FACÓ, Rui. Cangaceiros e Fanaticos
228 pág.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e Fanaticos


DisciplinaHistória e Historiografia548 materiais4.423 seguidores
Pré-visualização50 páginas
lotes, verdadeiros restos das antigas capitanias, onde algumas 
dúzias de enfatuados baxás moviam ainda há pouco o azorra-
gue nos agregados. Estes são uma espécie de boêmios sem 
domicílio certo, pois que ao menor capricho do senhor das ter-
ras, têm de por os trastes às costas e mudar-se; uma grande co-
ta de seus produtos é para os fazendeiros e senhores de enge-
nho [... ] Assim, pois, não temos a pequena lavoura organiza-
da. A grande, rotineira e pervertida, é uma extorsão cruel feita 
aos proletários rurais. Latifundia perdidere Italiam, disse Plí-
nio; as fazendas e os engenhos estão perdendo o Brasil, é o 
brado que sai, com razão, de todos os lados"
13
. 
Atente-se bem para as últimas palavras de Sílvjo Romero, 
que datam de 1888: reconhecimento generalizado, à época, de 
que a grande propriedade semifeudal estava arruinando o País. 
Então, não é estranhável que, conforme relata André Re-
bouças, em seu Diário, seis meses antes da queda do Império, 
convidado para ocupar uma pasta ministerial, o Visconde de 
Taunay impusesse, entre outras condições, ao Imperador, a 
decretação do "imposto territorial, parcelamento das terras, 
pequena propriedade"
14
. 
É claro que não iria para o Ministério... 
O problema continuou a existir, insolúvel. 
O Império cairia meio ano depois e a República não se 
atreveria a reformar o status da propriedade territorial. Ao 
contrário, quando se impõe a mobilização da maior parte do 
Exército brasileiro para esmagar um foco insurrecional de po-
bres do campo, em Canudos, os chefes republicanos não vaci-
 
13
 História da literatura brasileira, t. I, Rio, 1888 pags. 115-116 
14
 André Rebouças, Diário, pág. 337, nota. 
24 
lam um só instante. São implacáveis: mandam varrê-lo da face 
da terra. 
Mas, pergunta-se, por que havendo uma tão forte corrente 
de opinião em favor da renovação da estrutura agrária, esta 
não se efetuou? 
Entre outros motivos, porque aquele setor da intelectuali-
dade que se batia por uma medida que considerava comple-
mentar da Abolição da Escravatura traduzia interesses apenas 
da parcela mais radical da burguesia brasileira da época. E es-
tes interesses ainda estavam longe de identificar-se com os in-
teresses mais gerais do povo. Quem tinha em suas mãos a mo-
la mestra da economia nacional eram os latifundiários, pois 
éramos sobretudo um País exportador de alguns produtos 
agropecuários, uma grande fazenda. A burguesia tentava ga-
nhar terreno, mas ainda era reduzida em número e em força 
econômica. A burguesia comercial das grandes cidades, em 
parte constituída de elementos estrangeiros, não se encontrava 
identificada com os interesses nacionais. A burguesia industri-
al, bastante débil, baseada quase exclusivamente nas indústrias 
têxtil e alimentares. Teria interesse em ver ampliar-se o mer-
cado interno para a sua produção, o que só seria possível em 
larga escala e de maneira mais rápida mediante a reforma da 
estrutura agrária; mas não tinha forças suficientes para impô-
la. 
Havia, ainda, outro motivo ponderável, e que não estava 
em plano secundário: latifúndio e burguesia se ligavam inti-
mamente através de seus domínios territoriais. As iniciativas 
de caráter industrial partiam, quase sempre, dos grandes lati-
fundiários do café, cultura que oferecia os capitais excedentes 
para tais empreendimentos
15
. 
Além disso, a opinião pública formada no País, a mais 
sensível às idéias daqueles intelectuais que se constituíam em 
ideólogos dos anseios mais avançados da parte radical da bur-
guesia, era a pequena burguesia das principais cidades: Rio, 
São Paulo, Recife. Ela poderia ter sido força motriz daquelas 
exigências. Mas não chegava sequer a ser comovida por elas. 
 
