A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
185 pág.
HISTÓRIA DA LITERATURA BRASILEIRA

Pré-visualização | Página 46 de 50

admirador fervoroso de Cousin, Magalhães
toma a posição soberba de um artista alheio e superior a escolas, emancipado. “O poeta independente, diz ele no seu magro
Discurso sobre a história da literatura do Brasil, citando Schiller,96 não reconhece por lei senão as inspirações de sua alma,
e por soberano o seu gênio.” Gênio é uma palavra de que Magalhães abusava, metendo-a até um passo onde forçosamente
se referia a si próprio. Infelizmente, gênio não tinha nenhuma, e a postura de poeta independente que alardeava não lhe
calhava ao modesto engenho. Era a formação pseudoclássica do seu espírito, consoante com a sua índole literária, e o seu
ecletismo filosófico que lhe impunham essa atitude. O próprio título de tragédia que deu às suas peças de teatro contrastava
o parecer do Romantismo, que em nome da liberdade da arte, e da verdade humana, refugava a velha fórmula clássica.
96Opúsculos históricos e literários, 2.ª edição. Rio de Janeiro, Garnier, 1865,270.
O renovador do teatro, e simultaneamente principal fautor do Romantismo português, Garrett, não por simples imitação,
mas com razões excelentes, chamou ao seu admirável Frei Luís de Sousa de “drama”, não obedeceu à regra dos cinco atos
e escreveu-o em prosa, porventura a mais bela que jamais se fez em nossa língua. Magalhães, que tem sobre Garrett o mérito
da prioridade na introdução do teatro moderno em português,97 ao invés deliberadamente chamava à sua de tragédia, punha-
lhe os cinco atos clássicos, embora para isso tivesse de derramar a composição, e fazia-a em verso, segundo a fórmula
consagrada. Distinguem-na, porém, do mesmo passo revendo a influência do Romantismo, o assunto moderno e nacional, a
familiaridade da expressão apesar do verso clássico, e o pensamento liberal que a inspira, não obstante o catolicismo do
autor. Não será o Antônio José, sob o puro aspecto literário e estético, uma perfeita ou sequer notável obra d’arte, mas é sem
dúvida um documento muito apreciável da capacidade do poeta, e não de todo sem força dramática ou beleza de expressão.
E, o que muito importa, no conjunto da nossa literatura dramática, sobre a iniciar, não é despecienda. Sente-se ainda que é
uma obra feita de inspiração. Põe-no de manifesto o contraste com o Olgíato, obra prolixa, difusa e declamatória. O Otelo
é apenas a tradução em verso da incolor tragédia do pseudoclássico francês Ducis, a qual nesta dinamização já nada conserva
da fortíssima emoção shakespeariana.
Como quer que seja, o impulso da literatura dramática estava dado. Em outubro do mesmo ano de 1838, Martins Pena,
engenho teatral mais nativo que Magalhães, fazia representar a sua primeira comédia, O juiz de paz na roça, lidimamente
brasileira, por figurar com toda a verdade um aspecto cômico da nossa vida. Seguindo o exemplo de Magalhães, todos os
românticos escreverão teatro. Nenhum, porém, antes da segunda geração, com o talento, a arte e o sucesso dele.
Da impressão feita na mente portuguesa pela epopéia de Camões, resultou não só em Portugal mas no Brasil a criação
épica, que é um dos mais curiosos aspectos da literatura da nossa língua. Desvaneceram-se dela por tal forma os portugueses,
que é de ver o filaucioso entono com que presumiram amesquinhar a literatura francesa, reprochando-lhe a carência de uma
epopéia. Ao contrário, eles as tinham em demasia. Desta opinião resultou mais o parvoinho pressuposto de que um poeta,
para merecer inteira estimação, cumpria-lhe escrever um poema épico. Aos brasileiros herdaram o seu preconceito. Os
nossos românticos encontravam-no sancionado pelos exemplos de Bento Teixeira, de Santa Rita Durão, de Basílio da
Gama, de Cláudio da Costa e de outros poetas autores de poemas épicos mais ou menos consideráveis. No propósito
deliberado de fomentar a literatura da nação estreante, Magalhães fizera poesia, fizera teatro, fizera novela, escrevera
ensaios filosóficos, históricos e literários. Em 1856 coroou, segundo seria a sua mesma persuasão, a sua obra de renascença
com um poema épico, em dez cantos, em endecassílabos soltos, de assunto e de inspiração nacional, a Confederação dos
Tamoios.
