Buscar

Primeira geração do romantismo em Portugal

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 3, do total de 40 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 6, do total de 40 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes
Você viu 9, do total de 40 páginas

Faça como milhares de estudantes: teste grátis o Passei Direto

Esse e outros conteúdos desbloqueados

16 milhões de materiais de várias disciplinas

Impressão de materiais

Agora você pode testar o

Passei Direto grátis

Você também pode ser Premium ajudando estudantes

Prévia do material em texto

DESCRIÇÃO
Contexto, processo construtivo e características do Romantismo em Portugal a partir de sua primeira geração.
PROPÓSITO
Compreender o contexto, os conceitos e a produção literária da primeira geração do Romantismo em Portugal para ampliar os
estudos literários e a competência leitora.
PREPARAÇÃO
Tenha em mãos um dicionário de literatura para compreender o vocabulário específico da área. Na internet você acessa
gratuitamente o E-Dicionário de Termos Literários, de Carlos Ceia, e o Dicionário de Cultura Básica, de Salvatore D’Onofrio.
OBJETIVOS
MÓDULO 1
Reconhecer o contexto histórico e filosófico do Romantismo
MÓDULO 2
Identificar características da obra de Garrett e Herculano
INTRODUÇÃO
O Romantismo foi um importante movimento que surgiu na Europa no final do século XIII e se estendeu pelo século XIX. Não se
limitando à literatura ou mesmo às artes, o Romantismo foi também um movimento filosófico e político.
Na literatura, o período ou vertente romântica deu à civilização humana obras que tanto na prosa e na poesia quanto na dramaturgia
marcaram profundamente gerações de leitores.
Em Portugal, o Romantismo também foi relevante, podendo seus autores e sua produção literária serem divididas em primeira
geração, segunda geração e terceira geração.
Estudaremos agora os principais autores e obras da Primeira Geração do Romantismo em Portugal. Para isso, vamos conhecer seu
contexto histórico e filosófico, além de conhecer a obra de Almeida Garrett e de Alexandre Herculano.
MÓDULO 1
 Reconhecer o contexto histórico e filosófico do Romantismo
CONTEXTO HISTÓRICO E POLÍTICO
Há vários aspectos históricos e políticos que podemos identificar no contexto do surgimento do Romantismo em Portugal. Vamos
abordá-los de forma muito sucinta nos apoiando em Carlos Alberto Vechi (1994).
DE JOÃO VI A MARIA II
Imagem: Albert Jakob Frans Gregorius/Wikimedia Commons, Domínio Público (à esquerda) e John Simpson/ Wikimedia Commons,
Domínio Público (à direita).
 João VI e Maria II.
O período histórico em que surgem os primeiros traços do Romantismo em Portugal ficou conhecido como “Anarquia espontânea”. É
um período que vai de 1777 até 1834, começando com o reinado de D. Maria I e findando com o término da Guerra Civil.
No ano de 1792, D. João tornou-se príncipe regente. Sua mãe, Maria I, havia enlouquecido.
O começo do reinado de D. João VI coincidiu com as guerras entre Inglaterra e França na primeira metade do século XIX.
Pressionado tanto pelos ingleses quanto pelos exércitos de Napoleão, D. João VI fugiu com a família real para o Brasil. Portugal
ficou à mercê da guerra entre a França e a Inglaterra.
GUERRA CIVIL
A Guerra Civil em Portugal, que compreende o período de 1832 a 1834, também é conhecida como Guerra Miguelista ou
Guerra dos Dois Irmãos, em referência a D. Miguel e D. Pedro I (IV de Portugal). Também ficou conhecida como Guerra dos
Liberais, já que foi uma guerra entre liberais (partidários de D. Pedro I) e absolutistas (partidários de D. Miguel, os miguelistas).
SEM REI E ENFRAQUECIDO POR CONSTANTES GUERRAS, PORTUGAL SÓ
PRINCIPIOU SUA RECONSTRUÇÃO EM 1810.
javascript:void(0)
Imagem: Empresa Municipal de Multimeios Ltda. MultiRio
 A cidade do Porto sediou uma grande mobilização contrária à Monarquia absoluta.
A tutela inglesa era cada vez mais contestada em Portugal. Um movimento nacionalista, apoiado nos ideais revolucionários do
Iluminismo francês, fez eclodir a malograda Revolução do Porto, liderada pelo general português Gomes Freire (1757-1817). A
revolução foi rapidamente sufocada por comandantes ingleses.
Os confrontos ideológicos ganharam, sobretudo a partir de 1820, uma feição mais nítida. Dois lados se debatiam:
Os miguelistas defensores das pretensões absolutistas de D. Miguel.

Os liberais adeptos de D. Pedro I do Brasil, que prometia um governo constitucional para o país.
Muitas lutas foram travadas, e o confronto entre essas duas tendências só terminou em 1834 quando Maria II, filha de D. Pedro I do
Brasil, subiu ao trono português.
CIVILIZAÇÃO LIBERAL E SUAS IDEIAS
Imagem: Eugène Delacroix/Wikimedia Commons, Domínio Público
 Liberdade liderando o povo, por Eugène Delacroix, entre outubro de 1830 e dezembro 1830.
Vejamos, agora, alguns aspectos do ideário liberal europeu do século XIX que influenciaram o Romantismo em Portugal. Para isso,
vamos nos valer da análise que encontramos em José-Augusto França (1999).
Desde 1820, grandes mudanças ideológicas surgiram em Portugal. Os ideais de liberdade, igualdade e fraternidade provenientes do
contexto da Revolução Francesa (1789) prometiam outra época: a vitória da civilização sobre os abusos góticos.
Desejando caminhar junto com as ditas nações civilizadas, uma parte de Portugal buscou o estabelecimento das liberdades e a
promoção e divulgação da instrução pública.
Em 1834, com o triunfo dos liberais em Portugal, várias tentativas de criação de academias de belas-artes e de conservatórios
tiveram início. A ideia era contribuir para a civilização e o aperfeiçoamento moral do país.
O político liberal Passos Manuel (1801-1862), denominado de “bom ditador” e participante da Revolta Setembrista, conseguiu a
reforma do ensino primário e secundário. Ele também criou conservatórios, escolas politécnicas e museus (FRANÇA, 1999).
Imagem: Autor Desconhecido/ Wikimedia Commons/Domínio Público.*
 Manuel da Silva Passos, o principal líder da Revolta Setembrista.
REVOLTA SETEMBRISTA
A revolta de uma parcela da população de Lisboa e o posicionamento da Guarda Nacional favorável à reposição da
constituição de 1822 dão origem à Revolução de Setembro de 1836.
A CIVILIZAÇÃO. ESTA IDEIA, OU PELO MENOS ESTA PALAVRA-CHAVE
CRIADA PELO ILUMINISMO, VAI SER MUITAS VEZES EMPREGADA PELOS
NOVOS PORTUGUESES QUE A REVOLUÇÃO INSPIRAVA. A SUA AVENTURA,
VISTA EM 1830, ERA BEM A VITÓRIA DA CIVILIZAÇÃO SOBRE OS ABUSOS
GÓTICOS. TAL ERA A FIM DA LIBERDADE QUE DEVIA OPOR-SE AOS TRÊS
javascript:void(0)
MALDITOS DO GOVERNO ABSOLUTISTA: IGNORÂNCIA, INFIDELIDADE E
INQUISIÇÃO.
(FRANÇA, 1999, p. 69)
Na primeira metade do século XIX, parte dos grandes empecilhos para o desenvolvimento das luzes (Iluminismo) em Portugal
foram os seguidores de D. Miguel – os miguelistas, adeptos do absolutismo, cheios de preconceitos mentais e fiéis aos esquemas
da Idade Média.
Ainda em 1841, o escritor e poeta Alexandre Herculano (1810-1877) denunciava a permanência dessa “intelectualidade” de púlpito,
própria de monarquias absolutistas que se opunham às necessidades de uma nova civilização.
O poeta e dramaturgo Almeida Garrett (1799-1854) também se destacou nas suas críticas ao absolutismo monárquico. Embora
fosse um simpatizante dos ideais democráticos das classes médias, no seu romance histórico, O Arco de Sant’Ana, chegou a
defender a legitimidade do socialismo contra as ações do sistema feudal, que ainda estava impregnado na cultura portuguesa.
Na visão do historiador e político Oliveira Martins (1845-1894), conforme nos relata José-Augusto França (1999, p. 72 e 76), há
alguns elementos que distinguem os dois escritores portugueses:
Imagem: Peazapata/Wikimedia Commons, CC BY-SA 4.0.
HERCULANO
Era um idealista sem recusar a tradição. Desse modo, era popular e também aristocrático. Foi partidário de um governo forte e justo.
Sendo discípulo de Kant, tinha uma formação mais sólida do que a de Garrett.

