A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
AIDPI

Pré-visualização | Página 1 de 1

Anne Karolyne Morato – P3 
 
Doenças Prevalentes
 
AIDPI: 
Objetivo: 
→ Estratégia de Atenção Integrada às Doenças Prevalentes na Infância. 
→ Diminuir a morbidade e a mortalidade de crianças entre 2 meses e 5 anos. 
→ NÃO pretende estabelecer o diagnostico especifico de uma determinada doença. 
→ Identificar sinais clínicos que permitam a avaliação e a classificação adequada do quadro. 
→ Triagem rápida para: 
 Encaminhamento urgente a um hospital. 
 Tratamento ambulatorial. 
 Orientação para cuidados e vigilância no domicilio. 
 
Sinais Gerais de Perigo: 
→ A criança não consegue beber nem mamar no peito; 
→ A criança vomita tudo o que ingere; 
→ A criança teve convulsões ou movimentos anormais (< 72 horas); 
→ A criança está letárgica ou inconsciente; 
→ A criança apresenta tempo de enchimento capilar (.> 2 segundos); 
→ A criança apresenta batimento de asa de nariz e/ou gemência. 
 
OBS: 
Uma criança que apresente qualquer sinal geral de perigo necessita ser urgentemente assistida: 
completar imediatamente a avaliação, administrar o tratamento indicado prévio à referencia e 
referir urgentemente ao hospital. 
 
Avaliar e Classificar: 
→ Tosse ou dificuldade de respirar; 
→ Sibilância; 
→ Diarreia; 
→ Febre; 
→ Problema de ouvido; 
→ Dor de garganta; 
→ Estado nutricional e palidez palmar.
Habilidades clínicas 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Tosse ou dificuldade para respirar: 
O que perguntar? 
→ Há quanto tempo? 
→ A criança tem sibilância? 
 
Se a resposta for SIM: 
→ Observar/determinar: 
1. Contar a FR em 1 minuto. 
2. Se há tiragem subcostal. 
3. Se há estridor ou sibilância. 
 
OBS: A CRIANÇA DEVE ESTAR TRANQUILA! 
 
Idade Definição de respiração rápida 
2 – 12 meses 50 ou +/minuto 
1 – 5 anos 40 ou +/minuto 
 
 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Sibilância: 
O que perguntar? 
→ Há quanto tempo? 
→ Primeira crise? 
→ Está em uso de broncodilatador adequadamente há 24 horas? 
 
Se a resposta for SIM: 
→ Observar/determinar: 
1. Nível de consciência da criança. 
2. Se há sibilância. 
3. Se há estridor em repouso. 
4. Grau de dificuldade para respirar: tiragem subcostal/universal. 
5. FR em minuto. 
6. Se possível, a saturação de O². 
OBS: A CRIANÇA DEVE ESTAR TRANQUILA! 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Diarreia: 
O que perguntar? 
→ Há quando tempo? 
→ Há sangue nas fezes? 
 
Se a resposta for SIM: 
→ Observar/determinar: 
1. A condição geral da criança. 
a. Letárgica ou inconsciente? 
b. Inquieta ou irritada? 
2. Se os olhos estão fundos. 
3. Oferecer líquidos a criança. 
a. Não consegue beber ou bebe muito mal? 
b. Bebe avidamente, com sede? 
4. Sinal da prega: a pele volta ao estado anterior. 
a. Muito lentamente (+ de 2 segundos?) 
b. Lentamente (entre 1 e 2 segundos?) 
 
 
 
ATENÇÃO: 
• TODAS AS CRIANÇAS COM 
DIARREIA SÃO CLASSIFICADAS 
QUANTO AO SEU ESTADO DE 
HIDRATAÇÃO. 
• CASO A CRIANÇA TENHA TIDO 
DIARREIA POR 14 DIAS OU MAIS, 
CLASSIFIQUE COMO DIARREIA 
PERSISTENTE. 
• CASO A CRIANÇA APRESENTE 
SANGUE NAS FEZES, CLASSIFIQUE 
COMO DISENTERIA. 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
 
 
 
Manejo da criança com diarreia: 
 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Febre: 
Avaliar a febre: 
→ A criança tem o sinal principal (febre) se: 
 Tem uma história de febre; 
 Está quente ao toque; 
 Tem a temperatura axilar de 37,5ºC ou mais. 
 
OBS: TODO PACIENTE COM DOENÇA FALCIFORME QUE APRESENTE FEBRE 
DEVE SER REFERIDO PARA UNIDADE HOSPITALAR. 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Problema de ouvido: 
O que perguntar? 
→ A criança está com algum problema de ouvido? 
→ Há secreção no ouvido? 
 Se sim, há quanto tempo? 
OBSERVAR SE HÁ SECREÇÃO PURULENTA NO OUVIDO 
PALPE E OBSERVE PARA DETERMINAR SE HÁ TUMEFAÇÃO E/OU VERMELHIDÃO 
DOLOROSA ATRAS DO OUVIDO. 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Dor de garganta: 
Avaliar a dor de garganta: 
→ Se há sinais gerais de perigo; 
→ Presença de gânglios cervicais; 
→ Alteração ao exame da orofaringe. 
 
 
 
 
 
 
 
Anne Karolyne Morato – P3 
 
Estado nutricional e palidez palmar: 
Avaliar e classificar: 
→ A criança pode sofrer emagrecimento acentuado (marasmo); 
→ A criança pode desenvolver edema (kwashiokor); 
→ Pode estar associado edema com emagrecimento acentuado (kwashiokor-marasmático). 
 
Observar: 
→ Se há emagrecimento acentuado visível; 
→ Existe atrofia muscular nos ombros, braços, nádegas e pernas; 
→ É possível ver facilmente o contorno das costelas; 
→ O quadril parece pequeno se comparado ao tórax e ao abdome; 
→ Há escassez de gorduras nas nádegas, com a criança de perfil; 
→ Presença de palidez palmar; 
→ Verificar crescimento.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.