A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
177 pág.
Tese Professor titular Crocco

Pré-visualização | Página 21 de 49

centrais de maior ou menor ordem. Os bens centrais de maior ordem seriam 
produzidos e ofertados nos lugares centrais de maior ordem. Já os de bens centrais 
de ordem inferior seriam produzidos em lugares centrais de ordem inferior e 
ofertados tanto em lugares centrais de maior quanto de menor ordem. Exemplos 
de serviços centrais são: comércio, atividade bancária, administração pública, 
serviços culturais e religiosos, organizações empresariais e profissionais etc. 
Outra definição importante para o desenvolvimento da teoria do lugar 
central seria a de região complementar. Esta seria a região para a qual o lugar 
central é o centro. De forma semelhante à definição de lugar central, também 
ocorreriam regiões complementares de distintas ordens, dependendo da 
hierarquia do lugar central a que se relaciona. Embora a dimensão de uma região 
central seja considerada estável, uma vez que ela é delimitada pela distância até 
um lugar central de ordem superior ou igual, a sua demarcação exata é 
considerada difícil, uma vez que o seu tamanho irá variar de acordo com o tipo de 
bem ou serviço transacionado. 
Fica evidente das definições acima que o conceito de lugar central não é 
absoluto, mas sim relativo tanto à sua área complementar quanto aos demais 
lugares centrais. Nas palavras de Richardson: 
A função primordial da cidade é atuar como centro de serviços para o interior 
imediatamente próximo a ela (denominado região complementar), fornecendo 
bens e serviços centrais como comércio atacadista e varejista, serviços 
bancários, organizações de negócios, serviços administrativos, facilidades de 
educação e diversão. Esses serviços centrais podem ser classificados em 
ordens superiores e inferiores, obtendo-se uma hierarquia de centros de 
acordo com a ordem de serviços que fornecem. (Richardson 1975 [1969], p. 
162) 
Também, nas palavras de Christaller: 
Those places which have central functions that extend over a larger region, in 
which other central places of less importance exist, are called central places of 
a higher order. Those which have only local central importance for the 
 
 
66
immediate vicinity are called, correspondingly, central places of a lower and of 
the lowest order. Smaller places which usually have no central importance and 
which exercise fewer central functions are called auxiliary central places. 
(Christaller 1966, p. 17) 
Para completar sua discussão teórica, Christaller utiliza o conceito de limite 
crítico de demanda e de alcance de um bem. O limite crítico seria o nível mínimo de 
demanda que permite a uma firma obter lucros normais. O alcance de um bem 
seria entendido como sendo a maior distância que uma população dispersa é capaz 
de percorrer de forma a comprar um bem que é oferecido em uma área central. 
Estes fatores, em conjunto, determinariam a área de mercado de um bem central e, 
através deles, seria possível determinar a hierarquia de um lugar central. 
Vários são os elementos que afetam tanto o limite crítico da demanda, 
quanto o alcance de um bem, sendo quase todos eles relacionados ou às economias 
de escala na produção de bens e prestação de serviços ou às economias de 
aglomeração derivadas da co-localização de serviços. Entre tais elementos, 
destacam-se: 
a. Distribuição da população: quanto maior a população concentrada no lugar 
central, maior o alcance deste produto. Nas palavras do autor: 
Central goods offered at a large central place have a larger range than do the 
same goods offered at a smaller central place because the determination of 
prices in the larger place is different from the smaller. […] The fact that a 
central place is larger or smaller has an immediate influence on the range of a 
central good, because more types of central goods are offered at a central 
place of a higher order than at a central place of a lower order (Christaller 
1966, p. 50) 
 
b. Estrutura da população, definida de forma a incluir as condições de renda, 
as estruturas sociais, profissionais e culturais. Os costumes e as demandas especiais da 
população, por sua vez, determinariam o montante de recursos destinados ao consumo de 
bens centrais, o que Christaller chamou de price-willingness do consumidor: 
 
Densely populated regions generally have a higher consumption of central 
goods. The fact that the people live closely together causes more frequent 
social contacts. Subjectively, these contacts result in higher estimation of 
central goods and greater consumption of them – frequently of a collectivist 
nature. Objectively, this greater consumption enables the denser population to 
establish a greater degree of labor specialization, by which many goods, 
otherwise produced dispersedly, are now centrally produced. And finally, the 
dense population enables a greater use of the capital necessary for the 
production of central goods. Thus the product itself becomes cheaper, and an 
increased consumption of the cheaper goods results. Hence, whether this 
 
 
67
dense population is equally distributed over the region or is concentrated at 
single places with thin distribution in the country affects the amount of 
consumption of central goods. (Christaller 1966, p. 33)32 
O autor também afirma que quanto maior a renda de uma região maior será o consumo de 
bens centrais, posto que, depois do consumo mais imediato, sobrariam recursos para 
serem gastos em bens centrais de ordem superior. Desta forma, em regiões de maior 
renda é mais provável a ocorrência do desenvolvimento de lugares centrais. 
 
c. Distância econômica: vantagens e desvantagens de transporte expressos 
em valores monetários ou em valores que expressem decisões conscientes em relação aos 
custos de transportes, gasto de tempo, segurança e conveniência (p. 52); 
A partir das definições de limite da demanda e do alcance de um bem é 
possível determinar a área de mercado de um bem, sendo esta condicionada pelo 
limite inferior (limite da demanda) e pelo alcance do bem (limite superior). O anel 
daí derivado se configuraria na projeção espacial do lucro líquido obtido pela 
venda do bem central ou pela prestação do serviço central. 
Na construção de seu argumento, Christaller discute como o 
desenvolvimento de um lugar central está relacionado com as características da 
oferta e demanda de um bem central. Especificamente, o autor analisa se a 
quantidade ofertada e o preço do bem são fixos ou não. Toda esta discussão é feita 
de forma a analisar os efeitos sobre a renda gerada pela comercialização deste bem 
central. Uma maior ou menor quantidade desta renda é que determinaria, em uma 
relação direta, um maior ou menor desenvolvimento do lugar central produtor 
deste bem em relação a um outro lugar central. 
O autor também mostra que a quantidade ofertada de bens centrais em um 
lugar central também afetaria o desenvolvimento comparativo deste lugar central 
em relação aos demais, devido a maior renda gerada pelo consumo deste bem. Em 
suas palavras: 
This means that in an area the central places of which offer several kinds of 
central goods, the total consumption of central goods is higher than in an area 
which offers only one or a few kinds of central goods. As a central place at 
 
32 Segundo Ablas (1982), Christaller ao discutir a importância de um lugar central, caracterizada pelo fato da 
cidade ser “progressiva”, “florescente” ou “significante”, conclui que o autor relaciona a importância do lugar 
central com a capacidade deste em gerar economias de escala ao nível da cidade como um todo. Nas palavras 
de Ablas, 
A idéia fica clara quando ele [Christaller] diz que o que caracteriza a cidade diferenciando-a do 
simples burgo rural é a presença na primeira de atividades cooperativas