Imagem: Pedro Augusto Guglielmi/Wikimedia Commons, Domínio Público.
GARRETT
Ocupava uma posição confusa, que pode ser caracterizada como religiosa, romântica e liberal.
 RESUMINDO
Vimos que, com a ascensão de D. Maria II ao trono português e com o final da guerra civil, o estado liberal se consolidou em
Portugal, mas paradoxalmente manteve acordos diplomáticos com o conservadorismo miguelista e com as camadas mais
retrógadas da Igreja.
A ideologia sebastianista já não cabia em uma sociedade que precisava abrir-se ao futuro, mesmo assim, no século XIX, a
civilização das luzes não triunfou totalmenteem Portugal.
SEBASTIANISTA
O sebastianismo, ou mito sebástico ou, ainda, mito do encoberto, foi uma crença messiânica e mística presente em Portugal
após a segunda metade do séc. XVI, espalhada a partir do desaparecimento de D. Sebastião. A crença supunha que o Rei
retornaria para restaurar a autonomia e a glória portuguesa em contraposição ao período filipino de dominação espanhola. O
sebastianismo continuou existindo em Portugal como ideologia ou mito de restauração de uma identidade perdida e, ao
mesmo tempo, em vias de ser conquistada.
CONTEXTO FILOSÓFICO
Gerd Bornheim (1993) afirma que o Romantismo alemão foi o único que se articulou conscientemente como uma posição que
garantia à Filosofia um papel de destaque singular no panorama romântico.
javascript:void(0)
SÉCULO DAS LUZES
Imagem: Benoît Louis Prévost/Wikimedia Commons, Domínio Público.
 Frontispício da Encyclopédie, gravura de Benoît Louis Prévost, 1772.
O Aufklärung (Esclarecimento) , termo alemão para designar o Iluminismo ou Século das Luzes, foi a fase menos germânica da
cultura alemã, de acordo com o filósofo alemão Immanuel Kant (1724-1804).
A Alemanha dessa época vivia à sombra francesa. A corte de Frederico, o Grande (1712-1786) era um reflexo da corte francesa
frequentada pelo escritor francês Voltaire (1694-1778). Um dos maiores filósofos da Alemanha, Leibniz (1646-1716), escreveu toda
a sua obra em francês. Ou ainda Gottsched (1700-1766), o grande escritor e dramaturgo alemão, inspirou toda a sua obra no crítico
e poeta francês Boileau (1636-1711) e nos clássicos franceses, contra o teatro popular da época (BORNHEIM, 1993).
Além da relação cultural e filosófica em que vemos a Alemanha influenciada pela França, vale também observarmos a relação entre
a vida cultural alemã e a italiana para percebermos o quanto a Alemanha viveu dois séculos isolada da cultura latina:
Foto: Stock.adobe.com
 Lutero e a Reforma Protestante.
Quando na Itália floresceu a Renascença, na Alemanha processou-se a Reforma Protestante.
Foto: Stock.adobe.com
 Lutero e a Reforma Protestante.
Na cultura do Sul, latina, a ordem era voltada para a Natureza; a cultura do Norte se voltou para o sobrenatural.
Foto: Stock.adobe.com
 Lutero e a Reforma Protestante.
Os italianos buscaram inspiração nos clássicos antigos; os alemães se concentravam na fé e na vida religiosa. As concessões que
Lutero fez à cultura, fundação de escolas, estudo de línguas antigas etc. encontravam justificativa na Bíblia e na vida religiosa. O
homem era educado para atender a seu Beruf (Profissão, vocação, chamado divino) e aprender a submeter-se às ordens de Deus.
STURM UND DRANG
O Sturm und Drang, que significa tempestade e ímpeto, foi um movimento do Pré-Romantismo que se rebelou contra o Classicismo
francês e visava a despertar o interesse pelos valores germânicos.
ROMANTISMO ALEMÃO
Foi no Romantismo que a Alemanha atingiu a sua máxima maturidade cultural. Vejamos, brevemente, os momentos essenciais do
Romantismo na Alemanha.
Vale iniciar com o curto ensaio de Kant intitulado O que é a Aufklärung?, no qual o filósofo procurou definir o chamado Século das
Luzes. Nesse trabalho, Kant fala da emancipação do homem em relação à sua menoridade, não valoriza necessariamente o
aspecto nacional das culturas, privilegia o racionalismo como busca da autonomia e maioridade humana.
Imagem: Becker/Wikimedia Commons, Domínio Público.
 Immanuel Kant.
Desde o filósofo francês René Descartes (1596-1650), a partir da res cogitans (Coisa pensante) , a razão seria o ponto arquimédico
para uma existência soberanamente livre.
Para Kant, Deus, o homem, a religião e o entendimento só podiam ser considerados válidos dentro dos limites da pura razão.
Dois aspectos, ainda dentro do Iluminismo, precisamos destacar:
Imagem: Frans Hals/Wikimedia Commons, Domínio Público.
 René Descartes.
O ideal de Descartes de mathesis universalis (Matemática universal) , um modelo de conhecimento verdadeiro e rigoroso, por meio
do qual o mundo é apresentado através de um more geometrico (Método geométrico) .
Imagem: Jacques-Antoine Dassier/Wikimedia Commons, Domínio Público.
 Montesquieu.
A codificação racional das ciências jurídicas por meio do filósofo francês Montesquieu (1689-1755), no Espírito das Leis.
Podemos afirmar que o Romantismo veio na contracorrente desses ideais iluministas. Nesse sentido, destaquemos o romance Os
Sofrimentos do jovem Werther, do escritor alemão Goethe (1749-1832). No livro, o romancista alemão traz uma nova perspectiva: “o
sentimento é tudo”. Na contramão de Descartes e Kant, Goethe vai nos dizer que o gênio não pode ser explicado por nenhuma
combinação de faculdades cognitivas.
REAÇÃO AO SÉCULO DAS LUZES
O tema pré-romântico do Sturm und Drang considera o gênio como o valor máximo. O gênio é o Kraftmensch (Literalmente, homem
forte.) , o homem habitado pelas forças da natureza e apto a manifestar todas as possibilidades. Ele traz consigo o infinito da
pulsação cósmica que o anima, esse ideal antecipa o “super-homem” de Nietzsche (BORNHEIM, 1993).
É inegável que o grande percursor do Romantismo era francês – o filósofo e escritor Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) –,
embora tivesse um espírito mais nórdico do que latino. Rousseau traz um novo sentido para a interioridade que o difere de
Descartes, em vez do cogito racional, a interioridade para ele é a do sentimento, considerado superior à razão.
Imagem: Maurice Quentin de La Tour/Wikimedia Commons, Domínio Público
 Jean-Jacques Rousseau.
A obra mais eminentemente romântica de Goethe foi Fausto. Para Goethe, o idealismo clássico é somente um ideal. O Romantismo
é a fatalidade nórdica.
FILOSOFIA DE FICHTE
A partir do livro Teoria da Ciência, escrito por Johann Gottlieb Fichte (1762-1814), os irmãos Schlegel lançaram as ideias básicas
do movimento romântico.
IRMÃOS SCHLEGEL
O poeta, crítico e filólogo alemão August Wilhelm Schlegel (1767-1845) e o filósofo, poeta e crítico literário Friedrich Schlegel
(1772-1829).
javascript:void(0)
