A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
70 pág.
Apostila-Questionários-Textos Complementares de Dir. Penal II

Pré-visualização | Página 21 de 21

do duplo 
binário e vicariante. 
26. Fundamentalmente, o que deve ser levado em consideração pelo Juiz 
quando da imposição de medida de segurança? 
27. É taxativo que para crimes punidos com pena abstrata de reclusão, se 
imporá ao inimputável a internação em hospital de custódia e 
tratamento psiquiátrico? E quando a pena abstrata for de detenção se 
imporá o tratamento ambulatorial? 
Eduardo Queiroz de Mello 68
28. Explique a indeterminação das medidas de segurança e o prazo mínimo 
de sua duração. 
29. No que respeita às medidas de segurança, quando se verificará a 
desinternação ou liberação? 
30. Qual a natureza jurídica da sentença que impõe medida de segurança? 
31. É possível imposição de medida de segurança a quem considerado 
semi-imputável? Quando? 
32. No caso de imposição de medida de segurança a semi-imputável ela 
será indeterminada? 
33. Defina ação penal. 
34. Como se verifica se determinado crime cometido é de ação penal 
pública incondicionada, condicionada ou de iniciativa privada? 
35. Nos crimes cuja ação penal é pública, quem exerce sua titularidade? 
36. Através do que o titular da ação penal pública exerce sua titularidade? 
37. O que basta para que o titular da ação penal pública incondicionada 
exerça sua titularidade? 
38. Em suposto crime de ação penal pública incondicionada, o titular ao 
invés de oferecer a peça processual pertinente, pede ao Juiz o 
arquivamento o inquérito policial produzido, ao entendimento de que na 
verdade não ocorrera o fato criminoso. O Juiz discorda do pedido. Qual 
a solução para o caso? 
39. O que necessário para que o titular da ação penal pública condicionada 
exerça sua titularidade? 
40. Qual a natureza jurídica da representação nos crimes que se apuram 
mediante ação penal pública condicionada? 
41. O que é decadência? 
42. Quem exerce a titularidade nos crimes que se apuram mediante ação 
penal de iniciativa privada? 
43. Distinguir representação e queixa. 
44. A quem deve ser dirigida a queixa-crime? 
45. O que é a renúncia ao direito de queixa? 
46. O que é o perdão do ofendido? O que é necessário para sua validade? 
47. O que é extinção da punibilidade? 
48. Distinguir anistia, graça e indulto. Quais as características de cada uma 
destas causas extintivas da punibilidade? 
49. O que é necessário para que a retratação tenha validade como causa 
extintiva da punibilidade? 
50. O que é perempção? 
51. O que é prescrição? Quais as modalidades de prescrição? 
52. Como se regula a prescrição da pretensão punitiva? 
Eduardo Queiroz de Mello 69
53. Como se regula a prescrição da pretensão executória? 
54. O que é e como se regula a denominada prescrição retroativa? 
55. O que caracteriza o perdão judicial como causa extintiva da 
punibilidade? 
56. Defina o livramento condicional. 
57. Distinguir o sursis e o livramento condicional. Condenado o réu à pena 
privativa de liberdade de dois anos, qual benefício poderá ser 
concedido? 
58. Qual a natureza jurídica do sursis e do livramento condicional? 
59. No livramento condicional as condições impostas quando de sua 
concessão podem ser alteradas no curso do benefício? 
60. Quando se concederá o sursis em detrimento das penas alternativas? 
 
Eduardo Queiroz de Mello 70