lucro_real_e_lucro_presumido
11 pág.

lucro_real_e_lucro_presumido


DisciplinaEstágio Supervisionado I8.727 materiais26.590 seguidores
Pré-visualização5 páginas
23/10/2013 
1 
Tema: 
LUCRO REAL E LUCRO PRESUMIDO 
 
 
Lucimar Angela Frigeri 
TRIBUTOS \u2013 Conceito 
\u201cArt. 3.º - Tributo é toda PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA 
COMPULSÓRIA, em moeda ou cujo valor nela se 
possa exprimir, que não constitua sanção por ato 
ilícito, INSTITUÍDA EM LEI e cobrada mediante 
ATIVIDADE ADMINISTRATIVA plenamente 
vinculada\u201d 
 
 
PRESTAÇÃO PECUNIÁRIA Pagamento em moeda corrente 
COMPULSORIEDADE O contribuinte é obrigado a pagar 
LEGALIDADE Exigência expressa através de lei 
ATIVIDADE ADMINISTRATIVA 
PLENAMENTE VINCULADA 
O fisco tem o poder e o dever de cobrar 
Código Tributário Nacional) 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS - Classificação 
i 
 
 
1. Quanto à ESPÉCIE 
 
 
 
3. CONTRIBUIÇÕES 
 
1. Impostos: CF art. 145 I, 153, 154, 155 e 156 
2. Taxas: CF, art. 145, II 
3. Contribuições 
 
MELHORIA 
CF, art.145, III 
 
PARAFISCAIS 
CF, art. 149 
 
ESPECIAIS 
 
SOCIAIS INTERVENÇÃO 
NO DOMÍNIO 
ECONÔMICO 
CF, art.149 
CORPORATIVAS 
CF, Art. 149 
SEGURIDADE 
SOCIAL 
CF, art.195, 
I, II e III 
OUTRAS DE 
SEGURIDADE 
SOCIAL 
CF, art. 195, 
§ 4.º 
SOCIAIS 
GERAIS 
CF, art. 212, 
§ 5.º, Art. 240 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS - Classificação 
2. Quanto à COMPETÊNCIA IMPOSITIVA 
 
FEDERAIS \u2013 Art. 155, I a VII II \u2013 Importação de PRODUTOS ESTRANGEIROS 
IE \u2013 Exportação, para o exterior, de PRODUTOS NACIONAIS ou NACIONALIZADOS 
 
IR \u2013 RENDA E PROVENTOS de qualquer natureza 
 
IOC \u2013 Operações de CRÉDITO, CÂMBIO 
 e SEGURO, ou relativas a títulos ou 
 valores mobiliários IPI \u2013 Produtos INDUSTRALIZADOS 
ITR \u2013 PROPRIEDADE territorial rural IGF \u2013 Grandes FORTUNAS 
ESTADUAIS \u2013 Art. 155, I, II e III ICMS \u2013 Operações relativas à CIRCULAÇÃO 
DE MERCADORIAS e PRESTAÇÕES E SERVIÇO, 
de TRANSPORTE INTERESTADUAL e 
INTERMUNICIPAL e de COMUNICAÇÃO 
ITD - TRANSMISSÃO causa mortis e DOAÇÃO 
 
 
 
IPVA \u2013 Propriedade DE VEÍCULOS automotores 
 
 
MUNICIPAIS \u2013 Art. 156, I, II, III 
 
ISS \u2013 SERVIÇOS de qualquer natureza, 
não compreendidos no art. 155, II, 
definidos em lei complementar 
 
 
IPTU \u2013 Propriedade PREDIAL e TERRITORIAL 
urbana 
ITBI \u2013 TRANSMISSÃO intervivos, a qualquer título, por ato oneroso, de bens imóveis 
por natureza ou acessão física, e de direitos reais sobre imóveis 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS - Classificação 
3. Quanto à PESSOA que suporta o ônus tributário: 
DIRETOS: 
 Recaem definitivamente sobre o contribuinte que 
está DIRETA e PESSOALMENTE ligada ao fato 
gerador 
 
 
 
 
Ex.: IPTU, IRPJ, IRPF 
 
INDIRETOS: 
 Aqueles que, em cada etapa econômica, são 
repassados para o preço do produto, mercadoria ou 
serviço 
 
Ex.: ICMS, ISS 
A mesma pessoa é contribuinte de 
FATO e de DIREITO 
Incidem sobre o 
PATRIMÔNIO e a RENDA 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS \u2013 Elementos Fundamentais 
 
1. FATO GERADOR: 
 
\u201cFATO GERADOR é a concretização da hipótese de 
incidência tributária, prevista de forma abstrata 
na lei, que faz nascer a obrigação tributária\u201d 
 
\uf071 Prestar serviço 
\uf071 Vender mercadoria 
\uf071 Obter renda 
 
\u201cArt. 114 \u2013 FATO GERADOR da obrigação principal é 
a situação definida em lei como necessária e 
suficiente à sua ocorrência\u201d 
 
\u201cArt. 115 \u2013 FATO GERADOR da obrigação acessória é 
qualquer situação que, na forma da legislação 
aplicável, impõe a prática ou a abstenção de ato 
que não configure obrigação principal\u201d. 
(Código Tributário Nacional) 
 