Imagem: Franz Gareis/Wikimedia Commons, Domínio Público (à esquerda) e Adolf Hohneck/Wikimedia Commons, Domínio Público
(à direita).
 Friedrich Schlegel e August Wilhelm Schlegel.
Para além das dicotomias kantianas (sensibilidade e entendimento, ciência e moral etc.), os irmãos Schlegel fizeram do real sensível
o objeto da ciência.
Talvez o mais romântico tenha sido o próprio Fichte, que pretendia a compreensão de toda a realidade por uma dialética interna do
Eu. Para ele, a fonte de todas as representações era inconsciente, a consciência é secundária. Sendo assim, o Eu é uma força
produtiva e criadora (BORNHEIM, 1993).
Não seria um exagero dizer que o romantismo de Fichte antecipa certos aspectos do pensamento psicanalítico.
Imagem: Autor Desconhecido/ Wikimedia Commons/Domínio Público/1920.*
 Johann Gottlieb Fichte.
FICHTE E O GRUPO ROMÂNTICO
Em 1793, o movimento romântico tomou forma com os irmãos Schlegel e outros nomes importantes do movimento romântico
alemão, como Novalis, Tieck, Schleiermacher e Schelling. Todos partem do livro Teoria da Ciência de Fichte.
UM DOS PONTOS PRINCIPAIS DO ROMANTISMO FOI A IDEIA DE UM
ABSOLUTO INTERIOR NA FINITUDE DA ALMA (BORNHEIM, 1993).
A FILOSOFIA DE SCHELLING
O filósofo alemão Friedrich Schelling (1775-1854), conhecedor profundo das obras de Kant, Spinoza e Goethe, desejava encontrar
um princípio incondicionado que explicasse toda a realidade.
Essa pretensão romântica de Schelling será posteriormente contestada pelo filósofo alemão Hegel (1770-1831), que se voltará para
uma vigorosa teoria do sujeito.
Imagem: Joseph Karl Stieler /Wikimedia Commons, Domínio Público
 Friedrich Wilhelm Joseph von Schelling.
Entre os aspectos do Romantismo, devemos destacar: a ideia de inconsciente, a noção de vida como mola impulsionadora da
natureza e o conceito de artista-gênio que intui diretamente as coisas (BORNHEIM, 1993).
ROMANTISMO E RELIGIÃO
Há pontos de contato entrea Weltanschauung (Visão de mundo) romântica e o Classicismo iluminista, pois ambos pretendiam o
aperfeiçoamento humano e reconheciam o papel educador das artes.
Por outro lado, havia uma atmosfera vagamente religiosa no Romantismo, talvez originária no sobrenaturalismo de Lutero, que
afirmava a natureza como fonte do mal e pecado.
O poeta alemão Novalis (1772-1801) chegou a propor uma religião do Romantismo. Ele falava de um estado teocrático no qual os
valores políticos dominariam os espirituais; essa Igreja teria um novo messias. Entretanto, Schelling repudiava todas as ideias
religiosas de Novalis, de Tieck e dos irmãos Schlegel.
OS FILÓSOFOS ROMÂNTICOS ERAM, ASSIM, VISIONÁRIOS QUE
BUSCAVAM UMA EXPLICAÇÃO TOTAL. COM ISSO, ELES SE APROXIMAVAM
DE CERTOS IDEAIS MÍSTICOS.
PRIMEIRO MOMENTO DO ROMANTISMO EM PORTUGAL
De acordo com a obra História de Portugal, de Oliveira Martins (apud FRANÇA, 1999), a nobreza e o clero continuavam, no governo
de D. Maria I, a comédia iniciada no governo de D. João V, interrompida pelo ministro Marquês de Pombal. No entanto, Maria I,
completamente louca, não tinha mais condições de governar. O regente D. João VI, pressionado pelos ingleses e pelos exércitos
napoleônicos, foge para o Brasil.
Imagem: Autor Desconhecido/ Wikimedia Commons/Domínio Público/ século XIX.*
 Embarque da família real para o Brasil no porto de Belém, século XIX.
Em 1810, sem rei e depauperado pelas contínuas batalhas, Portugal começa sua reconstrução, dividido entre os defensores do
absolutismo de D. Miguel e os liberais adeptos de D. Pedro I do Brasil, que prometia um governo constitucional para o país.
Em 1825, Almeida Garrett, exilado em Paris, publica seu poema Camões, obra que valia mais pelo seu conteúdo político do que
pelo seu valor estético.
Os primeiros a divulgarem as ideias românticas em Portugal foram Almeida Garrett, Alexandre Herculano e António Feliciano de
Castilho.
Saiba mais a seguir:
GARRETT
HERCULANO
ANTÓNIO FELICIANO DE CASTILHO
GARRETT
Era tributário da corrente filintista, portanto, marcado pelo Iluminismo e se voltava de modo espontâneo para o Romantismo.
HERCULANO
Era ligado ao rigor historicista, cedeu pouco espaço para uma imaginação criativa.
javascript:void(0)
ANTÓNIO FELICIANO DE CASTILHO
Não teve condições para entender o sentido revolucionário do movimento romântico.
CORRENTE FILINTISTA
Referente às ideias do poeta neoclássico português Filinto Elísio (1734-1819).
CONTEXTO DO ROMANTISMO NA EUROPA E EM PORTUGAL
Assista ao vídeo a seguir sobre os principais eventos históricos e o contexto do pensamento filosófico relacionados com o
surgimento do Romantismo.
VERIFICANDO O APRENDIZADO
1. CONSIDERE AS SEGUINTES AFIRMATIVAS SOBRE O CONTEXTO DO ROMANTISMO.
I – OS CONFLITOS E AS GUERRAS ENTRE LIBERAIS E ABSOLUTISTAS MARCAM O CONTEXTO DO
SURGIMENTO DO ROMANTISMO EM PORTUGAL.
II – OS IDEAIS DA REVOLUÇÃO FRANCESA INFLUENCIAM O PENSAMENTO E O IDEÁRIO
ROMÂNTICO EM PORTUGAL.
III – OS MIGUELISTAS, COM SUA DEFESA DE IDEIAS ABSOLUTISTAS E VALORES MEDIEVAIS,
DIFICULTARAM O DESENVOLVIMENTO DO ILUMINISMO EM PORTUGAL.
IV – A IDEIA ILUMINISTA DE CIVILIZAÇÃO E DE LIBERDADE ENCONTROU GUARIDA ENTRE TODOS
PENSADORES E ESCRITORES PORTUGUESES, INCLUINDO OS ABSOLUTISTAS.
APENAS ESTÃO CORRETAS AS AFIRMATIVAS:
A) I e II.
B) I e III.
C) I e IV.
D) I, II e III.
E) II, III e IV.
2. ASSINALE A AFIRMATIVA CORRETA SOBRE O AUFKLÄRUNG OU ILUMINISMO ALEMÃO E SUA
RELAÇÃO COM O ROMANTISMO.
A) O Iluminismo alemão concebeu uma identidade própria que inspirou outras culturas, por exemplo a francesa.
B) A época iluminista foi a mais germânica da cultura alemã e decisiva para superar o Romantismo.
C) O Iluminismo alemão floresceu na Renascença, tal como a cultura sulista italiana.
D) O Iluminismo alemão teve como influência a natureza na busca de inspiração.
E) O racionalismo, um ideal iluminista que encontramos em Kant, sofreu resistência por parte do Romantismo.
GABARITO
1. Considere as seguintes afirmativas sobre o contexto do Romantismo.
I – Os conflitos e as guerras entre liberais e absolutistas marcam o contexto do surgimento do Romantismo em Portugal.
II – Os ideais da Revolução Francesa influenciam o pensamento e o ideário romântico em Portugal.
III – Os miguelistas, com sua defesa de ideias absolutistas e valores medievais, dificultaram o desenvolvimento do
Iluminismo em Portugal.
IV – A ideia iluminista de civilização e de liberdade encontrou guarida entre todos pensadores e escritores portugueses,
incluindo os absolutistas.
Apenas estão corretas as afirmativas:
A alternativa "D " está correta.
Em Portugal, os ideais de igualdade, fraternidade e liberdade da Revolução Francesa tiveram influência no surgimento do
