A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
17 pág.
Menínges e Líquor

Pré-visualização | Página 1 de 1

Menínges e Líquor
Prof. Carlos Maurício Almeida
Neurologista
1
O SNC é envolvido por 3 membranas conjuntivas
Dura-Máter Paquimenínge
Aracnóide Leptomenínges
Pia-Máter
1. Dura-Máter
 A menínge mais superficial, rico em fibras colágenas, muito inervada e vascularizada.
Encéfalo: dois folhetos (ext/int) . 
Dura-máter espinhal : 1 folheto contínuo com o folheto int. 
Figura: Dura-máter
2
Dura-máter craniana o folheto externo adere ao periósteo (espaço epidural virtual) .
Pregas da Dura-Máter
O folheto interno da Dura se destaca formando pregas.
Foice do Cérebro
Tenda do Cerebelo
Foice do Cerebelo
Diafragma da Sela
Figuras: Pregas da dura-máter
Fossa posterior 
Fossa média
Supratentorial e Infratentorial
3
Seios da Dura-máter 
Canais venosos situados entre os 2 folhetos da dura encefálica.
Drenagem das veias do encéfalo e bulbo ocular para a VJI.
vv.superficiais- através das vv emissária 
S Sagital Superior
S Sagital Inferior
S Reto
S Transverso
S Sigmóide
S Occipital
Figuras:Seios Durais
4
Seios da Dura da Base do Crânio.
Seio Cavernoso (SC): vv oftálmica sup e retiniana repousa asa do esfenoide. Contém : ACI, III, IV,VI, e V (oftálmico) .
Seio Intercavernoso.
S Petroso Superior (drena SC para o Sigmóide)
S petroso Inferior (SPI): menor, drena para VJI.
S Efenoparietal
Plexo Basilar comunica-se com SC eu SPI e o plexo vertebral
 
Figuras:Seios Durais
5
Figura : Fístula Carótida-Cavernosa após TCE e após embolizaçao.
6
Figuras :Subaracnóide
2.Aracnóide
Mais fina que a dura-máter, separa-se pela espaço subdural e da pia-máter pela subaracnóideo.
Aspecto trabecular trabéculas aracnóideas”.
Espaço Subaracnóideo (LCR)
7
Figuras :Cisternas Subaracnóides
Cisternas Subaracnóideas
Espaço subaracnóideo é muito variável.
Dilatações do E. Subaracnóideo
Cisternas Magna ou Cerebelo-medular (Forame Magendie IV ventrículo).
Cisterna Pontina
Cisterna Interpenduncular.
Cisterna Quiasmática.
Cisterna Superior ou da V C Manga.
Cisterna Fossa Lateral do Cérebro.
8
Figuras :Granulações Aracnóideas
Granulações Aracnóideas
Pequenos dilatações aracnóideas dentro dos seios venosos durais.
Liquor separado do sangue pelo endotélio = Barreira Hemato-Liquórica
Figuras :Barreira Hemo-liqúorica
9
Figuras :Pia-Máter
Pia-Máter
Interna e mais íntima das menínges.
Contínua com os sulcos e giros e vasos e capilares (espaços perivasculares) , recebendo prolongamento dos astrócitos (membrana pio-glial).
Função
Resistência
Proteção- espaço perivascular (manguito protetor)
10
Figuras :LCR aspecto e características
LCR
Líquido aquoso, incolor, estéril, esp. Subaracnóide.
Funçao primordial: mecânica “coxim”
Proteção- espaço perivascular
Características:
Aspecto
Límpido e incolor
Células
0-4mm/3
Pressão
5- 20 cm H20
Proteína
Lombar 10-40 mg
Cisternal até 20 mg
Hemáceas
0-3 mm/3
11
Figura :punção lombar
Acessos:
Lombar
Trans-fontanela
Cervical-Sub-occipital
Formação
Plexos Corióides (principal), epêndima e vv leptomeníngeos.
Plexos corióides presentes VL, III, IV ventrículos
Absorção realizada pelas granulações aracnóideas
Circulação liquórica “ baixo para cima”.
12
Vídeo: circulação LCR
13
Figura :Ventrículos
Correlações anátomo-clinicas
Produção, absorção de LCR- hidrocefalias. Causam:
HIC	
Compressão nervosa 
Atrofia cortical
Tipos
Comunicantes: produção ou absorção.
Não-comunicantes: fluxo LCR
14
Figura :fundoscopia
Hipertensão intracraniana
Cavidade cranio-vertebral:fechada
VC= sangue+ parênquima + LCR
Sangue: hemorragias, HSA.
Parenquimas: TU, infecções
LCR: obstruções, infecções, TU.
Sintomas:
Cefaléia, paresia de nervos cranianos, papiledema, vômitos.
15
Figura :tipos de hérnias cerebrais
Hernias Cerebrais
A HIC provoca o deslocamentos do TN para compartimentos vizinhos
Classificação
Hernia do Giro do Cíngulo ou Sub-falcina.
Hérnia do Úncus: Úncus sobre a incisura da Tenda = compressão III par.
Hérnias das Tonsilas= HIC na F posterior= compressão do bulbo.
Figura :Anisocoria
16
Obrigado.
17