A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
9 pág.
Avaliando o aprendizado aula 06 a 10  201502

Pré-visualização | Página 1 de 2

Macroeconomia - avaliando o aprendizado aula 06 as 10 - atualizado 
 
Aluna: Maria Suely Silveira 2015.02 
 
Obs: as respostas corretas estão de vermelho 
1. Considerando a formatação dos modelos econômicos dos clássico e keynesiano, é certo que as 
variáveis: 
Reais são independentes do nível de inflação. 
Reais só existem no modelo clássico. 
Nominais têm valor aumentado quando os preços sobem. 
Exógenas são funções matemáticas das variáveis do modelo. 
Endógenas dependem de alguma outra variável do modelo. 
 
2. No que se refere ao multiplicador Keynesiano no modelo Keynesiano simplificado, dada a 
equação: C = 10 + 0,8 Yd, onde C = consumo agregado e Yd a renda nacional disponível, 
assim, por esta equação, para cada uma unidade a mais que a renda nacion al disponível aumente, 
o consumo tenderá a aumentar: 
C = 10 + 0,8 Yd = 80% 
 
3. Qual é a definição de PIB? 
É uma medida do valor dos bens e serviços que o país produz num período, na agropecuária, 
indústria e serviços. Também poderia ser definido como a r iqueza da área geográfica estudada em 
um determinado período de tempo, ou seja, Produto Interno Bruto. 
 
4. Os macroeconomistas sempre se dividem quando são chamados a explicar as variáveis que 
mais influenciam, principalmente, o nível de produção do país. Neste sentido, a respeito da 
macroeconomia keynesiana, com modelo simplificado, leia atentamente as considerações a seguir 
e assinale a alternativa correta. 
I) Quando observamos o pensamento clássico e as ideias introduzidas por Keynes, verificamos que 
o ponto central da diferença entre as duas teorias econômicas consiste no fato de Keynes ter 
atribuído à demanda agregada a grande responsabilidade pela promoção do crescimento 
econômico, entendido tal crescimento como o aumento do PIB. V 
II) A análise keynesiana explica bem a dinâmica do curto prazo e a clássica está coerente com o 
que se passa no longo prazo. Mesmo assim, ambas continuam divergindo profundamente quanto 
ao papel do governo na condução da economia do país. V 
III) Sabemos que a demanda agregada é o conjunto da demanda das famílias (C), das empresas 
(I) e do governo (G) para uma economia fechada e com governo. Mas é importante ter em mente 
que a demanda das famílias tem um componente autônomo (Ca) e que as demandas (I e G) dos 
demais agentes também são autônomas, não dependem do nível de renda. V 
Todas são verdadeiras 
 
5. O que entra no cálculo do PIB (Produto Interno Bruto)? 
As atividades informais e ilegais - Como o trabalhador sem carteira assinada e o tráfico de drogas 
Serviços não remunerados - O trabalho da dona de casa, por exemplo, 
Bens e produtos finais - Aqueles vendidos ao consumidor final, do pão ao carro. 
Bens intermediários - Aqueles usados para produzir outros bens 
Bens já existentes - A venda de uma casa já construída ou de um carro usado, por exemplo, 
 
6. No modelo keynesiano simplificado, o efeito de uma redução no investimento sobre o produto 
da economia é de: 
Aumento, igual à redução do investimento. 
Aumento, em proporção maior que a redução do investimento. 
Queda, idêntica à redução do investimento. 
Nenhuma alteração no nível do produto. 
Queda, em proporção maior que a redução do investimento. 
 
7. No que diz respeito ao modelo keynesiano generalizado e o equilíbrio no mercado de bens e 
serviços numa economia fechada, dada a equação Y = C ( Yd ) + I ( r ) + G, percebe-se que: 
O investimento tem uma relação inversa com a taxa de juros 
O investimento tem uma relação inversa com a renda disponível 
O consumo tem uma relação inversa com a renda disponível 
Os gastos do governo tem uma relação inversa entre o investimento e o consumo. 
 