pensamento e da produção literária ligados ao Romantismo. No entanto, havia aqueles que, seguindo as ideias absolutistas de D.
Miguel, opunham-se à renovação, à liberdade e a outras ideias liberais ou iluministas.
2. Assinale a afirmativa correta sobre o Aufklärung ou Iluminismo alemão e sua relação com o Romantismo.
A alternativa "E " está correta.
O Romantismo veio na direção contrária da superioridade da razão ou do racionalismo, ideal que encontramos no pensamento
iluminista, já que o sentimento ganha centralidade.
MÓDULO 2
 Identificar características da obra de Garrett e Herculano
BREVE BIOGRAFIA DE ALMEIDA GARRETT
Acompanhe a seguir, um resumo da jornada de Almeida Garrett.
Imagem: Joseolgon /Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0
 Almeida Garrett pelo escultor António Pinheiro.
João Batista Leitão de Almeida Garrett nasceu no Porto, em 4 de fevereiro de 1799, e faleceu em Lisboa, em 9 de dezembro de
1854. Uma das figuras mais significativas não só do Romantismo, como também da literatura portuguesa de todos os tempos.
Imagem: Joseolgon /Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0
 Almeida Garrett pelo escultor António Pinheiro.
Frustrando as expectativas da família, que o preparava para a vida eclesiástica, em 1816, Garrett se matriculou na Faculdade de
Direito de Coimbra. No período de estudante de Direito, escreveu a tragédia Xerxes, inspirada pelo estilo de Filinto Elísio. Com a
morte de Gomes Freire, fuzilado por ordem de William Beresford, escreveu o soneto Campo de Santana. Com a vitória da revolução
liberal no Porto, de 1820, escreveu o opúsculo O Dia Vinte e Quatro de Agosto e redigiu diversas odes patrióticas (VECHI, 1994).
Imagem: Joseolgon /Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0
 Almeida Garrett pelo escultor António Pinheiro.
Concluídos os estudos em Coimbra, Garrett mudou-se para Lisboa. Nessa época escreveu um poema sobre pintura: O Retrato de
Vênus. Os censores, liderados pelo padre José Agostinho de Macedo, o acusaram de imoralismo, impiedade e abuso de liberdade.
Levado aos tribunais, Garrett defendeu-se brilhantemente. Com o golpe de Estado de 1823, Garrett partiu para seu segundo exílio.
Imagem: Joseolgon /Wikimedia Commons, CC BY-SA 3.0
 Almeida Garrett pelo escultor António Pinheiro.
Com a morte de D. João VI, Garrett, acreditando na outorga constitucional por D. Pedro I no Brasil, voltou a Portugal. Três anos
mais tarde, exilou-se novamente na Inglaterra. Daí partiu para os Açores e se incorporou ao Exército liberal de Dom Pedro I.
Participou com a revolução liberal do projeto de regeneração do país. Ao final da vida, decepcionado com a política, abandonou a
vida pública e dedicou-se exclusivamente à literatura. Morreu em 1854 (VECHI, 1994).
OBRA DE ALMEIDA GARRETT
De acordo com Vechi (1994), Almeida Garrett, consciente da crise de identidade em que estava mergulhado Portugal, procurou
desenvolver um programa estético visando à reconstrução da cultura portuguesa. Para viabilizar sua reforma, investiu na educação
estética e na formação de uma elite cultural por meio do Conservatório e do Teatro Nacional.
Garrett era prosador e político, formou-se sob as doutrinas do modelo Iluminista, tanto do ponto de vista ideológico quanto estético.
Adotou o estilo romântico, mas semabandonar as bases de sua formação.
Em O Arco de Sant’Ana, Garrett escreve:
E TODAVIA, CONFESSEMOS A VERDADE: ESTAS MODAS DE
‘RENASCENÇA’, ESTA PAIXÃO PELO GÓTICO EM LITERATURA E
ARQUITETURA, ESSE HORROR AO CLÁSSICO, INSPIRADO PELA ESCOLA
ROMÂNTICA, TEM SIM, TEM AJUDADO MAIS DO QUE SE CUIDA NAS
FUNESTAS TENTATIVAS DE REAÇÃO E RETROCESSO SOCIAL QUE, HÁ
TRINTA ANOS A ESTA PARTE, ANDAM ENSAIANDO AS OLIGARQUIAS ANÃS
DO NOSSO SÉCULO PARA SE SUBSTITUÍREM ÀS GIGANTESCAS
ARISTOCRACIAS DOS TEMPOS ANTIGOS, [...]
(apud VECHI, 1994, p.33)
Ao mesmo tempo em que via o Romantismo como uma nova relação entre escritor e leitor, ele adotou do Romantismo só o que
considerava como mais revolucionário, de resto, criticou os aspectos retrógados do movimento.
Na poesia, Garrett fez um trajeto de modo gradual indo do arcádico-filintista à fase iluminista-romântica com Camões, uma bela
obra, que tem por temática referências ao grande bardo lusitano. Esse livro tem por início uma poesia dedicada aos Lusíadas e o
caráter dramático é dado pelo amor de Camões à Natércia e pela derrota de D. Sebastião em Alcácer-Quibir.
O EXOTISMO MEDIEVAL, O INSTINTO DE LIBERDADE, SIMBOLIZADO PELO
OCEANO, O TOM MELANCÓLICO, O AMOR PELA SOLIDÃO E PELAS
RUÍNAS, A DESCRIÇÃO SUBJETIVA DA NATUREZA E O INDIVIDUALISMO,
PRINCIPAL ATRIBUTO DE CAMÕES, AFIRMA QUE TUDO O QUE SE
ENCONTRA NO TEXTO NÃO TEM NENHUM PARALELO NA HISTÓRIA
LITERÁRIA PORTUGUESA, O TRIBUTO AO CLASSICISMO É PATENTE E
INQUESTIONÁVEL.
(VECHI, 1994, p.35)
FOLHAS CAÍDAS
Folhas Caídas é o livro de poesias de Garrett no qual ele apresentou a sua maior maturidade poética. Essa obra foi dedicada a uma
paixão pela Viscondessa da Luz (Rosa Montufar Barreiros), amor que escandalizou Lisboa pelo seu caráter adulterino.
Vechi (1994, p. 35), sobre Folhas Caídas, diz que o “eu” lírico dos poemas tem uma atitude fortemente teatral, aparecendo lado a
lado “a confissão e o fingimento, a sinceridade e a representação exibicionista”.
Foto: Pinterest.
 Folhas Caídas, Almeida Garrett, Editora Europa América, 1553.
Vejamos dois dos poemas mais significativos dessa obra:
NÃO TE AMO
Não te amo, quero-te: o amar vem d’alma.
 E eu n’alma - tenho a calma,
 A calma - do jazigo.
 Ai! não te amo, não.
Não te amo, quero-te: o amor é vida.
 E a vida - nem sentida
 A trago eu já comigo.
 Ai, não te amo, não!
Ai! não te amo, não; e só te quero
 De um querer bruto e fero
 Que o sangue me devora,
 Não chega ao coração.
Não te amo. És bela; e eu não te amo, ó bela.
 Quem ama a aziaga estrela
 Que lhe luz na má hora
 Da sua perdição?
E quero-te, e não te amo, que é forçado,
 De mau, feitiço azado
 Este indigno furor.
 Mas oh! não te amo, não.
E infame sou, porque te quero; e tanto
 Que de mim tenho espanto,
 De ti medo e terror...
 Mas amar!... não te amo, não.
(GARRETT, Almeida. Folhas caídas. Sintra: Publicações Europa-América, 1987, p. 20.)
Perceba que o poema é construído a partir de antíteses que desenvolvem a tensão entre “não amar” e “querer”, para o “eu” lírico
concluir paradoxalmente: “te quero”, mas “não te amo, não”. A alma com a calma de uma sepultura e a vida que não é mais sentida
são imagens evocadas para dizer que “não te amo”. Enquanto o sangue que devora, o feitiço oportuno e furor indigno são
