A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Sistema de condução- xilema e floema

Pré-visualização | Página 1 de 1

SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL | Ana Flávia Medeiros
SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL 
 Constituído por xilema e floema- feixes vasculares 
 Sistema vascular: movimento de substâncias no corpo vegetal. 
 Xilema: chamado também de lenho ou hadroma; leva água e íons minerais 
 Floema: chamado também de líber ou leptona; leva substâncias orgânicas geradas 
pela fotossíntese 
 
 
 Sistema vascular foi importante para conquista do ambiente terrestre- condução 
em longas distâncias 
 Tecidos complexos: vários tipos celulares nos tecidos de xilema e floema 
 Ajudam na sustentação vegetal 
 Sistema de condução tem 2 origens: 
 Procâmbio= sistema vascular primário, deriva do embrião 
 Câmbio vascular= sistema vascular 2° 
 Xilema 
 Sistema que conduz água e sais minerais 
 Xilema é o tecido responsável pelo transporte de água e solutos à longa distância, 
armazenamento de nutrientes e suporte mecânico 
 
SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL | Ana Flávia Medeiros
 Os xilemas primário e secundário são tecidos complexos formados por elementos 
condutores, células parenquimáticas e fibras, além de outros tipos celulares. 
 Porém, no xilema primário esses tipos celulares organizam-se apenas no sistema 
axial e são derivados do procâmbio; 
 já no xilema secundário, estão organizados nos sistemas axial e radial e são 
originados pelo câmbio 
 
 Tipos de células: 
 Elementos traqueais- traqueídes e elementos de vaso. 
 Traqueídes são imperfuradas, enquanto os elementos de vaso são dotados de placas 
de perfuração. As traqueídes são típicas das gimnospermas, sendo encontradas 
também entre as famílias primitivas das angiospermas. 
 Os elementos de vaso são característicos das angiospermas e das ordens mais 
evoluídas de gimnospermas. Também ocorrem em fileiras longitudinais e se 
comunicam através das placas de perfuração, constituindo os vasos. 
 Tem parede secundaria lignificada e seu conteúdo protoplasmático; transporte de 
água e sais minerais a longas distâncias; possui pontoações para comunicação 
(depressões formadas pela menor quantidade de celulose). 
 
 
SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL | Ana Flávia Medeiros
1. Traqueídes: presente em vegetais mais primitivos (gimnospermas); células longas, 
diâmetro reduzido, tem pontoações pares, não tem placa de perfuração na parede 
terminal (é imperfurada). A seiva atravessa as pontoações e sai pelos poros 
2. Elementos de vaso: angiospermas; a dissolução da parede forma perfurações e o 
espessamento desigual forma padrões; A dissolução da parede terminal pode ser 
total, dando origem à placa de perfuração simples, ou parcial, constituindo as placas 
de perfuração foraminada, reticulada, escalariforme, mista e radiada; células com 
placas perfuradas, tipos de célula: 
Simples Grande perfuração central 
Escalariforme Várias perfurações ovais 
Reticulada Perfurações regulares com aspecto de rede 
Foraminada Várias perfurações circulares 
 
Os elementos de vaso também tem diferentes formas e espessura de parede: 
Anelado Deposição da parede em forma de anéis 
Espiralado Paredes formam padrões em espiral 
Escalariforme Deposição forma padrão alinhado 
Reticulado Deposição de forma irregular 
Pontoado Paredes formam regiões arredondadas ou 
ovais onde não há deposição 
 
 Células de parênquima. Parênquima xilemático- células com espessamento primário 
e parede delgada; pode armazenar amido, óleos, taninos e cristais. Forma tilas (tilos 
ou tilose) que são expansões das células do parênquima para o interior do lume de 
elementos traqueais, serve de defesa quando o vaso está inativo ou danificado 
 Células de esclerênquima (fibras)- sustentação. Fibras xilemáticas- células alongadas 
e fusiformes (extremidade afilada), paredes mais espessa (dando rigidez e 
 
SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL | Ana Flávia Medeiros
flexibilidade), variação na forma, tamanho e espessamento da parede. Fibras 
liberiformes (pontoações simples) e fibrotraqueídeos (pontoações areoladas) 
 Classificação do xilema quanto a origem: 
 Xilema Primário: originado do procâmbio. Dividido em protoxilema (amadurecimento 
precoce, sujeito a tensões, menor diâmetro) e metaxilema (após parar o 
crescimento, tem amadurecimento tardio, não fica sujeito a tensões, maior 
diâmetro) 
 Xilema secundário: originado do câmbio; crescimento em espessura (madeira), 
derivado da atividade do câmbio 
 Importância econômica madeira: matéria prima para construção, celulose, móveis, 
utensílios, combustível. Tem anéis de crescimento- atividade periódica do câmbio, 
em clima temperado para no frio e deixa marca 
 Lenho de gimnosperma: mais simples, macio, traqueídes e raios, com canais 
resiníferos 
 Fatores ambientais que afetam xilema 2°: seca, inundação, poluição, altitude, latitude 
 Condução da água: é possível por causa das propriedades da água- polaridade, 
coesão, calor específico, solvente 
 Floema: 
 Função: transporta produtos da fotossíntese: água, sais, hormônios, sacarose, íons, 
vitaminas, lipídeos, etc. geralmente é externo ao xilema em raiz e caule e na porção 
inferior da nervura foliar 
 Tipos de célula do floema: 
Elementos crivados Células crivadas e elementos de tubo 
crivado. Áreas crivadas nas paredes, 
protoplasto vivo, desaparecimento do 
tonoplasto e ribossomos, degeneração do 
núcleo. Células crivadas- longas, menos 
especializadas, paredes terminais obliquas. 
Elemento de tubo crivado- células curtas, 
placas crivadas 
Células de parênquima Células companheiras, albuminosas e 
comuns. Células companheiras- mesma 
origem do elemento de tubo crivado, 
conexões citoplasmática (plasmodesmos) 
como os elementos de tubo crivado 
anucleados, citoplasma denso e com núcleo 
. células do parênquima comum: menos 
especializadas, pode ter amido, tanino e 
cristais 
Células de esclerênquima Fibras e esclereídeos. Fibras floemáticas: 
sustentação, paredes mais grossas 
(transversal) e alongadas e fusiformes 
(longitudinal), lignificadas ou não. 
Esclereídeo- sustentação, associados a fibra 
 
SISTEMA DE CONDUÇÃO VEGETAL | Ana Flávia Medeiros
ou isolados, esclereficação de células do 
parênquima 
Canais resiníferos e laticíferos 
 Divisão do floema quanto a origem: 
 Floema primário: atividade do procâmbio. Dividido em protofloema (elementos 
crivados se formam rápido, tubo crivado estreito com calose) e metafloema 
(elementos crivados diferenciam-se mais tarde, tubos crivados maiores e largos, 
células companheiras regulares. Porção condutora 
 Floema secundário: atividade do câmbio; quantidade depende da espécie e idade; 
menor quantidade que o xilema secundário; tem estruturas secretoras- idioblastos, 
canais secretores e laticíferos 
 Feixes vasculares: 
 feixes radiais- xilema e floema alternados 
 feixes concêntricos: um dos tecidos envolve o outro 
 feixes colaterais: um dos tecidos oposto ao outro

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.