A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
33 pág.
METODOLOGIA DE PESQUISA PROF GIOVANA1[1]

Pré-visualização | Página 8 de 8

5
10
15
20
25
30
5ª 6ª 7ª 8ª 1º 2º 3º
 
Figura 6. Distribuição dos alunos por série, da Escola General Porphyrio da Paz, de Paulínia, 
Campinas-SP, maio de 1998. 
 
HISTOGRAMA 
0
5
10
15
20
25
 
Figura 9. Distribuição das notas na prova de Matemática dos alunos da 5
 30
TABELAS 
 
Tabela 2. Número (n), percentagem (%) e teste do Qui-Quadrado (X²) entre o chefe de família e o seu 
estado civil. Florianópolis, SC, Brasil, 2001. 
Estado Civil 
Casada Solteira Viúva Divorciada 
Separada 
 
X² 
 
Chefe de 
família 
 
n 
 
% 
n % n % n % n % Valor p 
Próprio 
idoso 
Cônjuge 
Parentes 
155 
16 
27 
78.3 
8.1 
13.6 
33 
15 
8 
21.3 
93.8ª 
29.6 
8 
- 
3 
5.2 
- 
11.1 
106 
- 
14 
68.4ª 
- 
51.9 
8 
1 
2 
5.2 
6.3 
7.4 
Total (n e %) 198 100.0 56 28.3 11 5.6 120 60.6 11 5.6 
 
41.2 
 
<0.050 
ª Valor do resíduo ajustado >[2] 
 
Gráfico de dispersão 
 
GRÁFICO DE DISPERSÃO 
 
Gráfico de dispersão 
 
ATITUDE1
908070605040302010
N
O
T
A
12
10
8
6
4
2
0
ESCOLA
 3
 2
 1
Figura 12. Relação entre o desempenho e atitude em relação a Matemática dos 
alunos da 5ª série, por escola 
 
 
 
 
Disciplina de Metodologia de Pesquisa 
Profª Drª Giovana Zarpellon Mazo 
 
 31
 
 
 
Gráficos circulares (torta ou pizza) 
 
3%
22%
40%
35% AF Trabalho
AF Transporte
AF Doméstica
AF Lazer
 
Figura 1. Contribuição percentual das diferentes formas de atividades físicas (AF) em minutos por 
semana (períodos mínimos de 10 minutos contínuos). 
 
 
 
BIBLIOGRAFIA 
 
AZEVEDO, I. B. O prazer da produção científica. Piracicaba, UNIMEP, 1993. 
CARVALHO, M.C.M. (org). Construindo o saber: Técnicas de Metodologia Científica. 
Campinas, Papirus, 1988. 
ECO. U. Como se faz uma tese. 11a ed., São Paulo, Perspectivas, 1993. 
HOSSNE, W.S. Experimentação com seres humanos. São Paulo, Atlas, 1990. 
LUNGARZO, C. O que é ciência. 4ª ed., São Paulo, Brasiliense, 1992. 
SEVERINO, A.J. Metodologia do trabalho científico. 20a ed., São Paulo, Cortez, 1998. 
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. Normas diversas. Rio de Janeiro, 
ABNT, [s/d]. 
BAUER, M.W.; GASKELL G. Pesquisa qualitativa com texto imagem e som: um manual 
prático. Petrópolis: Vozes, 2002. 
DENCKER, Ada de Freitas & DA VIÁ, Sarah C. Pesquisa Empírica em Ciências Humanas. 
São Paulo, Ed. Futura, 2001. 
GIL, Antônio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 3ª ed. São Paulo, Ed. Atlas, 
1996. 
GIL, Antônio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 4ª ed. São Paulo, Ed. 
Atlas, 1994. 
LOPES, Maria Immacolata V. Pesquisa em Comunicação. 4ª ed. São Paulo, Loyola, 
1999. 
MARCONI, Marina de A. & LAKATOS, Eva M. Técnicas de Pesquisa. 3ª ed. São Paulo, 
Ed. Atlas, 1996. 
MARQUES, M.O. Escrever é Preciso: o princípio da pesquisa científica.4ºed.Ijuí. Ed 
Unijuí, 2001. 
MINAYO, M.C.de S (org). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 18º ed. 
Petrópolis. Ed Vozes, 2001. 
 32
OLIVEIRA, Silvio Luiz de. Tratado de Metodologia Científica: Projetos de Pesquisas, 
TGI, TCC, Monografias, Dissertações e Teses. São Paulo, Ed. Pioneira, 1997. 
RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa Social: Métodos e Técnicas. 3ª ed. revista e 
ampliada. São Paulo, Ed. Atlas, 1999. 
SELLTIZ, Jahoda et alií. Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais. 3ª ed. São Paulo, 
E.P.U./EDUSP, 1974. 
SENRA, Nelson de Castro. O Cotidiano da Pesquisa. São Paulo, Ed. Ática, 1989. 
BRUYNE, Paul de, HERMAN, Jacques & SCHOUTHEETE, Marc de . Dinâmica da Pesquisa 
em Ciências Sociais. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1977. 
CHIZZOTTI, Antônio. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo, Ed. Cortez, 
1995. 
LIMA, Manolita Correia. A Engenharia de Produção Acadêmica. São Paulo, Ed. Unidas, 
1997. 
NOGUEIRA, Oracy. Pesquisa Social: Introdução às suas Técnicas. São Paulo, Nacional 
EDUSP, 1968. 
RUDIO, Franz Victor. Introdução ao Projeto de Pesquisa Científica. 30ª ed. Petrópolis, 
Ed. Vozes, 2001 
THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa: Ação. São Paulo, Ed. Cortez, 1994. 
 
 
 33
	Técnicas de Amostragem 
	Limitações da Entrevista 
	PREPARAÇÃO DA ENTREVISTA 
	DIRETRIZES DA ENTREVISTA 
	OBSERVAÇÃO 
	Observação Assistemática 
	Observação sistemática 
	Observação individual 
	Observação em equipe 
	Observação em laboratório 
	VANTAGENS 
	DESVANTAGENS 
	 
	Duas das propriedades exigíveis são as que dizem respeito à: sua fiabilidade e validade 
	Validade 
	Análise Qualitativa 
	ETAPAS 
	Estado Civil
	Próprio idoso 
	Parentes
	27
	GRÁFICO DE DISPERSÃO 
	 Figura 12. Relação entre o desempenho e atitude em relação a Matemática dos

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.