elementos que reforçam o forte e intenso “te querer”. O dualismo entre o amor, que se prende à alma, e o querer, que se prende ao
corpo, é outra leitura possível a partir do poema. Assim, o sentimento amoroso é marcado por um irracionalismo e conflito.
GOZO E DOR
Se estou contente, querida,
Com esta imensa ternura
De que me enche o teu amor?
- Não. Ai não; falta-me a vida;
Sucumbe-me a alma à ventura:
O excesso de gozo é dor.
Dói-me a alma, sim; e a tristeza
Vaga, inerte e sem motivo,
No coração me poisou.
Absorto em tua beleza,
Não sei se morro ou se vivo,
Porque a vida me parou.
É que não há ser bastante
Para este gozar sem fim
Que me inunda o coração.
Tremo dele, e delirante
Sinto que se exaure em mim
Ou a vida - ou a razão.
(GARRETT, Almeida. Folhas caídas. Sintra: Publicações Europa-América, 1987, p. 11.)
Perceba que o próprio título do poema antecipa a tensão, a contradição e a antítese que nele se desenvolve. Trata-se da tensão
entre gozo e amor, que é potencializada no verso e parece sintetizar o poema: “O excesso de gozo é dor”. A dor em meio ao gozo
conduz o “eu” lírico à própria tensão entre morrer ou viver.
De acordo com Vechi (1994), porém, o poeta em Folhas Caídas assume uma “pose” que sufoca a sinceridade, e o “eu” lírico se
aproxima da figura de alteridade que refreia sentimentos, com isso, caímos em um jogo retórico, artificial e consciente.
PROSA DE FICÇÃO DE GARRETT
Foto: Stock.adobe.com
São três as obras que representam a ficção de Garrett:
O Arco de Sant’Ana (1845 e 1850).
Viagens na Minha Terra (1846).
Helena (1871), inspirada na Crônica de D. Pedro, de Fernão Lopes.
Destacaremos apenas as duas primeiras para estudarmos o estilo ou as características da prosa de Garrett.
O ARCO DE SANT’ANA
Imagem: Amazon.
 O Arco de Sant’Ana, Almeida Garrett, Porto Editora, 1845.
O Arco de Sant’Ana tem como tema o amor culpado. A história se desenvolve a partir de um estupro. Um cavaleiro violenta uma
jovem, filha de uma família judaica que lhe oferecera hospedagem. Esse cavaleiro torna-se mais tarde o bispo do Porto, e desse
gesto violento nasce uma criança que mais tarde saberá quem é o seu pai. Vasco, sem saber, filho do homem que havia violentado
sua mãe, torna-se líder revolucionário de um movimento que pretende derrubar o poder exercido pelo bispo do Porto. Depois de
rocambolescas peripécias, o bispo se revela a Vasco e a história termina com um final feliz. Vasco se casa com Gertrudes, uma
moça residente na Rua Sant’Ana e que, apesar de burguesa, apresentava virtudes.
Na perspectiva de Vechi (1994), Garrett procura recriar um período passado da história, tendo como inspiração a prosa histórica do
romancista escocês Walter Scott (1771-1832). Sendo assim, alia medievalismo, nacionalismo, uma intriga amorosa tradicional e
certo gosto pelo gótico. Mas as contínuas digressões do autor afastam essa narrativa do modelo de romance histórico proposto por
Scott.
VIAGENS NA MINHA TERRA
Imagem: narrativaobvia.pt
 Viagens na Minha Terra, Almeida Garrett, Livraria Figueirinhas, 1846.
Segundo Helder Macedo (1979), Viagens na Minha Terra tem uma profunda unidade temática, mas apresenta uma quebra
estrutural, seguindo a maneira de narrar de Viagem Sentimental, do escritor irlandês Laurence Sterne (1713-1768). A primeira fase
do livro sugere as intenções de uma viagem a Santarém.
É interessante saber que, de 17 a 26 de julho de 1843, Garrett fez uma viagem a Santarém. Essa viagem teria fornecido a ele
material ou assunto para a série de artigos intitulados Viagens na Minha Terra, publicados na Revista Universal Lisbonense em 17
de agosto daquele ano (NAZAR, 1996).
Já o livro Viagens na Minha Terra foi publicado em 1846, incluindo o conto ou a novela A Casa Verde ou A Menina dos Rouxinóis.
A OBRA É PROPOSTA COMO UMA ARTICULAÇÃO INTEGRADA DOS
ELEMENTOS HETEROGÊNEOS DA REALIDADE CIRCUNDANTE COMO
VISTOS E OUVIDOS, PENSADOS E SENTIDOS PELO NARRADOR.
(MACEDO, 1979, p. 17)
IDEIA DE PROGRESSO E O ANTAGONISMO NÃO DIALÉTICO
Vejamos um fragmento de Viagens na Minha Terra:
Houve aqui há anos um profundo e cavo filósofo de além-Reno, que escreveu uma obra sobre a marcha da civilização, do intelecto
– o que diríamos, para nos entenderem todos melhor, o Progresso. Descobriu ele que há dois princípios no mundo: o espiritualismo,
que marcha sem atender a parte material e terrena desta vida, com os olhos fitos em suas grandes e abstratas teorias, hirto, seco,
duro, inflexível, e que pode bem personalizar-se, simbolizar-se pelo famoso mito do Cavaleiro da Mancha, D. Quixote; - o
materialismo, que, sem fazer caso nem cabedaldessas teorias, em que não crê e cujas impossíveis aplicações declara todas
utopias, pode bem representar-se pela rotunda e anafada presença do nosso amigo velho, Sancho Pança.
(GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 4. ed. São Paulo: Martin Claret, 2012, p. 16.)
As figuras que Garrett traz na sua exposição como antagônicas, Quixote e Pança, não constituem uma dialética, mas uma dicotomia
do progresso.
Essa oposição é, do ponto de vista do progresso, o confronto entre o materialismo e o espiritualismo. Para Garrett, a sociedade que
lhe era contemporânea se apresentava materialista, mas a literatura que a expressava era espiritualista. Por outro lado, há uma
oposição entre o materialismo do Antigo Regime e os ideais do Regime Liberal, a partir da divisão do país na Guerra Civil
(MACEDO, 1979).
A NOVELA A MENINA DOS ROUXINÓIS
A partir do capítulo X de Viagens na Minha Terra, tem início uma novela que foi denominada de A Menina dos Rouxinóis, cujos
personagens principais são:
CARLOS (ALTER EGO DO NARRADOR)
FREI DINIS
JOANINHA
FRANCISCA
CARLOS (ALTER EGO DO NARRADOR)
Formado em um universo em crise, abandona os ideais para assumir um comportamento adequado aos apelos do mundo: ser
barão. Nessa perspectiva, é o símbolo do Portugal contemporâneo.
FREI DINIS
Representa os valores tradicionais destruídos pelo liberalismo.
JOANINHA
Simboliza um Portugal ingênuo e telúrico que não tem mais condições de sobreviver ao progresso.
FRANCISCA
Indicia a imprudência com a qual o liberalismo foi assumido em Portugal: por causa da falta de visão dos defensores do liberalismo,
o país, impotente, assistiu à sua destruição.
Segundo Helder Macedo (1979, p. 18), A Menina dos Rouxinóis “não é mais do que uma extensa exemplificação sentimental e
romanesca do mesmo tema representado naquilo que viu e foi levado a sentir e pensar”.
A novela possui um valor documental, com uma intercalação fragmentada em que identificamos o movimento de chegada ao Vale
do Santarém e o regresso dos viajantes para Lisboa.
