Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
Fisiologia do Sistema Endócrino

Pré-visualização | Página 1 de 2

FISIOLOGIA DO SISTEMA ENDÓCRINO
● INTRODUÇÃO
Sistema nervoso e sistema endócrino - dupla dinâmica e afinada:
Os dois sistemas agem de maneira integrada. Garantem a homeostasia do organismo tornando-o operacional
para se relacionar com o meio ambiente.
O sistema endócrino promove o controle do corpo através da síntese e secreção de hormônios, os quais são
substâncias químicas que induzem no corpo alterações mais duradouras.
Componentes do sistema endócrino:
Glândula endócrina → hormônio (pg - ug/mL) → célula alvo específica.
+ Os hormônios são secretados em quantidades muito pequenas no nosso corpo, variando de pico a
microgramas. Isso mostra a capacidade que o organismo tem de otimizar - fazer muito com o mínimo.
Funções gerais do sistema endócrino:
- Reprodução, crescimento, desenvolvimento e envelhecimento;
- Manutenção da homeostase (regulação da PA, da osmolaridade, da concentração dos diversos íons…);
- Coordenação da resposta ao estresse;
- Produção, armazenamento e utilização dos metabólitos energéticos.
● HORMÔNIOS
Classificação funcional:
Podem exercer seus efeitos localmente ou de maneira mais geral.
Efeito local (hormônio liberado no interstício)
Sinalização parácrina = hormônios agem nas células vizinhas; como exemplo temos a somatostatina no
pâncreas regulando a secreção de insulina e glucagon nas demais células da ilhota.
Sinalização autócrina = hormônios agem nas próprias células que o secretaram, promovendo uma ação
regulatória sobre a própria secreção do hormônio.
Efeitos gerais (hormônio liberado no sangue)
Efeito endócrino = hormônio vai para a circulação e atinge um tecido alvo distante daquele que o sintetizou;
aldosterona, por exemplo.
Efeito neurócrino = hormônio é produzido por um neurônio (neuro hormônio) e secretado na circulação para
atingir um tecido distante; ADH, por exemplo.
Classificação química:
Hormônios derivados do aminoácido tirosina
- Hormônios produzidos pela tireóide (T3/T4);
- Catecolaminas (hormônios produzidos pela medula da adrenal).
Hormônios peptídicos/protéicos
São produzidos pelas células (ribossomos dos RER) em uma forma grande - prepro-hormônio. Depois são
convertidos em pró-hormônios, que serão empacotados pelo aparelho de Golgi, permanecendo
armazenados nas células dentro de vesículas.
Um estímulo é necessário para a liberação desses hormônios. A entrada de cálcio nas células vai determinar a
fusão dessas vesículas à membrana das células, liberando o hormônio por exocitose.
- Hipotálamo;
- Neurohipófise;
- Adenohipófise;
- Pancreáticos;
- Paratireóide.
Hormônios esteróides
São hormônios sintetizados a partir do colesterol por várias tecidos do corpo -
- Córtex da adrenal = aldosterona, cortisol e androgênios;
- Testículos = testosterona;
- Ovários/Placenta = estrogênio e progesterona;
- Pele = vitamina D.
● NATUREZA QUÍMICA
A natureza química do hormônio determina vários fatores importantes, como -
- Estocagem;
- Transporte no sangue = livre na sua forma biologicamente ativa ou ligado (deve se desligar para
exercer sua função);
- Meia vida = hormônios livres são removidos mais facilmente da circulação, ou seja, menor tempo de
meia vida; os que circulam ligados à proteínas tem um tempo de meia vida maior;
- Mecanismo de ação na célula.
Características dos hormônios hidrossolúveis:
Compreendem os hormônios protéicos/peptídicos e catecolaminas -
- Circulam livres no plasma;
- Tempo de meia vida curta;
- Mecanismo de ação por receptores de membrana;
- Estocados em vesículas → a liberação depende de estímulo;
- Degradados no TGI → forma de administração preferencial é injetável ou através das mucosas.
Características dos hormônios lipossolúveis:
São os hormônios esteróides -
- Transportados ligados a proteínas plasmáticas;
- Meia vida mais longa;
- Mecanismo de ação por receptor intracelular, uma vez que atravessam a membrana das células;
- Não são armazenados dentro de vesículas (sintetizados e liberados conforme a necessidade); a
regulação se dá na via de síntese e não na liberação do hormônio pré-formado;
- Ativos quando ingeridos → administração por via oral.