 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
23/10/2013 
2 
TRIBUTOS \u2013 Elementos Fundamentais 
2. CONTRIBUINTE ou RESPONSÁVEL 
 
SUJEITO PASSIVO da obrigação tributária é 
aquele que tem relação pessoal e direta com 
o fato gerador 
 
 
 
RESPONSÁVEL: Pessoa que a lei escolher para 
responder pela obrigação tributária, em 
substituição ao contribuinte de fato. É o 
contribuinte de direito 
 
 
 
O proprietário de imóvel na 
zona urbana 
Pessoa Jurídica que 
 tem lucro 
Retenção Imposto 
 de Renda na Fonte 
Retenção de INSS 
da folha de pessoal 
IPI cobrado do 
comprador de 
 produto industrializado 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS \u2013 Elementos Fundamentais 
3. BASE DE CÁLCULO 
 
BASE DE CÁLCULO é o valor sobre o qual é 
aplicada a alíquota para apurar o valor do 
tributo a pagar 
 
 
 
 
COFINS: 
 
\u201cArt. 2.º - A contribuição de que trata o artigo 
anterior será de 2% (dois por cento) e incidirá 
sobre o FATURAMENTO mensal, assim 
considerado a RECEITA BRUTA das vendas de 
mercadorias e serviços de qualquer natureza. 
 
 
Art. 8° - Fica elevada para 3,0% (três por cento) a 
alíquota da COFINS. 
 
 
Definida em 
lei complementar 
Obedece aos princípios da legalidade, 
anterioridade e irretroatividade 
(Lei Complementar n.º 70/91) 
(Lei Ordinária n.º 9718, de 27.11.98) 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS \u2013 Elementos Fundamentais 
4. ALÍQUOTA 
ALÍQUOTA é o percentual definido em lei que, 
aplicado sobre a base de cálculo, determina o 
montante do imposto a ser pago. 
 
 
 
 
IMPOSTO DE RENDA 
 
\u201cArt. 3.º - A ALÍQUOTA do imposto de renda das 
pessoas jurídicas é de 15% (quinze por cento) 
 
 
 
 
 
 
Obedece aos princípios da 
legalidade e anterioridade 
 
Não se aplica o princípio da Anterioridade 
para: Imposto de Importação e Exportação, 
IPI, IOF e Contribuições Sociais 
 
(Lei Ordinária n.º 9249/95, art. 3.º) 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
TRIBUTOS \u2013 Elementos Fundamentais 
5. ADICIONAL 
 
ADICIONAL é o complemento da alíquota ou 
da base de cálculo do tributo devido\u201d 
 
IMPOSTO DE RENDA 
 
\u201cArt. 4.º - 
§ 1.º - A parcela do lucro real, presumido ou arbitrado 
que exceder o valor resultante da multiplicação de 
R$ 20.000,00 (vinte mil reais) pelo número de 
meses do respectivo período de apuração, sujeita-
se à incidência de ADICIONAL DE IMPOSTO DE 
RENDA à alíquota de 10% (dez por cento) 
 Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
IMPOSTO DE RENDA - Competência 
Art. 153 \u2013 Compete à União instituir imposto 
sobre: 
III \u2013 renda e proventos de qualquer natureza 
 
§ 2.º - O imposto previsto no inciso III: 
I \u2013 será informado pelos critérios da 
GENERALIDADE, da UNIVERSALIDADE e da 
PROGRESSIVIDADE, na forma da lei\u201d 
 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
IMPOSTO DE RENDA 
Características do Campo de Incidência 
i 
1. GENERALIDADE: A tributação alcança a TUDO 
Rendimentos de Capital 
Rendimentos do Trabalho 
Rendimentos do 
 Capital + Trabalho 
SALÁRIOS 
JUROS 
LUCROS 
Lucimar Angela Frigeri \u2013 Gestão 
iscal 
23/10/2013 
3 
IMPOSTO DE RENDA 
Características do Campo de Incidência 
i 
2. UNIVERSALIDADE: A tributação alcança a TODOS 
 
\uf076 Não considera o critério da SELETIVIDADE 
\uf076 Não faz distinção entre PESSOAS ou PROFISSÕES 
\uf076 Não é compatível com o princípio da IGUALDADE 
SELETIVIDADE consiste na variação de alíquotas do imposto 
em função da essencialidade dos produtos e serviços 
(Caderno de Pesquisas Tributárias. São Paulo: Resenha Tributária. 
Centro de Extensão Tributária. v. 19, p. 435. 1994) 
Lucimar Angela Frigeri - Gestão 
Fiscal 
IMPOSTO DE RENDA 
Características do Campo de Incidência 
3. PROGRESSIVIDADE: O tributo aumenta à 
medida que a renda aumenta 
 
PROGRESSIVIDADE é o sistema de 
tributação em que a alíquota vai 
aumentando à medida que aumenta a base 
de cálculo 
(Caderno de Pesquisas Tributárias. São Paulo: Resenha Tributária. 
Centro de Extensão Tributária. v. 19, p. 435. 1994)