Em Viagens na Minha Terra, o leitor é preparado para o início da novela pela descrição da paisagem, conforme você pode conferir
neste trecho:
O Vale de Santarém é um destes lugares privilegiados pela natureza, sítios amenos e deleitosos em que as plantas, o ar, a situação,
tudo está numa harmonia suavíssima e perfeita: não há ali nada grandioso nem sublime, mas há como simetria de cores, de sons,
de disposição em tudo, quando se vê e se sente, que não parece senão que a paz, a saúde, o sossego do espírito e o repouso do
coração devem viver ali, reinar ali um reinado de amor e benevolência.
(GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 4. ed. São Paulo: Martin Claret, 2012, p. 51.)
Em relação às personagens, há correspondências simbólicas entre as personagens femininas Joaninha e Georgina, as duas
mulheres que Carlos não conseguiu amar. Joaninha e Georgina correspondem à noção de bem das sociedades tradicional e
moderna, à ideia do progresso e do liberalismo. Carlos, que pertence a dois mundos diferentes, por nascimento e por ideologia, não
consegue escolher uma das duas. Ainda que tenha amor por elas, perde ambas (MACEDO, 1979).
Por meio de Carlos, Garrett tece uma crítica ao próprio liberalismo triunfante em Portugal. Joaninha era a infância que Carlos
amava, o Portugal inocente do campo idealizado por ele. Georgina foi uma escolha acidental, “Carlos amou o bem-estar que sentiu
junto dela e da irmã” (MACEDO, 1979, p.21).
De certo modo, Garrett, que havia militado ao lado dos liberais contra o absolutismo monárquico, vê a posteriori que os liberais
acabaram por repetir, por outro caminho, os erros cometidos pelos absolutistas. O erro seria a incapacidade de agir conforme os
ideais, o que acabaria levando à traição do povo e da causa.
Há uma nítida metáfora em Viagens: Carlos espelha, na sequência de seu destino, a situação política de seu país. Ele foi o idealista
que adotou a causa liberal, mas que por narcisismo não soube servir à sua ação concreta. O povo português continuou mergulhado
na miséria e Carlos tornou-se um barão. Os barões representavam a nova elite, a burguesia no lugar da nobreza do Estado
absolutista. Viagens faz constantes críticas a esses burgueses que ascenderam ao poder.
Porque o barão é o mais desgracioso e estúpido animal da criação. [...]
O barão é, pois, usurariamente revolucionário e revolucionariamente usurário. Por isso, é zebrado de riscas monárquico-
democráticas por todo o pelo. Este é o barão verdadeiro e puro-sangue; o que não tem esses caracteres é espécie diferente, de que
aqui se não trata. Ora, sem sair dos barões e tornando aos frades eu digo que nem eles compreenderam nosso século nem nós os
compreendemos a eles [...]
(GARRETT, Almeida. Viagens na minha terra. 4. ed. São Paulo: Martin Claret, 2012, p. 67.)
Carlos, o barão, traiu o amor de Joaninha e de Georgina, assim como os liberais traíram o seu idealismo e não foram capazes de
servir aos interesses concretos do país.
A antinomia entre absolutistas e liberais acabou tornando-se uma falsa oposição, pois a corrupção dominou a ambos. Garrett
preenche Viagens com afirmações que o aproximam da literatura que lhe virá em seguida, a Geração de 70, marcada pelos ideais
socialistas.
DRAMATURGIA DE GARRETT: FREI LUÍS DE SOUSA
Imagem: Miguel Ângelo Lupi/Wikimedia Commons, Domínio Público.
 Peça teatral Frei Luís de Sousa, de Almeida Garrett, 1863
Nazar (1996) ressalta que a luta pela civilização, pelo esclarecimento e contra o absolutismo encontrou o drama e o romance como
formas máximas de expressão na primeira metade do século XIX. Não por acaso, uma das mais bem construídas obras de Garrett é
uma peça de teatro: Frei Luís de Sousa. Ela ocupa, na literatura portuguesa do primeiro período do Romantismo, um papel de
grande destaque.
O teatro de Garrett conheceu duas fases:
A CLÁSSICA
A ROMÂNTICA
Catão, de 1822, e Mérope, 1841, são duas peças em que Garrett exercitou sua capacidade de imitar os clássicos greco-latinos e
renascentistas. Em 1842, Garrett escreve O Alfageme de Santarém, em que vê a sua intenção de criar um teatro nacional
malograda (VECHI, 1994).
Ocorre que durante o governo reacionário de Costa Cabral, Garrett foi destituído de seus cargos públicos e, em um ostracismo
involuntário, escreveu Frei Luís de Sousa, sua obra-prima.
Valendo-se da forma grega da tragédia, Garrett constrói um enredo em torno de um triângulo amoroso: Dona Madalena de Vilhena,
Dom Manuel (Frei Luís de Sousa) e o Romeiro (Dom João de Portugal).
No enredo de Frei Luís de Sousa, Madalena, casada em segundas núpcias com Manuel de Sousa Coutinho, vive um conflito, pois
nunca recebera uma notícia definitiva sobre a morte de Dom João de Portugal, o seu primeiro marido. Dom João de Portugal
desapareceu na batalha de Alcácer-Quibir. No desdobrar da história, Dom Manuel e Dona Madalena recebem a visita de um romeiro
vindo de Jerusalém. Revelada a identidade do romeiro, descobrem que era Dom João de Portugal.
Imagem: Miguel Ângelo Lupi/Wikimedia Commons, Domínio Público
 Madalena de Vilhena.
A ESTRUTURA DA TRAGÉDIA OU O DRAMA FREI LUÍS DE SOUSA
APRESENTAÇÃO DO CONFLITO E DE SEUS ANTECEDENTES
O ato I apresenta o conflito e seus antecedentes: o casamento de Madalena; o desaparecimento do primeiro marido e as
circunstâncias em que ocorreu; o segundo casamento; a existência da filha Maria e sua fragilidade.
A EVOLUÇÃO DO CONFLITO E SEU RECONHECIMENTO
O ato II apresenta a evolução do conflito, que tem o seu ápice no reconhecimento do Romeiro por Frei Jorge.
A RESOLUÇÃO DO CONFLITO
A resolução do conflito começa a acontecer no ato III e culmina na morte física de Maria; e na morte para o mundo de Madalena e
Manuel de Sousa Coutinho.
OS ESPAÇOS: DO PROFANO AO SAGRADO
Delgado (1998) analisa os espaços indicados nas falas dos personagens ou espaços aludidos: Lisboa, Alfeite, Alcácer-Quibir,
Palestina. A ação da peça decorre em interiores, em uma sucessão de três espaços que secompletam:
I ATO
Câmara de habitação nobre arejada e humanizada.
II ATO
O palácio de Dom João. Espaço opressivo de conflito, de revelação e de reencontro com o passado.
III ATO
Espaço marcadamente religioso. Capela do Convento dos Dominicos, em Almada. Espaço austero, fechado, frio e noturno.
O macroespaço é Almada, na margem do Tejo.
O TEMPO EM FREI LUÍS DE SOUSA
Do primeiro ato à morte de Maria, levando em consideração os antecedentes da intriga, são condensados na representação 21
anos.
Quanto ao horário:
Stock.adobe.com
Atos I e III são noturnos.
Stock.adobe.com
Ato II é diurno.
PERSONAGENS DA PEÇA
Levando em consideração o modelo da tragédia, há um número restrito de personagens e de condição social elevada.