Características das iodotironinas:
São os hormônios T3 e T4 -
- Transportados ligados a proteínas plasmáticas;
- Meia-vida mais longa (1-6 dias);
- Mecanismo de ação por receptor nuclear;
- Armazenados dentro do colóide folicular como parte da Tireoglobulina (uma grande molécula);
- Ativos quando ingeridos → administração por via oral.
Transporte dos hormônios no sangue:
A maioria dos hormônios é hidrossolúvel sendo transportados em sua forma livre no plasma e atuando em
receptores de membrana.
● MECANISMO DE AÇÃO HORMONAL
O segundo mensageiro mais comum é o AMPc.
No caso dos esteróides, o seu receptor pode estar no citoplasma da célula, no citoplasma do núcleo ou ligado ao
DNA nuclear.
Mecanismo de ação dos hormônios hidrossolúveis:
É imprescindível a formação de um segundo mensageiro para que o hormônio hidrossolúvel exerça seu efeito na
célula alvo.
Exemplos de segundo mensageiro cAMP -
Sistema de segundo mensageiro dos fosfolipídeos da membrana celular - IP3 / DAG / Cálcio -
Ativação do receptor → ativação da proteína G→ ativação da PLC→ degradação de fosfolipídios de membrana
→ formação de DAG (indução da ativação da proteína C, que atua como segundo mensageiro) e IP3 (induz
abertura de canais de cálcio no RE da célula).
Exemplos -
- ANG II (m. liso vascular);
- Catecolaminas (alfa-AR);
- GnRH;
- GHRH;
- Ocitocina;
- TRH;
- Vasopressina (m. liso vascular, V1-R).
Receptores hormonais ligados a enzimas -
Ativação do receptor (tirosina-quinase) pela insulina → receptor fosforila e ativa seus substratos (IRS =
Insulin-Receptor Substrates) → ativação de vias de segundos mensageiros → alteração da síntese proteica
(maior ou menor produção de enzimas) com alteração no metabolismo celular + modificação no transporte de
membrana.
Mecanismo de ação dos hormônios esteróides:
Podem se acoplar a receptores presentes no citoplasma da célula, que migram para o núcleo e se ligam a
segmentos específicos do DNA (elemento de resposta). Quando isso ocorre haverá um estímulo ou inibição da
transcrição gênica.
A aldosterona, por exemplo, se liga ao seu receptor plasmático e migra para o núcleo, ativando o elemento de
resposta que aumenta a expressão gênica dos canais de sódio e potássio e das bombas de sódio/potássio nos
túbulos renais.
Uma outra opção é o hormônio se ligar no seu receptor que já está no interior do núcleo ou no receptor que já
está acoplado ao elemento de resposta.
Panorama das respostas dos hormônios ligados aos seus receptores:
● ESTÍMULOS QUE REGULAM A LIBERAÇÃO HORMONAL
HUMORAL
Refere-se às moléculas presentes no sangue que podem estimular diretamente a liberação de alguns hormônios.
Exemplo = concentração de cálcio na regulação do PTH
NEURONAL
É o sistema nervoso induzindo a glândula a secretar um hormônio.
Secreção de adrenalina e NOR; hipotálamo regulando a secreção pela hipófise.
HORMONAL
Hormônio regulando a secreção de outro hormônio.
Hipófise secretando um hormônio que atua estimulando a secreção de hormônio por outra glândula.
● REGULAÇÃO DA CONCENTRAÇÃO PLASMÁTICA HORMONAL
Feedback é um conjunto de respostas organizadas pelo organismo frente a uma determinada alteração.
Feedback/retroalimentação negativo:
O conjunto de respostas ocorre no sentido contrário à alteração inicial. É homeostático (retoma o desequilíbrio
aos níveis fisiológicos), sendo, portanto, o mais comum no organismo. Como exemplo temos a secreção do
cortisol -
Feedback/retroalimentação positivo:
Cria um ciclo vicioso, pois o conjunto de respostas age de maneira a acentuar ainda mais a alteração no
parâmetro já alterado. Além disso, quanto mais o parâmetro aumenta, mais o feedback positivo trabalha e assim
por diante. É bem menos comum no organismo. Como exemplo temos a secreção da ocitocina durante o trabalho
de parto -
+ Ativação dos mecanorreceptores por estiramento na saída do colo uterino.
● PRINCIPAIS GLÂNDULAS DO CORPO
Hipófise - pequena
Página12