O aparecimento desta obra foi um acontecimento literário. Contra ela escreveu José de Alencar, então estreante, uma
crítica acerba, e o que é pior, freqüentemente desarrazoada. Saíram-lhe em defesa ninguém menos que Monte Alverne e o
próprio Imperador D. Pedro II, que fora, às ocultas, o editor do poema. Tinha razão Magalhães quando do seu citado estudo
sobre a história da nossa literatura notava que no começo daquele século “uma só idéia absorve todos os pensamentos, uma
idéia até então quase desconhecida; é a idéia da pátria; ela domina tudo, e tudo se faz por ela e em seu nome. Independência,
liberdade, instituições sociais, reformas políticas, todas as criações necessárias em uma nova nação, tais são os objetos que
ocupam as inteligências, que atraem a atenção de todos, e os únicos que ao povo interessam”. Continuava verdadeira a sua
observação, e desse sentimento menos de são patriotismo que de vaidade patriótica aproveitou ele largamente, e aproveitava
agora no sucesso da Confederação dos Tamoios. O que principalmente disseram do poema os seus defensores é que era uma
obra de inspiração patriótica. Este errado critério de juízo de uma obra literária ou artística permaneceria nos nossos costumes,
como um vício de crítica irradicável, e ainda não desapareceu de todo. O próprio Alencar, três lustros depois, defendendo
obras suas dos ataques da crítica ou da opinião pública, apelava para o sentimento patriótico que lhas inspirava. Este
indiscreto sentimento, principalmente, ajudou a nomeada que no seu tempo teve a Confederação dos Tamoios, como em
geral favoreceu a obra dos nossos primeiros românticos, dele inspirada.
O poema de Magalhães apareceu um ano antes dos quatro cantos dos Timbiras, de Gonçalves Dias. Parece, entretanto,
que os contemporâneos não repararam que a Confederação dos Tamoios, voltando ao índio estreado na poesia brasileira por
Basílio da Gama e Durão, nada criava, mas apenas seguia a sua retauração nela, desde 1846 feita por Gonçalves dias nos
seus Primeiros cantos. Apenas à feição que se chamou indianismo, e que foi de princípio a mais singular do nosso Romantismo,
trouxe o poema de Magalhães o concurso precioso de uma obra considerável e de um homem socialmente mais considerado
que Gonçalves Dias, com altas e prestigiosas amizades e relações, poeta então muito mais estimado que o seu jovem êmulo.
Era ainda o momento em que um falso critério sociológico e um desvairado sentimentalismo queriam fazer do índio um
elemento demasiado interessante da nossa nacionalidade. Portanto, lisonjeava o sentimento público, e lhe aproveitava da
simpatia. A Confederação dos Tamoios não criou na nossa literatura o que se viria chamar “indianismo”, e que se não foi
todo o nosso Romantismo, foi a sua feição mais peculiar. Mas, com a autoridade literária de que então gozava o seu autor,
trouxe à iniciativa de Gonçalves Dias uma cooperação apenas inferior à ação deste, se é que no momento não foi havida por
superior. Em 1859, três anos depois da Confederação, apresentava Magalhães ao Instituto histórico uma extensa memória
sobre Os indígenas do Brasil perante a história, que poderia ser como o comentário perpétuo de seu poema. O fim declarado
desse trabalho é reabilitar o elemento indígena. Não era outro o íntimo pensamento do indianismo.98
Magalhães foi principalmente e sobretudo poeta. Por sua obra de poeta influiu poderosamente na implantação do
Romantismo aqui, e, portanto, na fundação da literatura que desde então se começa a distinguir da portuguesa. Mas escreveu
também prosa, ensaios diversos e tratados filosóficos. Como prosador é seguramente, não obstante alguns defeitos nativos
(como o já ridiculamente famoso da colocação dos pronomes), um dos mais