UNIVERSO MASCULINO
MANUEL DE SOUZA COUTINHO
Personagem histórico ficcionalizado. Participou da resistência à dominação espanhola. Foi um cavaleiro da Ordem de Malta. Revela,
em suas ações, coragem e patriotismo.
D. JOÃO DE PORTUGAL
A imagem que fica aos espectadores é a da vingança e não a da sua desgraça de homem sem identidade e sem possível felicidade.
ROMEIRO
Ele não vive, ele paira, é uma espécie de sombra de si mesmo. Sua presença vai contribuir para a catástrofe. Revela um conflito
que o faz ser vingativo e cruel.
TELMO PAIS
Preenche o preceito renascentista do saber pela experiência.

UNIVERSO FEMININO
MADALENA
É uma mulher que está em conflito: não acredita na sua felicidade, pressente que não faltará muito para que toda sua harmonia seja
posta em causa. Mulher culta, inteligente e sensível.
MARIA
Precoce, doente, dotada de uma inteligência invulgar e de uma sensibilidade especial que a leva a interessar-se por temas que não
estão adequados à sua idade. Possui uma intuição apurada, pressente mais do que diz.
Após essas breves considerações sobre algumas obras de Garrett, podemos dizer que o seu conjunto constitui uma importante
expressão da literatura romântica em Portugal. Além de textos com qualidade literária reconhecida, Garrett também atuou na difusão
de ideias inovadoras e na renovação da cena cultural portuguesa.
ALEXANDRE HERCULANO
Imagem: daguerreotype /Wikimedia Commons, Domínio Público.
 Alexandre Herculano em Vale de Lobos, sentado numa das cestas da apanha de azeitona
Alexandre Herculano de Carvalho e Araújo nasceu em Lisboa, em 28 de março de 1810, e faleceu na quinta de Vale de Lobos, em
13 de setembro de 1877. Sua vida foi marcada por intensa participação política. Viveu em época adversa, participou da luta contra a
invasão francesa e a invasão inglesa. Herculano lutou também ao lado dos liberais contra o absolutismo de D. Miguel. Com a vitória
dos liberais, em 1833, passa a trabalhar na Biblioteca Municipal do Porto; em 1836, divergindo dos rumos dado à revolução pelo
setembrismo de Passos Manuel, demite-se do cargo.
Em 1836, por meio da poesia, Herculano começa a sua carreira de escritor. Sua primeira obra poética foi A Voz do Profeta, motivada
pela sua divergência com Passos Manuel.
A prosa de caráter histórico marcou também sua obra de caráter ficcional. Herculano, como historiador, encontrou problemas com os
poderes instituídos, sobretudo com o Clero. Sua prosa ficcional abrange novelas, contos e romances.
javascript:void(0)
SETEMBRISMO
Facção mais à esquerda do liberalismo português, liderada por Costa Cabral.
ROMANCES
O Bobo, romance de caráter histórico, publicado no periódico literário O Panorama, em 1843, só foi editado em volume em 1878. A
obra é ambientada na época das lutas travadas entre D. Teresa e seu filho D. Afonso Henriques. As figuras de D. Afonso Henriques,
D. Teresa, Conde Travas e Egas Moniz são históricas, mas a intriga gira também em torno de personagens ficcionais: D. Bibas,
Garcia Bermudes e Dulce. Nesse sentido, imaginário e histórico se interpenetram.
Imagem: manuseado.pt
 O Bobo, Alexandre Herculano, Livraria Bertrand, 1878.
 VOCÊ SABIA
Por ser Herculano um profundo conhecedor da história de Portugal, há suspeitas de que alguns de seus personagens de ficção
tenham existido realmente.
A ação de O Bobo situa-se no Castelo de Guimarães, em um “palco” de intrigas políticas, passagens secretas e fugas subterrâneas.
A trilha amorosa é polarizada por Dulce, a mulher-anjo, filha adotiva de D. Teresa; e por dois cavaleiros que rivalizam no amor e na
luta, Egas Moniz e Garcia Bermudes. Há também o truão, figura misteriosa no universo medieval a quem era dada a liberdade da
palavra, do riso e do escárnio.
Nas obras reunidas sob o título O Monasticon, encontramos o romance Eurico, o Presbítero e o romance O Monge de Císter. Há em
ambos a tentativa de conciliar o histórico e o imaginário.
EURICO, O PRESBÍTERO
Eurico, o Presbítero é um romance que apresenta o problema do celibato religioso à luz de uma intriga amorosa. Há nessa obra
duas linhas narrativas: a história amorosa de Eurico e Hermengarda; e a história heroica da queda do império espanhol visigótico
sob as armas dos árabes, no século VIII d.C.
Imagem: Martin Claret.
 Eurico, o Presbítero, de Herculano, Livraria Bertrand, s.d.
As duas linhas narrativas se cruzam a partir de pontos em comum. Eurico interpreta a atitude de Hermengarda como uma traição,
cedendo às imposições do pai; e a Espanha é traída por Juliano, Conde de Septum, e Opas, Bispo de Híspalis.
Seguindo o modelo das novelas de cavalaria, Eurico surge na história como o “Cavaleiro negro”, e a narrativa ganha um caráter
épico, seguindo o estilo da construção dos épicos medievais: o obstáculo, a glória e a honra. Eurico está voltado para valores
idealizados como pertencentes ao mundo gótico. Há uma tentativa de fidelidade ao caráter histórico da narrativa e uma alusão a um
suposto manuscrito gótico (VIEIRA, 1981).
O MONGE DE CÍSTER
O Monge de Císter é um romance que se insere no contexto da análise dos conflitos entre o celibato e os impulsos da natureza
humana, entre eles o amor e o ódio. A história é sobre Frei Vasco, ex-cavaleiro de Cristo, dividido entre a sede de vingança e a
consciência moral (SILVEIRA, 1981).
Imagem: manuseado.pt
 O Monge de Císter, Alexandre Herculano, Livraria Bertrand, s.d.
A trama se desenvolve em torno da vingança de Vasco contra Lopes Mendes, seu rival no amor por Leonor, e contra Fernandes
Alonso, que seduziu a irmã de Vasco e mergulhou sua família na desonra.
Há nessa narrativa, assim como em outras de Herculano, a saudade de um passado heroico em que repousam as raízes mais
profundas de Portugal.
A PROPÓSITO DO CARÁTER HISTÓRICO DE UM CONTO
Imagem: www.fnac.pt
 A Abóboda, Alexandre Herculano, Porto Editora, 2017.
O conto A Abóboda, de Herculano, concilia duas vertentes do pensamento romântico português:
As ideias liberais que chegaram a Portugal com algum atraso e se instalaram com a revolução liberal de 1834.