15
 Ver Roberto Simonsen, A indústria em face da economia nacional, São 
Paulo, 1937. 
25 
O problema discutia-se em livros, em poucos periódicos, em 
conversas particulares com o Imperador... O povo alheou-se 
dele. Quando veio a Campanha de Canudos, em 1896, esta 
mesma opinião pública foi confundida e mistifiçada por uma 
propaganda solerte que apresentava a luta como destinada a 
salvar a República... 
Eliminado o principal foco insurrecional de pobres do 
campo até hoje surgido no Nordeste, o latifúndio foi mantido 
intato, com todo o seu atraso e suas ignomínias. 
Nas zonas rurais do Sul, o capital ia penetrando de qual-
quer forma na agricultura: através do trabalho assalariado (fa-
tor reforçado desde a década de 60 do século XIX com a im-
portação de colonos europeus) nas grandes fazendas, ou com o 
emprego de implementos agrícolas. Toma impulso, por isso 
mesmo, a economia mercantil. 
Não acontece o mesmo no Nordeste. As "soluções" aí são 
diferentes. Quando a crise chega ao auge num setor vital da 
economia nordestina, aquele ligado ao mercado externo e sem 
o qual ela não poderia sobreviver dentro da sua estrutura, re-
nova-se tecnicamente esse setor, mas de forma que sua base 
essencial se mantém e o homem continua um semi-servo. As 
relações de produção pré-capitalistas são zelosamente conser-
vadas nas usinas de açúcar, que as herdaram dos decadentes 
engenhos. A renovação técnica resolve temporariamente a si-
tuação da cúpula do latifúndio semifeudal nordestino, quer di-
zer, preserva-a, mas, nas condições dadas, agrava a situação 
das massas sem terra
16
. 
 
 
 
16
 Para maiores detalhes no que se refere às sesmarias no Nordeste, ver Fra-
gmon C. Borges, in Estudos sociais, n.° 1-4, Rio, 1958. 
26 
 
 
 
2 
 
 
 
 
A Emigração em Massa 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
QUE MODIFICA, ENTÃO, ESTE PANO- 
rama, que se particularizava pela imobilidade, uma vez que es-
ta foi finalmente quebrada e as populações interioranas se mo-
vimentaram, entrando em choque aberto com o latifúndio? 
Embora pareça paradoxal, a ruptura da estagnação se ini-
cia com o êxodo em massa de emigrantes nordestinos, ini-
cialmente para a Amazônia, mais tarde para São Paulo. É o fe-
nômeno mais progressista que ocorre nos sertões do Nordeste 
nesse período. 
A emigração em larga escala se inicia com a grande seca 
de 1877 a 1879, a qual deixou memória em toda a região, até 
os dias de hoje. Três anos seguidos sem chuvas, sem semeadu-
ras, sem colheitas, os rebanhos morrendo, os homens fugindo 
para não morrer. É verdade que em secas anteriores haviam-se 
registrado já emigrações além das fronteiras da província que 
era a principal vítima das faltas de chuvas, o Ceará. João Brí-
27 
gido afirma que, na seca de 1792, emigrações houve das fron-
teiras do Ceará para as terras úmidas do Piauí, e que o êxodo 
dos sertanejos adquiriu maiores proporções em 1825, esten-
dendo-se até o Pará. Reconhece, porém, que só se torna inten-
sa \u2014 "intensíssima" \u2014 depois de 18771. 
Agora, atraía o emigrante o surto da borracha na Ama 
zônia. E, aberto o caminho, a emigração não cessa mais até o 
fim dessa aventura econômica. Estima-se que, num só ano, em 
1878, a população deslocada do interior do Ceará totalizou 
120 000 pessoas, quando a população total da província era de 
pouco mais de 800 000 habitantes. Os deslocados \u2014 em geral, 
vaqueiros, moradores, pequenos proprietários \u2014 em parte 
conseguem embarcar para fora do Estado (cerca de 55 000 
pessoas), em parte morrem de fome e enfermidades nos su-
búrbios de Fortaleza ou nos caminhos dos sertões (somente 
nos subúrbios de Fortaleza cerca de 57 000 pessoas). Os es-
cravos são vendidos em grande número pelos seus senhores 
para os mercados do Sul. Dez anos depois repete-se a tragédia. 
No mesmo ano da Abolição da Escravatura em escala nacional 
(1888), embora ela já houvesse ocorrido no Ceará quatro