A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
192 pág.
Augusto Grieco - Formação Jurisprudencia Administrativa do Direito Previdenciário - Os Enunciados do Conselho de Recursos da Previdência Social - Ano 2007

Pré-visualização | Página 50 de 50

ocupar a jurisprudência no
arcabouço normativo do direito, apesar de reconhecida a importância da mesma para a
formação do direito.
22. A jurisprudência é considerada por grande parte dos doutrinadores como fonte
subsidiária ou secundária.
23. Com a recente alteração constitucional, por intermédio da Emenda Constitucional nº
45/2004, instituindo a súmula vinculante no ordenamento jurídico nacional, quando
adotadas, passarão a ser fontes formais do direito, já que serão de vinculação obrigatória.
24. O Conselho de Recurso da Previdência Social é órgão de controle jurisdicional das
decisões do INSS.
25. O fundamento do controle administrativo exercido pelo CRPS é o Estado Democrático
de Direito e tem como pilares de sustentação o princípio da legalidade e o direcionamento
das políticas administrativas para atendimento do interesse público
26. Ao Conselho de Recursos da Previdência Social foi conferida função normativa que se
manifesta, sobretudo, por intermédio da edição de enunciados.
27. O CRPS, através de sua construção jurisprudencial, estabelece os modelos de decisão
que a Administração Pública Previdenciária deverá seguir ao analisar os requerimentos de
seus virtuais beneficiários – natureza normativa dos enunciados.
167
28. Os enunciados do CRPS têm força normativa vinculante para toda a Administração
Pública Previdenciária.
29. Os enunciados do CRPS são fontes formais da ordem jurídica previdenciária.
30. Os enunciados são valiosos instrumentos que garantem a uniformidade das decisões
administrativas tomadas no plano do Instituto Nacional do Seguro Social, evitando-se,
recursos inúteis e protelatórios por parte da própria Entidade Autárquica.
31. Operacionaliza um fenômeno de amplificação de efeitos das decisões administrativas
segundo o preceito adotado no enunciado. 
32. A formação jurisprudencial administrativa, em um ambiente de maior acessibilidade
dos virtuais beneficiários dos serviços e prestações previdenciárias, revela-se como
importante instrumento de prevenção de litígios judiciais com os administrados e permite
uma maior uniformidade interpretativa por parte dos agentes públicos.
33. Os enunciados emitidos pelo CRPS vinculam a Administração Pública Previdenciária,
razão pela qual os incluímos na categoria de fonte formal do Direito Previdenciário no
âmbito da Administração Pública.
34. A jurisprudência administrativa é o instrumental que dá acabamento à ordem normativa
inaugurada pela Constituição da República, integrando toda a atividade administrativa do
Estado no que concerne à proteção social.
35. Os enunciados emitidos pelo CRPS possuem eficácia geral e normativa e sua
formulação é preceito de ordem obrigatório para a Administração Pública Previdenciária e
para as partes interessadas.
36. O enunciado ingressa no ordenamento jurídico na qualidade de norma com caráter geral
e abstrato.
168
37. A emissão do enunciado pelo CRPS revela o momento em que a Administração Pública
reconhece uma determinada orientação interpretativa do direito previdenciário.
38. O enunciado do CRPS vincula toda a estrutura hierárquica previdenciária, em especial o
Instituto Nacional do Seguro Social, que dela não pode se afastar, como não pode se afastar
da lei.
39. Urge um renascimento e valorização do processo administrativo de modo a permitir que
o administrado participe efetivamente da tomada de decisões da Administração Pública. 
40. O manejo adequado do processo administrativo por parte da Administração Pública
garante a pronta entrega da proteção social, do atendimento dos objetivos da ordem social e
previne litígios judiciais com os administrados. 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ALENCAR, Hermes Arrais. Benefícios Previdenciários. São Paulo: Livraria e Editora
Universitária de Direito, 2003.
ANDRADE, José Carlos Vieira de. A Justiça Administrativa (Lições). 2 ed. Coimbra:
Almedina, 1999. 
ARAÚJO CINTRA, Antonio Carlos; GRINOVER, Ada Pellegrini; DINAMARCO, Cândido
Rangel. Teoria Geral do Processo. 13 ed. rev. e atual. São Paulo: Malheiros, 1997.
ARAÚJO, Luiz Alberto David & NUNES, Vidal Serrano Júnior. Curso de Direito
Constitucional. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 1999.
