A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
psico aula 7

Pré-visualização | Página 1 de 2

Psicologia II
Aula 7
Gênero e Sexo
Qual a diferença entre sexo e gênero?
É a construção cultural coletiva dos atributos da masculinidade e feminilidade. Esse conceito foi proposto para distinguir-se do conceito de sexo, que define as características biológicas de cada indivíduo.
Para tornar-se homem ou mulher é preciso submeter-se a um processo que chamamos de socialização de gênero, baseado nas expectativas que a cultura tem em relação a cada sexo. Dessa forma, a identidade sexual é algo construído, que transcende o biológico.
O sistema de gênero ordena a vida nas sociedades contemporâneas a partir da lingua­gem, dos símbolos, das instituições e hierarquias da organização social, da representação política e do poder. Com base na interação desses elementos e de suas formas de expres­são, distinguem-se os papéis do homem e da mulher na família, na divisão do trabalho, na oferta de bens e serviços e até na instituição e aplicação das normas legais.
A estrutura de gêneros delimita também o poder entre os sexos. Mesmo quando a nor­ma legal é de igualdade, na vida cotidiana encontramos a desigualdade e a iniquidade na distribuição do poder e da riqueza entre homens e mulheres.
Durante séculos, as mulheres foram educadas para submeterem-se aos homens. A "domesticação" da mulher foi consequência da necessidade dos homens assegurarem a posse de sua descendência. O fato de que a maternidade é certa e a paternidade apenas presumível (ou incerta) sempre foi um fantasma para a organização da cultura patriarcal. O controle da sexualidade e da vida reprodutiva da mulher garante a imposição das regras de descendência e patrimônio e, posteriormente, um sistema rígido de divisão sexual do traba­lho. Assim, a mulher passa a ser tutelada por algum homem, seja pai, tio ou marido.
Este sistema de divisão sexual do trabalho, cuja finalidade primeira foi a de regula­mentar a reprodução e organizar as famílias, acabou por dar aos homens e mulheres uma carga simbólica de atributos, gerando uma correlação entre sexo e personalidade que foi interpretada como característica inerente aos sexos. Atribuiu-se à natureza de homens e mulheres aquilo que era da cultura. Pensar que a mulher é frágil e dependente do homem ou que o homem é o chefe do grupo familiar pode levar as pessoas a concluírem que é natural que os homens tenham mais poderes que as mulheres e os meninos mais poderes que as meninas.
Este tipo de pensamento sempre justificou o autoritarismo masculino, interpretando a violência do homem contra a mulher como algo natural. Isso impregnou de tal forma nossa cultura que, assim como muitos homens não assumem que estão sendo violentos, muitas mulheres também não reconhecem a violência que estão sofrendo.
Sexo e gênero
Sexo e gênero não são sinônimos.
 
Sexo diz respeito às características fisiológicas relativas à procriação, à reprodução biológica - diferenças sexuais são físicas.
 
Gênero seria determinado pelo processo de socialização e outros aspectos da vida em sociedade e decorrentes da cultura, que abrange homens e mulheres desde o nascimento e ao longo de toda a vida - diferenças de género são socialmente construídas.
Conjunto de arranjos através dos quais a sociedade transforma a biologia sexual em produtos da atividade humana e nos quais essas necessidades transformadas são satis­feitas. Este sistema incluiria vários componentes, entre outros adivisão sexual do trabalho e definições sociais para os géneros e os mundos sociais que estes conformam.
A questão da hierarquia de gênero
Numa sociedade patriarcal, a autori­dade social efetiva sobre as mulheres é exercida através dos papéis de pai e de marido. Sob as condições patriarcais, as mulheres às vezes exercem autoridade através do papel de mãe em oposição aos outros papéis familiares, tais como esposa, filha, irmã, ou tia.
O patriarcado é uma forma de hierarquia, em que os homens detêm o poder e as mulheres são subordinadas.
 
