já que objetivo da mensagem ou o resultado 
que se deseja produzir na outra pessoa é uma mudança de atitude e 
comportamento. 
CLAREZA E PRECiSÃO 
NO QUE QUEREMOS 
COMUNiCAR
CORTESiA, OU SEJA, 
POLiDEZ E TOM 
CORDiAL NA 
LiNGUAGEM
ABERTURA AO 
DiÁLOGO
SUSTENTAÇÃO DE UM 
POSiCiONAMENTO 
SEM DESMERECER A 
OPiNiÃO DO OUTRO
USO DE RECURSOS 
PERSUASiVOS
 
SE QUEREMOS MANTER O DiÁLOGO E CONSTRUiR PONTES, 
DEVEMOS CUiDAR DA MANEiRA COMO FALAMOS, ESCOLHENDO AS 
PALAVRAS E O TOM MAiS APROPRiADO. 
Por isso, ao estudar sobre a linguagem é preciso compreender que não basta 
escrever e falar com correção gramatical, coerência, coesão e clareza. Além dessas 
qualidades importantes, nosso texto escrito ou oral deve promover o diálogo, a 
interação e as condições para mantermos relações civilizadas. É interessante 
lembrar, por exemplo, que há concursos ou exames em que o candidato pode ser 
desclassificado ao escrever de forma desrespeitosa aos direitos humanos ou 
usando linguagem antissocial e inadequada. 
 
CONSiDERAÇÕES FiNAiS 
Para que tenhamos uma experiência enriquecedora e proveitosa com a Língua 
Portuguesa na expressão do nosso pensamento, nas situações de comunicação e 
nas interações com as pessoas, precisamos conhecer a língua e aproveitar os 
recursos que ela nos oferece. Aqui, você pôde vivenciar parte desse conhecimento. 
Use o que você aprendeu para novas experiências com a Língua Portuguesa. 
 
 
AUTOR 
Luís Cláudio Dallier Saldanha 
 
REFERÊNCiAS 
DA SILVA. Filosofia da linguagem (1) - Da Torre de Babel a Chomsky. Disponível 
em: https://educacao.uol.com.br/disciplinas/filosofia/filosofia-da-linguagem-1-
da-torre-de-babel-a-chomsky.htm. Acesso em: 08 dez. 2019. 
KOCH, Ingedore. V. A interação pela linguagem. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2003. 
ORLANDI, Eni P. O que é Linguística. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2009. 
PALOMO, Sandra M. S. Linguagem e linguagens. In: Eccos Revista Científica. São 
Paulo, UNINOVE, vol. 3, nº 2, dez. 2001. 
PETTER, Margarida. Linguagem, língua, Linguística. In: FIORIN, José L. (org.). 
Introdução à Linguística I. São Paulo: Contexto, 2003. 
TRAVAGLIA, Luiz C. Gramática e interação: uma proposta para o ensino de 
gramática. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2003. 
TRIGUEIRO, Osvaldo. O estudo científico da comunicação: avanços teóricos e 
metodológicos ensejados pela escola latino-americana. Pensamento 
Comunicacional Latino Americano, v. 2, n. 2, jan.–mar., 2001. 
VANOYE, F. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 
São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.