A defesa de um catolicismo primitivo que supostamente teria existido antes das inovações doutrinárias e disciplinares trazidas pelo
Concílio de Trento. Para Herculano, a moral provinha da religião e cabia aos governantes coibirem os abusos do clero.
De acordo com Marina Machado Rodrigues (1997), A Abóboda denuncia por transposição temporal a decadência da religião. Situa o
Portugal novo em face do Portugal velho, e inscreve a vitória da fé sobre a filosofia do espírito.
A Abóboda é ambientado na época do início da construção do Mosteiro da Batalha, erigido em tributo à soberania da nação
portuguesa, simbolizando a força, a coragem e a esperança.
O Mosteiro da Batalha simboliza a história da superioridade de um povo que firmou sua nacionalidade nos campos de Aljubarrota.
A Abóboda foi publicado em 1839, em O Panorama. O conto foi inspirado em Afonso Domingues, que lutou para colocar D. João I
no trono de Portugal. Afonso Domingues foi mestre-arquiteto e teria construído o projeto da abóboda do Mosteiro da Batalha. Em
1401, Afonso Domingues ficou cego e D. João chamou um irlandês para concluir o projeto, mestre Ouguet. João I, porém, desculpa-
se com Afonso Dominguese o chama para concluir a obra. Afonso Domingues finaliza a obra, passa três dias em jejum debaixo dela
e morre ao constatar que a abóboda não irá cair.
Imagem: Autor Desconhecido/ Wikimedia Commons/Domínio Público.*
 Retrato imaginado de Afonso Domingos, Paços do Concelho de Lisboa.
Embora composta por personagens que seriam históricos, parece que não há nenhuma comprovação de que a abóboda do
Mosteiro da Batalha tenha caído algum dia, mas é uma história ao gosto romântico, cheia de simbologias. Sigamos a análise de
Rodrigues (1997) para entendermos algumas das metáforas dessa história.
Concebida por um arquiteto português e executada por um estrangeiro, a abóboda ruiu. A queda pode representar:
O repúdio às inovações introduzidas à religião primitiva pela Contrarreforma.
A aversão do autor à decadência moral do presente no qual a nação portuguesa se vê presa a valores estrangeiros.
Os quatro personagens principais são emblemáticos, representam classes e/ou ideias.
O PRIOR
Por meio desse personagem, a vinculação Igreja/Estado é diretamente atacada, refletindo os interesses de natureza espúria, que
suprimem à religião aquilo que lhe é mais encarecido – a participação no encaminhamento moral e espiritual do povo.
O IRLANDÊS (MESTRE OUGUET)
A escolha desse personagem é uma crítica à subserviência e à submissão cultural. Mestre Ouguet concentra alguns dos pecados
humanos: ambição desmedida, soberba, hipocrisia, ira e inveja.
D. JOÃO I (MESTRE DE AVIS)
Representa os valores morais do cavaleiro medieval adaptados à mentalidade liberal burguesa. Além disso, expressa a vitória da
monarquia parlamentar, da liberdade e da soberania.
O CEGO (MESTRE AFONSO)
Encarna os ideais dos moços românticos, a nostalgia da Ordem e os valores absolutos. Ele é uma extensão da batalha de
Aljubarrota e de todos os valores que ela representa. Sua aparente fragilidade contrasta com a poderosa força interior que dele
emana.
Vemos nesse conto, mais uma vez, Herculano preocupado em construir histórias que conciliem o real e o imaginário. Assim como as
outras obras, o autor se volta para um passado idealizado pretendendo refletir criticamente sobre o presente.
O RECURSO AO HISTÓRICO EXPRESSA A TENDÊNCIA ROMÂNTICA PARA A
VALORIZAÇÃO DO MEDIEVALISMO E DO ESPÍRITO DE NACIONALIDADE.
NO CASO DOS PAÍSES EUROPEUS, AS ORIGENS DA NACIONALIDADE
ESTÃO NA IDADE MÉDIA. NESTE SENTIDO, O HISTORICISMO E O
MEDIEVALISMO ROMÂNTICOS, EMBORA TENHAM COMO UM DE SEUS
VALORES O DESCONTENTAMENTO EM RELAÇÃO AO PRESENTE, À
CONTEMPORANEIDADE DO ESCRITOR, NÃO SE REDUZ À IDEIA DE FUGA,
DE ESCAPISMO COMUMENTE ATRIBUÍDA AO ROMÂNTICO QUE CULTIVA
ESSA TENDÊNCIA.
(VECHI, 1994, p.47)
É desnecessário dizer que Herculano ocupa um lugar de proeminência no Romantismo português e de pioneirismo com as suas
ficções históricas.
A OBRA DE GARRETT E HERCULANO
Assista ao vídeo a seguir sobre as principais características da obra de Garrett e Herculano.
VERIFICANDO O APRENDIZADO
1. CONSIDERANDO O QUE VOCÊ ESTUDOU SOBRE A OBRA FOLHAS CAÍDAS, ANALISE AS
AFIRMATIVAS A SEGUIR:
I. É UM ROMANCE PORTUGUÊS QUE SE PASSA NO PERÍODO DE OUTONO, DEDICADO AO IDÍLICO
VALE DE SANTARÉM.
II. É UMA OBRA QUE GARRETT PROVAVELMENTE DEDICOU À ROSA DE MONTUFAR BARREIROS.
III. O “EU” LÍRICO ASSUME UM ASPECTO AO MESMO TEMPO CONFESSIONAL E DE FINGIMENTO
DRAMÁTICO.
IV. OBRA ESCRITA POR ALEXANDRE HERCULANO, A PARTIR DE UMA VIAGEM POR ELE REALIZADA.
V. OBRA QUE PERTENCE AO PERÍODO DE MAIOR MATURIDADE POÉTICA DE GARRETT.
ESTÁ CORRETO APENAS O QUE SE AFIRMA EM
A) I e II.
B) I, II e III.
C) I, III e IV.
D) II, III e IV.
E) II, III e V.
2. ASSINALE A ALTERNATIVA QUE TRAZ UMA AFIRMATIVA CORRETA SOBRE A PRODUÇÃO
LITERÁRIA DA PRIMEIRA GERAÇÃO ROMÂNTICA EM PORTUGAL.
A) Garrett começou a escrever influenciado pelo estilo clássico filintista, mas também produziu um poema romântico polêmico após
seus estudos em Coimbra.
B) O Romantismo estabeleceu na literatura uma ruptura entre escritor e leitor, pois sua prosa e poesia possuíam um teor
racionalista.
C) Alexandre Herculano não pode ser considerado um autor romântico porque sua obra ficcional foi marcada por uma prosa de
caráter histórico.
D) Não há dramaturgia no Romantismo em Portugal, apenas um caráter teatral em alguns poemas de Garrett.
E) Apesar do título Eurico, o presbítero, não há temática religiosa ou referência a problemas com o celibato neste romance de
Alexandre Herculano.
GABARITO
1. Considerando o que você estudou sobre a obra Folhas Caídas, analise as afirmativas a seguir:
I. É um romance português que se passa no período de outono, dedicado ao idílico Vale de Santarém.
II. É uma obra que Garrett provavelmente dedicou à Rosa de Montufar Barreiros.
III. O “eu” lírico assume um aspecto ao mesmo tempo confessional e de fingimento dramático.
IV. Obra escrita por Alexandre Herculano, a partir de uma viagem por ele realizada.
V. Obra que pertence ao período de maior maturidade poética de Garrett.
Está correto apenas o que se afirma em
A alternativa "E " está correta.
Folhas Caídas foi dedicada a uma paixão pela Viscondessa da Luz (Rosa Montufar Barreiros), amor que escandalizou Lisboa pela
temática do adultério. Além disso, é a obra em que o autor atinge sua maturidade poética. Também é tida como uma obra com
caráter teatral, em que há fingimento e representações exibicionistas.
2. Assinale a alternativa que traz uma afirmativa correta sobre a produção literária da primeira geração romântica em
Portugal.
A alternativa "A " está correta.
Realmente Garrett escreveu no estilo clássico filintista, por exemplo, a tragédia Xerxes. Depois de terminar seus estudos em
Coimbra, já em Lisboa, ele publica uma obra que foi considerada imoral pela censura: O retrato de Vênus.
CONCLUSÃO
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Procuramos traçar, em linhas gerais, alguns aspectos do movimento romântico em Portugal. Para isso, foram escolhidos dois dos
mais importantes autores dessa época. O movimento romântico, que conheceu o seu impulso revolucionário nas ideias elementares
do século XVIII, encontrou fortes ecos em Garrett e Herculano. Esses dois autores, em sintonia tanto com a revolução social quanto
com a burguesia liberal, mudaram os rumos da escrita literária portuguesa.
Mostramos, assim, o modo com que a literatura da primeira fase do Romantismo assimilou as contradições histórico-sociais de sua
época e as transformou em significativas soluções estéticas.
Agora, nada melhor do que ler algumas das obras que você conheceu aqui.
AVALIAÇÃO DO TEMA:
DIREITO DE USO DE IMAGEM
* A EnsineMe reserva ao autor o direito de se manifestar.
REFERÊNCIAS
BORNHEIM, Gerd. Filosofia do Romantismo. In: GUINSBURG, J (org.). Romantismo. São Paulo: Perspectiva, 1993.
DELGADO, Isabel Lopes. Para uma leitura de Frei Luís de Sousa de Almeida Garrett. Lisboa: Editorial Almeida Garrett, 1998.
FRANÇA, José-Augusto. A civilização liberal e suas ideias. In: FRANÇA, José-Augusto. O Romantismo em Portugal. Lisboa:
Livros Horizonte, 1999.
MACEDO, Helder. As viagens na minha Terra e a Menina dos Rouxinóis. In: Colóquio Letras, n. 51, 1979.
NAZAR, Sérgio. Almeida Garrett: sua viagem, sua vertigem. In: NAZAR, Sérgio. Paixão e Revolução. Rio de Janeiro: Ed. UERJ,
1996.
RODRIGUES, Marina Machado. Liberalismo, romantismo e o espírito da missão em um conto de Herculano. In: RODRIGUES,
Marina Machado. O que é um pai?. Rio de Janeiro: Ed. UERJ, 1997.
SILVEIRA, Francisco Maciel. Alexandre Herculano. In: MOISÉS, Massaud (org.). Pequeno dicionário de literatura portuguesa. São
Paulo: Cultrix, 1981.
VECHI, Carlos Alberto. Romantismo. In: VECHI, Carlos Alberto. A literatura portuguesa em perspectiva. Vol. 3. São Paulo: Atlas,
1994.
VIEIRA, Yara Frateschi. Poesia medieval. In: MOISÉS, Massaud (org.). Pequeno dicionário de literatura portuguesa. São Paulo:
Cultrix, 1981.
EXPLORE+
Avance no seu conhecimento sobre o contexto do Romantismo lendo o artigo O nascimento do romantismo em Portugal, de
Emanuel Guerreiro, publicado na RevistaDiadorim, da UFRJ.
Leia as obras Folhas Caídas e Viagens na minha Terra, de Almeida Garrett, no portal Domínio Público.
Assista ao filme Frei Luís de Sousa, dirigido por António Lopes Ribeiro, Portugal, 1950, adaptação da obra homônima de
Almeida Garrett.
Leia a obra A Abóboda, de Alexandre Herculano, em domínio público.
CONTEUDISTA
Elaine Zeranze Bruno
 CURRÍCULO LATTES
javascript:void(0);

Continue navegando