O poder social atualmente é identificado com atributos considerados como masculinos. Pessoas do sexo masculino ou feminino podem desempenhar papéis, através dos quais o poder pode ser exercitado, mas eles permanecem como papéis masculinos.
ATENÇÃO
A posição de gênero é um dos eixos essenciais para a manutenção do poder na hierarquia social, que é essencialmente masculina no seu topo e tem estratégias de fragmentação (por classes, por idades, por grupos ou culturas minoritárias). Assim, essa hierar­quia nos leva a viver rivalidades e lutas entre pessoas jovens e idosas, pobres e ricas, negras e brancas, mulheres e homens. Essas relações antagónicas estruturam a dependência e a submis­são.
O que é subordinação e como se expressa?
Subordinação pode ser definida como uma relativa falta de poder. Em termos de autoridade social, um grupo subordinado tem pouco ou nenhum controle sobre a tomada de decisões que afetam o futuro daquele grupo. 
 
Podemos falar em subordinação de gênero quando as mulheres não estão no controle das instituições que determinam as políticas que afetam as mulheres, tais como os direitos repro­dutivos ou a paridade nas práticas de emprego. Discriminação nos salários e nas promoções são exemplos da subordinação das mulheres na nossa sociedade.
O ser humano tem como aspiração maior a busca de prazeres. A percepção do prazer varia de pessoa a pessoa, de acordo com sua história pessoal e social. As normas sociais, que mudam em cada cultura, norteiam a busca deste prazer, interferindo nos comportamentos, determinando o que é permitido, o que é proibido, quando é permitido e quando é proibido. Para isto, existem leis explícitas em documentos oficiais e outras que se constroem no dia-a-dia.
Prevenção, cidadania e poder
PREVENÇÃO
Ato ou efeito de prevenir-se. Preparo antecipado e preventivo.
CIDADANIA
São os direitos políticos e os deveres do indivíduo para com o Estado.
PODER
Capacidade ou possibilidade de fazer uma coisa. Direito de agir, de decidir, de mandar
Direitos e deveres
Segundo a organização mundial de saúde, uma pessoa sexualmente saudável precisaria:
Ter capacidade de desfrutar e controlar o comportamento sexual e reprodutivo.
Estar livre de medo, vergonha, culpa, tabus e outros fatores 
psicológicos inibidores de uma resposta sexual ou que prejudiquem suas relações de sexo.
Estar livre de distúrbios orgânicos, doenças e deficiências que interfiram nas funções sexuais e reprodutoras.
Os métodos contraceptivos são de fundamental importância, não só no controle à natalidade, mas também, na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, principalmente da AIDS, gonorreia e sífilis. Observem que durante uma relação sexual transmitimos e recebemos muitas coisas, o sentimento e o prazer parecem ser o que mais importa. Contudo, não doamos e percebemos apenas sensações. O nosso corpo possui substâncias, secreções, líquidos etc. que também são passadas ao outro. E é por aí que doenças, as chamadas DST - Doenças Sexualmente Transmissíveis podem causar transtornos a nossa vida. A maioria dessas DST tem cura. Entretanto, aquelas causadas por vírus ainda não têm cura.
São vários os métodos anticoncepcionais:
Naturais: duchas, coito interrompido, tabela.
Artificiais: geleias e cremes espermicidas, preservativos 
masculinos (camisinhas), diafragmas, dispositivos intrauterinos 
(DIU), pílulas anticoncepcionais, preservativos femininos.
Esterilizantes: vasectomia, ligação tubária.
Modelos e estereótipos sexuais
Qual a importância da educação sexual para o desenvolvimento e a maturidade sexual?
Chama-se sexualidade a todas as formas, jeitos, maneiras como as pessoas expressam a busca do prazer. Quando se entende que a sexualidade está apenas vinculada ao aspecto da relação sexual se diz genitalidade, isto é centrada nos genitais. Esta abordagem, apesar de restritiva, nos leva a pensar que sobre a relação sexual é preciso ainda