ASSIS, Araken. Doutrina e Prática do Processo Civil Contemporâneo. São Paulo: Editora
revista dos Tribunais, 2001. 
BALERA, Wagner. A Seguridade Social na Constituição de 1988. São Paulo: RT, 1989. 
___________. Processo Administrativo Previdenciário. Benefícios. São Paulo: LTr, 1999.
___________. Reforma Previdenciária. In: O Direito do Trabalho na Sociedade
Contemporânea. Coordenação Yone Frediani; Jane Granzoto Torres da Silva. São Paulo:
Editora Jurídica Brasileira, 2001. pp. 165-176.
___________. Sistema de Seguridade Social. 3 ed. São Paulo: LTr, 2003.
___________. Noções Preliminares de Direito Previdenciário. São Paulo: Quartier Latin,
2004.
BALERA, Wagner & MUSSI, Cristiane Miziara. Direito Previdenciário para Provas e
Concursos. São Paulo: Editora Método, 2004.
BARCELLOS, Ana Paula de. A Eficácia Jurídica dos Princípios. O Princípio da Dignidade
da Pessoa Humana. Rio de Janeiro: Renovar, 2002.
___________. Ponderação, Racionalidade e a Atividade Jurisdicional. Rio de Janeiro:
Renovar, 2005.
BARROS, Alice Monteiro. Curso de Direito do Trabalho. São Paulo: LTr, 2005.
BARROS, Wellington Pacheco. Curso de Processo Administrativo. Porto Alegre: Livraria do
Advogado, 2005.
BARROSO, Luís Roberto. Interpretação e Aplicação da Constituição. 4 ed. rev. e atual. São
Paulo: Saraiva, 2001.
___________. A Nova Interpretação Constitucional. Ponderação, Direitos Fundamentais e
Relações Privadas. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.
___________. O Direito Constitucional e a Efetividade de suas Normas. Rio de Janeiro:
Renovar, 2003.
___________. Aspectos Constitucionais: Constituição, ordem econômica e agências
reguladoras. In: MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Direito Regulatório: a alternativa
participativa e flexível para a administração pública de relações setoriais complexas no estado
democrático. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.
BARROSO, Luís Roberto & BARCELLOS, Ana Paula de. O Começo da História. A Nova
Interpretação Constitucional e o Papel dos Princípios no Direito Brasileiro. In A Nova
Interpretação Constitucional. Ponderação, Direitos Fundamentais e Relações Privadas.
Organizador Luís Roberto Barroso. Rio de Janeiro: Renovar, 2005. pp. 327-378.
BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 18 ed. São Paulo: Saraiva, 1997.
BELMONTE, Alexandre Agra. Instituições Civis no Direito do Trabalho. Curso de Direito
Civil Aplicado ao Direito do Trabalho. 3 ed. atualizada de acordo com o Novo Código Civil e
aumentada. Rio de Janeiro: Renovar, 2004.
BERBEL, Fábio Lopes Vilela. Teoria Geral da Previdência Social. São Paulo: Quartier
Latin, 2005.
BEZERRA LEITE, Carlos Henrique. Curso de Direito Processual do Trabalho. 3 ed. São
Paulo: LTr, 2005.
BIGOT, Grégoire. Introduction Historique au Droit Administratif depuis 1789. Paris: Presses
Universitaires de France, 2002.
BOBBIO, Norberto. Teoria da Norma Jurídica. 3 ed. rev. Bauru: EDIPRO, 2005.
BOITEUX, Fernando Netto. Os Conselhos de Contribuintes do Ministério da Fazenda e seu
Regime Jurídico. In Processo Administrativo Tributário. Coordenação Sérgio André Rocha.
São Paulo: Quartier Latin, 2007, pp. 177-202.
BONAVIDES, Paulo. Do Estado Liberal ao Estado Social. 6 ed. ampl. São Paulo: Malheiros,
1996.
___________. Ciência Política. 10 ed. São Paulo: Malheiros, 1999.
___________. Teoria do Estado. 5 ed. rev. e ampl. São Paulo: Malheiros, 2004.
BORBA, Cláudio. Processo Administrativo Federal e do INSS Anotados e Comentados.
Niterói: Impetus, 2004.
BORGES, José Arthur Diniz. Direito Administrativo Sistematizado e sua Interdependência
com o Direito Constitucional. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.