8. A curva IS vai se deslocar para a direita se: 
O consumo autônomo aumentar. 
A quantidade de moeda aumentar na economia. 
O governo reduzir os seus gastos. 
Os impostos autônomos aumentarem 
A quantidade de moeda se reduzir na economia. 
 
9. Dada uma curva de oferta agregada de um determinado país (qualquer), podemos dizer que: 
(I) Quando as empresas produtoras dos setores primá rio, secundário e terciário estão com baixa 
produção, mas têm capacidade instalada de máquinas e equipamentos para produção muito 
maior, é possível que prefiram aumentar a quantidade ofertada sem o aumento de preços, pois 
estão com ociosidade na produção e não vão querer espantar os clientes com o aumento de 
preços. V 
(II) A partir de certa quantidade, os setores de produção de uma economia vão ofertar 
quantidades maiores somente mediante aumento de preços. Isto vai ocorrendo até que a 
produção chegue ao seu limite e não haja mais como atingir uma produção maior, demonstrando 
que a curva de oferta agregada tem uma dada inclinação, que não é totalmente vertical,nem 
totalmente horizontal. V 
(III) Quando as empresas produtoras dos setores primário, secundário e terciário estão 
produzindo na sua capacidade máxima de produção, ou seja, no pleno emprego da utilização dos 
seus fatores de produção, qualquer elevação da demanda agregada irá ocasiona r aumento da 
inflação, sem elevar o produto e ou renda da economia V. 
Todas são verdadeiras 
 
10. Supondo que o governo brasileiro deseje fazer um ajuste fiscal através do aumento dos 
tributos e queda dos gastos públicos com o objetivo de diminuir a inflação no país, visto que a 
economia está operando com uma curva de oferta totalmente vertical, ou seja, a economia está 
na sua plena capacidade de produção. Neste sentido, dada a política e o objetivo de conter a 
inflação, a curva de demanda agregada tenderá a se deslocar para baixo ao longo da curva de 
oferta agregada e isso fará com que: 
O produto e a renda não se alterem. 
Haja elevação da renda, mas não do produto. 
Haja uma elevação da renda. 
Haja elevação do produto, mas não da renda. 
Haja uma elevação do produto. 
 
11. Leia atentamente as informações a seguir e assinale o item correto sobre as variáv eis da 
demanda agregada. 
(I) O consumo das famílias (C) varia inversamente com os preços, pois dada a quantidade de 
moeda existente na economia, se os preços diminuem o valor real da moeda aumenta, ou seja, o 
poder de compra do dinheiro aumenta o que corresponde ao aumento da riqueza das pessoas, que 
poderão adquirir mais bens e serviços. V 
(II) A maior oferta de moeda faz com que a taxa de juros diminua, incentivando os empresários a 
tomarem empréstimos para a compra de bens de capital (de máquinas e equip amentos), ou seja, 
para investir. V 
(III) A queda da taxa de câmbio, que é uma apreciação cambial, incentiva as exportações e 
desincentiva as importações, fazendo com que as exportações líquidas aumentem F 
Somente III é falsa. 
 
12. Dizer que a função IS é inelástica à taxa de juros significa dizer que: 
A poupança só depende da taxa de juros. 
A taxa de juros independe do equilíbrio ente I e S. 
o investimento só depende da taxa de juros, 
o investimento responde pouco às variaçôes na taxa de juros. 
A poupança responde pouco às variações na taxa de juros. 
 
13. Por que aumentos no consumo autônomo das famílias elevam o nível de renda da economia? 
Porque aumenta a poupança agregada elevando os investimentos. 
Porque desestimulam as importações. 
Porque elevam a propensão marginal a consumir. 
Porque aumenta a demanda agregada estimulando os produtores. 
Porque estimula a entrada de produtos estrangeiros diminuindo a inflação. 
 
14. Numa economia fechada, sem transações internacionais, temos os seguintes agregados: 
 C= 500; I=100; G=100 e T=50. A renda disponível será de: 
 C+I +G – T = 500 +100+100-50 = 650